Rita Queiroz pede ao governador um lugar para coleção descamação celular

Segundo ela, a exposição Andando pela Picadas não faz parte do acervo do museu, foi instalada lá porque não se encontrou outro espaço na ocasião.
Domingo, 10 de Julho de 2022 - 08:36

Autora: Alice Thomaz

“Imaginar que ainda hoje preciso lutar, implorar aos governantes e gestores da cultura que dediquem um pouco mais de atenção à arte é quase um absurdo”, desabafa Rita Queiroz, nossa representante maior das artes plásticas, que cansada com descasos, mais uma vez assinala seu descontentamento e deixa Porto Velho, decepcionada com o que foi feito com sua exposição permanente  que está instalada no prédio do antigo palácio Getúlio Vargas, hoje chamado de Museu da Memória de Rondônia.

A “doença”, como ela se refere ao  Covid 19, parou tudo. “De repente, me vi impedida de cuidar do meu trabalho exposto lá no museu. E três anos depois, na primeira vez que fui ao local, deparei com uma catástrofe; sim lamentavelmente todo o meu  trabalho tinha sido retirado das salas, as peças, as que consegui ver, estavam amontoadas junto a outros acervos sem nenhuma afinidade. As esculturas envoltas em plástico, os quadros abandonados em algum canto. Outras coisas nem tenho ideia de onde estejam. Uma tristeza só. Fiquei tão chocada, que me faltou argumento. Passei três dias doente e em casa, desabei no choro”.

Segundo a artista foram cometidas inúmeras falhas pelos gestores da casa e seus superiores. “Primeiro, em nenhum momento nos informaram que movimentariam a exposição. E hoje temos um Conselho que nos representa, inclusive temos um membro da família lá. Outra coisa, a reforma que vimos lá é parcial. Mudaram o piso  de uma sala, a de entrada e as demais seriam só pintadas, o que ainda não aconteceu. Ora, pra pintar as paredes não precisava remover as peças do local, porque neste tempo que a exposição está no museu, eu mesma providenciei por três vezes a pintura das paredes, protegendo as peças ou movendo apenas de uma sala para outra, sem destruir o ambiente; e isso não é tudo, a desmontagem da exposição aconteceu em fevereiro, desde então todo o material está espalhado em várias salas do prédio. Há muita miudeza que compõe nosso trabalho, e se perderem esse material?"

Rita Queiroz ainda destaca que o ponto alto da Exposição Andando pelas Picadas – Coleção Descamação Celular, está justamente no título, porque retrata a sua própria vida.  Ela  preparou para este trabalho esculturas e telas produzidas com  peças do seu vestuário e lençóis antigos, guardados para limpeza de pinceis e que viraram telas.

"Há toda uma vida exposta ali em tudo, são coisas e objetos da minha vida privada que transformei em arte e longos períodos de pesquisas. A própria montagem da exposição, cuja primeira foi realizada ainda em 2009, está ligado a tudo que eu vivi. E me pergunto, depois de tudo que fizeram vão conseguir manter a mesma linguagem que eu usei? Acho difícil.” Ao longo dos anos a coleção foi crescendo e novos elementos foram incorporados a ela, sempre voltados para a vida cabocla da artista, que viveu toda a sua infância às margens do rio Madeira, igarapés e igapós.

Pedido de Socorro

“Minhas forças estão se esvaindo, mas antes que minha voz se cale, quero deixar aqui uma vez mais um pedido de socorro ao nosso governador e aos gestores da cultura, para que dediquem um pouco mais de atenção às artes”. Em 2016, quando decidiu fazer a doação da exposição para o Estado, a artista contrariou a opinião de familiares, mas estava decidida, pois acreditava que o Estado cuidaria bem do seu trabalho, preservando-o para que pudesse chegar a  outras gerações, todavia, desde o começo não foi isso que se viu.  “De lá pra cá já se levantaram muitas oposições. Cogitaram até em mudar a exposição para a Casa de Cultura Ivan Marrocos, um local próprio para exposições temporárias e o pior é que o lugar que haviam destinado é justamente onde há goteiras e não é adequado para o tipo de material usado na Descamação Celular, relembra a artista, que usou recursos próprios para mobiliar a exposição.

“Governador Marcos Rocha, por favor, determine um local exclusivo para a nossa coleção, onde haja profissionais comprometidos com a preservação da memória rondoniense”, é o apelo da artista.

Segundo ela, a exposição Andando pela Picadas não faz parte do acervo do museu, foi instalada lá porque não se encontrou outro espaço na ocasião. “Às vezes chego a ter a impressão de que autoridades e gestores não querem o meu trabalho, se assim for, devolvam. Minha família vai dar um jeito de cuidar”, desabafa. Acesse you tube Rita Queiroz e assista as lives da artista e www.ritaqueiroz.com.br.

Fonte - ƒ Alice Thomaz

Comentários

News Destaques

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.