News Rondônia Notícias de Rondônia, Brasil e o Mundo
Sexta-Feira, 27 de Novembro de 2020

HOSPITAL DE BASE COMEMORA PRIMEIRO ANO DE TRANSPLANTE DE RIM REALIZADO EM RONDÔNIA

O primeiro ocorreu em 29 de maio do ano passado.
Sexta-Feira, 29 de Maio de 2015 - 09:18

Em maio de 2014 o Hospital de Base Ary Pinheiro, em Porto Velho, dava mais um passo rumo às grandes conquistas reservadas para a década. Isso, depois de ter  inaugurado dois anos antes a Central de Transplantes, e já em 2013 o credenciamento da equipe pelo Ministério da Saúde.  Do credenciamento ao primeiro transplante foram nove meses de preparação dos profissionais, hospital, equipamentos e pacientes.  Nesse período, foram  realizados 16 procedimentos, todos com sucesso. O primeiro ocorreu em 29 de maio do ano passado. E está prevista para a primeira  semana de junho a 17ª cirurgia.

A prática do transplante renal não era novidade nos centros mais desenvolvidos,  mas para Rondônia, em meio a tantas crises na área da saúde, para alguns era impossível. Os pacientes renais continuavam a  ser encaminhados para São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás e outros Estados, com todos os transtornos pertinentes aos deslocamentos.

Dos 16 transplantados, 12 receberam o órgão de doador falecido e quatro de inter vivo. Trocar a hemodiálise por um rim em perfeito funcionamento é o sonho dos pacientes da diálise. É a garantia de melhoria na qualidade de vida. Foram dois anos, um mês e 21 dias de diálise, lembra sem saudades, Jakson Rodrigues Alves, um agricultor de Jaru, de 25 anos, acrescentando que não podia fazer nada, porque três vezes por semana tinha que ir para a máquina para viver um dia a mais.  A mãe foi a doadora, uma das quatro da estatística do HB.

O sucesso no transplante foi a segunda oportunidade  de vida do jovem. Nas duas a minha mãe foi peça imprescindível.  A  cirurgia aconteceu em janeiro deste ano. De lá pra cá, as viagens de Jakson a Porto Velho são para acompanhamento médico pela equipe. Antes vivia entre uma clínica e outra para dialisar, às vezes em Ji-Paraná, outras em Ariquemes ou Porto Velho, agora tudo é mais tranquilo.

Jakson destaca a atenção da equipe e diz que está orientado a ligar para sua médica a qualquer hora. Se eu sentir qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, tenho que ligar. Relato os sintomas, e ela então me instrui para uma medicação ou me manda seguir imediatamente para o Hospital de Base, onde posso ser internado na hora em que chegar, contou. Essa disposição da equipe deixa o paciente muito seguro, frisou.

A enfermeira Cristiane Souza é a coordenadora da Central de Transplante de Rins. Ela lembra que quando os trabalhos tiveram início, ainda em 2012, tudo era muito difícil. Os pacientes tinham que buscar transplante e acompanhamento fora e o ambulatório funcionava no Posto de Saúde Rafael Vaz e Silva, no bairro Nossa Senhora das Graças., em Porto Velho Atualmente os serviços de acompanhamento são realizados na Policlínica Oswaldo Cruz, ao lado do HB. Em dias de atendimento, a equipe se desloca da Central para o ambulatório, onde presta assistência aos pacientes  já transplantados e atende aos candidatos na fila de espera, inclusive promovendo palestras.

Nesses eventos todas as orientações são transmitidas, inclusive com relação às restrições após o procedimento. O cuidado com a bebida alcoólica é um deles, mas tem paciente que diz ser melhor ficar na hemodiálise do que abandonar o vício, relata Cristiane.

