PRODUTOR COLHE MAM肙 GIGANTE DE 6 KG EM MATO GROSSO

Fruta tem 64 cent韒etros de comprimento e, segundo professor, n鉶 comum.
Sabado, 13 de Junho de 2015 - 11:50

O produtor rural Sebastião Horácio Capeletto, que vive em uma chácara no município de Diamantino, a 209 km de Cuiabá, colheu nesta quarta-feira (10) um mamão bem maior que os de costume, com 64 centímetros de comprimento e 6,5 kg. De acordo com ele, a fruta foi uma das sobreviventes de uma ventania que só deixou dois frutos. Ele disse que pretende dividir o mamão com os vizinhos. "Vou repartir [o mamão] e aquele que quiser a semente, darei de coração”, afirmou.

O produtor contou ter recebido a semente da fruta de um sobrinho que mora em Maringá (PR) e plantou acreditando em uma boa safra. Uma ventania que passou pela região há alguns meses e destruiu parte da árvore e a maioria dos frutos. “Depois disso, só sobraram dois mamões e o outro é bem menor que esse”, relatou. “Ele começou a cresce e resolvi cuidar dele de maneira especial”, disse Sebastião, sobre o cuidado que passou a ter quando percebeu que a fruta vingaria. Na quarta-feira, ele decidiu colher o mamão especial e agora quer reparti-lo. “Já mostrei para alguns vizinhos e devo repartir a fruta. Coisas assim não podem ficar só para a gente".

Sebastião disse que, além da diversidade de plantas e árvores, cuida de alguns animais no sítio, como patos, cavalos, galinhas, perus e bois. Com os animais, ele conta que a única atividade que retira alguma renda é com a venda de carneiros.

De acordo com o filho do produtor, Roberto Aparecido Capeletto, o pai já praticou comercialmente a agricultura, mas atualmente, a atividade funciona apenas como um hobby. “Ele sempre foi do ramo [agricultura], mas de um tempo para cá só faz isso como ocupação para aliviar o stress”, pontuou.

Ele disse que as frutas plantadas na chácara servem apenas para “dar aos amigos e alimentar os passarinhos”. Roberto conta que o pai é curioso e anda à procura de coisas diferentes para cultivar. Dentre as peculiaridades da chácara, Roberto afirma que uma das bananeiras já brotou 368 bananas.

Segundo o professor de Agronomia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), João Pedro Valente, existem diversos tamanhos e formatos de mamão, mas que esse comprimento e peso não é comum. De acordo com ele, somente análises mais detalhadas podem apontar se esse caso é resultado de uma mutação ou de quimerismo.

O primeiro, como explica Valente, pode ser reproduzida tanto na natureza quanto em laboratório. É uma característica que pode ser replicada em outras gerações da espécie. O quimerismo, além de não ser passado adiante, é causado por um agente externo. “Esse deve ser o caso dessa fruta. Essas alterações são causadas por algum tipo de 'stress químico' ou radiológico, por exemplo”, avalia. 

Fonte - G1/24HORAS

Comentários

News Pol韈ia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.