A primeira visita de D. Pedro à Vítor Hugo - Por Humberto Pinho da Silva

Depois desta visita, a família de Vítor Hugo, tornou-se grande amiga do Imperador.
Domingo, 17 de Outubro de 2021 - 16:41

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, Realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.

Não li a obra, mas a tradução, que Ramalho fez a 30 de Julho, para a "Gazeta de Noticias"; mais tarde incluída, pela Livraria Clássica Editora, em: "Notas de Viagem".

D. Pedro II desejava, ardentemente conhecer Vítor Hugo, em pessoa, mas receava comparecer em sua casa.

Resolveu, então, pedir-lhe, através da embaixada brasileira, se lhe dava a honra de o vir visitar.

Respondeu-lhe Vítor Hugo, que não ia a casa de ninguém.

Combinaram, todavia, encontrarem-se no Senado; mas também não se concretizou.

Uma manhã, pelas nove horas, o Imperador, pôs de parte o receio e o protocolo, e bateu timidamente, à porta da casa de Vítor Hugo.

Segundo a tradução livre de Ramalho, o encontro decorreu deste jeito:

- "Peço-lhe Sr. Vítor Hugo, que me diga uma palavra de animação; acho-me cheio de timidez" - disse D. Pedro.

O poeta ofereceu-lhe, gentilmente, um fauteuil.

D. Pedro II agradeceu, e continuou:

- "Sentar-me em um fauteuil ao lado de Vítor Hugo, eis o que verdadeiramente me produz o efeito de ocupar um trono."

E falando das monarquias, prosseguiu:

- "É preciso, não queremos demasiadamente mal aos meus colegas: são homens de tal forma rodeados, de tal modo traídos, por tal forma enganados, que na verdade eles não podem pensar como a gente pensa."

Ao que Vítor Hugo, respondeu:

- Oh! Vossa Majestade é único...felizmente

Como D. Pedro mostrasse gosto de conhecer a família, Vítor Hugo mandou chamar os netos, que como avô, dedicara-lhes o livro: "L'Art D'être Grand-Père":

"Jeanne (menina de olhos azuis, que o poeta amava enternecidamente) apresento-te o Imperador do Brasil."

E logo de seguida:

- "Tenho a honra de apresentar, meu neto Jeorge."

O Imperador fez-lhe um carinho, e:

-"Aqui, meu jovem amigo, não há senão uma majestade; é a do seu avô."

E virando-se para Jeanne:

- "Queres dar-me o prazer de me abraçar?...

Deu-lhe a face para o Imperador beijar.

-"Então?... vamos, abraça-me tu, que é o que eu te peço!"

Jeanne (a medo) abraça o pescoço de D. Pedro.

-"Bastará – Jeanne, bastará! Creio que não quererás dar o luxo de começar o teu dia esganando um Imperador!..."

A conversa continuou:

Contou-lhe, o poeta, a sua vida e seus hábitos, em Paris: todos os dias após o almoço dava uma volta pela cidade, no alto de um ómnibus. Prazer que o Imperador não podia...

-"Privado, eu, de trepar ao alto dos ómnibus. Mas de modo algum! É precisamente no alto dos ómnibus que eu tenho o meu lugar - um lugar de imperial." - Disse D. Pedro.

Vítor Hugo interroga-o se não receava sair tanto tempo do Brasil:

-"Não: eu sou substituído no Brasil por gente que vale tanto e que vale mais de que eu. Além do que, não perco o meu tempo aqui. Reino sobre um povo jovem e é principalmente em o esclarecer, em o guiar, em o melhorar, em o fazer progredir que eu desejo usar dos meus direitos...Ou antes...Não me exprimi bem...Eu tenho direitos. Do que uso apenas é do poder que recebi do acaso, da sorte e da herança da família."

Vítor Hugo amaciando a voz:

-"A família de Vossa Majestade é venerável. Vossa Majestade é um filho de Marco Aurélio."

O aprazível encontro durou meio-dia. D Pedro foi convidado a jantar, no dia seguinte. Vítor Hugo oferece-lhe o último livro, com dedicatória: "A D. Pedro de Alcântara, Vitor Hugo."

Depois desta visita, a família de Vítor Hugo, tornou-se grande amiga do Imperador.

Os diálogos apresentados, foram transcritos, literalmente do livro: "Vitor Hugo chez lui", segundo a tradução livre de Ramalho Ortigão.

Fonte - News Rondônia

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.