O RISCO DE ASSASSINATO DO S蚆BOLO DA DEMOCRACIA

sempre bom lembrar que, quando a ditadura se desenha, a imprensa, s韒bolo da democracia, a primeira a ser assassinada.
Domingo, 01 de Fevereiro de 2015 - 11:55

Claro que o novo Congresso que está começando seus trabalhos justamente neste domingo, tem desafios enormes pela frente. Talvez o maior deles seja reconquistar, nem que seja um pouco, a credibilidade da população brasileira, que, em relação a ele, está muito perto do zero. A crise econômica que se avizinha; a corrupção absurda; o esfacelamento da Petrobras; as urgentes e necessárias reformas política e tributária, precisarão de longos espaços nos debates e nas discussões tanto no Senado quanto na Câmara Federal. Tudo prioridade. Mas há um tema que, embora não pareça, está ligado a todos eles. Mais que isso, representa o verdadeiro espelho da democracia. E que importante parcela de gente poderosa, de dentro do governo (menos ainda a presidente Dilma, que vê com simpatia a ideia, mas não a apoia oficialmente), aplaude de pé. Trata-se da volta da censura à imprensa. Muitos petistas, desesperados com o que está sendo denunciado todos os dias em termos de corrupção desvairada e achaques aos cofres públicos, estão exigindo a "regulamentação" do noticiário, apelido canalha para a censura pura e simples. É sempre bom lembrar que, quando a ditadura se desenha, é a imprensa, símbolo da democracia, a primeira a ser assassinada.

A cláusula pétrea da liberdade de imprensa começa a ser ignorada - inclusive por decisões judiciais -  e há, em todos os poderes, gente muito ávida para acabar com ela. Criam-se várias artimanhas verbais para explicar o controle da mídia, embora haja claramente, na atual legislação, toda a proteção a quem se sentir atacado injustamente pela imprensa. Será que o novo Congresso permitirá, trocando o silêncio por verbas, que a censura volte ao nosso país? Não é só essa difícil pergunta que assusta. Assusta ainda mais a resposta que há em muitas cabeças...

EXEMPLO PRÓXIMO

Pegue-se o exemplo da Venezuela. Quando os ditadores de plantão tomaram o poder, a primeira preocupação foi tirar do ar a maior rede de TV do país, respeitada e que fazia dura oposição aos governantes malucos. Eles expulsaram os grandes jornalistas, num acontecimento muito lamentado no mundo democrático. A TV virou estatal e hoje é usada como arma para manutenção do poder de um governo que está destroçando um país inteiro, embora tenha apoio integral dos seus colegas da América Latina, inclusive do governo brasileiro.

ATÉ A OAB?

Lamentavelmente, há juízes de primeira instância e até tribunais regionais que estão ignorando a cláusula pétrea da ampla liberdade de imprensa. Membros do Ministério Público também. igualmente há vozes dentro da própria OAB (aquela mesmo, que tanto lutou contra a ditadura nos tempos dos militares), que andam dando entrevistas dizendo que a liberdade é importante, mas.... (e é esse "mas" que apavora). Sorte que há os que se insurgem contra esse absurdo. Como o ex presidente do STF, ministro Ayres Brito, que disse que a liberdade de imprensa é intocável, "inclusive pelo Judiciário". Suas palavras estão entre aspas.

MAURÃO ACLAMADO

Todas as atenções se voltam, neste domingo, para a casa de shows Talismã, onde, à tarde, serão empossados os deputados estaduais eleitos em outubro passado e haverá a eleição para a nova Mesa Diretora. Todos os prognósticos apontam que Maurão de Carvalho, abrindo seu quinto mandato, será o novo presidente, substituindo Hermínio Coelho. Até ontem, Maurão já havia conquistado mais de 20 votos. Tudo indica uma eleição fácil e tranquila. Mas, como se trata de Assembleia Legislativa, é sempre bom falar depois do fato ocorrido....

ABANDONADOS

Não fosse no Brasil e não fosse prática comum das autoridades prometer e não cumprir, alguém poderia se surpreender com o depoimento de uma moradora do distrito de Abunã, em reportagem divulgada esta semana na TV Candelária. Ela disse que há muito tempo não aparece ninguém da Defesa Civil por lá e muito menos há alguma ajuda do poder público. E ela estava se referindo ao drama da enchente ocorrida há um ano atrás e não a esse que está chegando, com risco de nova cheia. Uma tristeza!

NEM UM TOSTÃO

Aliás, se valesse o discurso e não a dura e complexa vida real, milhares dos atingidos pela cheia de 2014 estariam vivendo vidas de príncipes e princesas. E não estariam clamando por algum tipo de ajuda. Nos discursos, por exemplo, a presidentye Dilma, que veio de Brasília só para sobrevoar a região tomada pela cheia histórica, prometue a liberação de milhões de reais em recursos à Prefeitura de Porto Velho e ao governo do Estado. O prefeito Mauro Nazif tem repetido que até agora não viu

CORNO NACIONAL

Virou notícia nacional! O roubo da cabeça de boi com seus chifres, símbolo da Associação dos Cornos de Rondônia, uma entidade muito valorizada no Estado, vai ser destaque no noticiário da TV Record. Matéria jornalística produzida pela repórter Elisângela Araújo deve ser divulgada nos próximos dias. O presidente da entidade, Pedro Soares, está inconsolável. Tem feito campanha em toda a Porto Velho, pedindo apoio para que o ajudem o recuperar o símbolo perdido. Ser corno, em Rondônia, dá mídia!

PERGUNTINHA

O janeiro que passou correndo foi apenas a antevisão do que teremos que enfrentar neste 2015 que já começou duríssimo?

Fonte - Sergio Pires

Comentários

News Pol韈ia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.