News Rondônia Notícias de Rondônia, Brasil e o Mundo
Sabado, 28 de Novembro de 2020

ESTUPRADA PELO IRMÃO AOS 12 ANOS, MULHER PEDE PERDÃO À FILHA QUE FOI COLOCADA PARA ADOÇÃO

Noiva e com 21 anos, Tressa Middleton contou seu drama real em um livro
Domingo, 17 de Maio de 2015 - 21:46

À esquerda, Tressa após dar à luz, com 12 anos. À direita, ela com 21, recuperada dos traumas e de vida nova

Uma mulher que foi estuprada pelo próprio irmão aos 12 anos e ficou grávida pede perdão à filha, que foi colocada para adoção.

A escocesa Tressa Middleton, hoje com 21 anos, contou ao programa britânico This Morning como sua vida desmoronou após o nascimento de sua filha Annie, quando tinha apenas 12 anos e como ela conseguiu aos poucos se recuperar do álcool e das drogas.

— Eu espero que um dia ela me perdoe, que ela entenda. Espero que ela não me culpe por esconder das pessoas o que realmente aconteceu, e por começar a beber e perder o rumo. Deixo isso a critério dela, mas eu realmente espero que ela me dê seu perdão.

De acordo com o jornal britânico The Independent, Tressa, que hoje vive na cidade de Broxburn, na Escócia, está noiva e publicou um livro sobre suas experiências traumáticas. Ela conta que foi levada ainda nova para um orfanato, já que sua mãe era sem-teto.

Em 2002, ela e o irmão, Jason, com nove e 14 anos, respectivamente, voltaram a viver com a mãe, que recuperou a guarda dos dois. Eles foram viver juntos na cidade de Arndale, na Escócia. Foi então que Tressa começou a andar com pessoas muito mais velhas e ter acesso a álcool.

Ela desenvolveu um vício, o que a tirou de novo da guarda de sua mãe. Após passar dois anos na Assistência Social, foi liberada para voltar à sua família.

Em 2005, pouco tempo depois de retornar a Arndale, ela foi estuprada pelo seu irmão Jason, então com 16 anos, em uma área de construção onde eles costumavam ir para andar de bicicleta.

— Em um minuto ele estava bem, normal, e no outro estava tudo diferente.

À medida que seu corpo de 12 anos começava a mudar, uma amiga de Tressa percebeu que ela poderia estar grávida e recomendou que fizesse um teste de gravidez. Mesmo com o exame dando positivo, ela admite que nunca pensou em realizar um aborto.

— Eu nunca acreditei em aborto, nem mesmo naquele momento.

A verdade sobre a criança fruto do incesto veio à tona em 2009, quando foram feitos testes de DNA para provar a paternidade de Jason. Ele foi condenado a quatro anos de prisão.

— Se algo desse tipo acontecer, você tem quer falar para alguém! Eu queria ter tido alguém em quem confiar quando eu era mais nova.

 

fotos:Reprodução/Daily Mail/Reprodução/Independent/Montagem R7

Fonte - r7

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.