CRITÉRIOS

Rondônia tem cerca de 400 pacientes na hemodiálise, desses,  45 estão à espera por um novo rim. Os critérios para entrar na fila é feito a partir do interesse dos pacientes. Eles precisam estar com todos os exames em dia. Instruímos o paciente de que o transplante não é a cura da doença renal,  mas sem dúvida há uma melhoria na qualidade de vida, quando o transplantado viverá sem a hemodiálise, observa.

O médico Alessandro Prudente é urologista, com especialização em transplante renal. Quem o conhece afirma que poderia estar em qualquer grande cidade brasileira trabalhando em hospitais de maiores recursos pela sua capacidade, mas optou em ficar em Rondônia. Junto com sua equipe, Prudente tem se esforçado para que o Estado tenha o melhor. Ele conta que o mais difícil é sincronizar doador e receptor, porque o tempo da retirada de um rim até o seu transplante é de apenas 36 horas, e a equipe tem que estar muito atenta.

O doador pode vir do interior ou da Capital ou mesmo de outro Estado. Um paciente diagnosticado com morte cerebral, por médicos que não façam parte da equipe de transplante, pode ser doador de órgãos, desde que tenha a autorização da família para a retirada.

Gidalto Eduardo Moura, de 37 anos  deveria ter sido um dos primeiros cirurgiados em maio do ano passado, mas uma  virose acabou adiando por quase três  meses o sonho de uma  vida diferente. No dia 20 de agosto comecei uma nova vida, com restrições, sim, mas com muito mais liberdade, agora que meu corpo já não necessita da máquina de hemodiálise.

A doença renal fez Gidalto até mudar de ocupação profissional. Antes era representante comercial e vivia viajando, mas a doença acabou o impedindo de trabalhar por algum tempo. Hoje trabalho com  silk screen (serigrafia). Levo uma vida regrada e visito o médico mensalmente, resume.

Gidalto recebeu o rim do irmão. Segundo Alessandro Prudente, são doadores naturais, parentes de até quarto grau.

Adriano Jamerson dos Santos tem 28 anos e fez o transplante há três anos.  A mãe, Alda dos Santos, foi a doadora. Fiquei louca quando meu filho ficou doente. Comecei a buscar informações, muitos amigos  me aconselhavam a não doar, mas quando fiz o exame de compatibilidade e o médico disse que tinha 50% de chances de ajudar o meu filho, não tive dúvidas.

Adriano fez a cirurgia em São Paulo e hoje faz parte do acompanhamento lá e parte aqui.

ACOMPANHAMENTO

O acompanhamento é uma das preocupações do transplantado Francisco José do Nascimento. Vivendo há  seis anos com um rim doado pela irmã, ele conta que  fez a cirurgia no Hospital do Rim em São Paulo. Lá tenho todo atendimento necessário, inclusive exames de ponta, com resultados imediatos. Aqui há um esforço muito grande da equipe do doutor Alessandro, que considero um herói, mas ainda é preciso muita coisa, como um espaço destinado apenas aos transplantados, com pessoal especializado.

Para ele, a tendência é de crescimento nos transplantes, haja vista a fila de espera e os pacientes que precisam de um acompanhamento cada vez mais detalhado. Se tivermos um hospital ou pelo menos uma ala hospitalar destinada somente   aos transplantados, teremos profissionais, especialmente enfermeiros,  capacitados para atuar nas emergências específicas, exemplifica.

Enquanto Rondônia dá os primeiros passos na cirurgia de transplante renal, o Brasil comemora neste ano 50  anos da realização do primeiro procedimento, que aconteceu em janeiro de 1965, no Hospital das Clínicas de São Paulo. O paciente recebeu o rim do irmão e viveu oito anos. Hoje a média de sobrevida dos transplantados é de 20 anos, mas já há casos de pacientes que completaram 30 anos após a cirurgia.

Já o primeiro transplante feito com rim retirado de cadáver aconteceu em 1968, no  Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (SP). Porto Velho está na vanguarda, sendo a cidade  mais recente  a implantar esse procedimento cirúrgico.

Fonte - ASSESSORIA

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.