4 destinos nacionais para uma viagem low-profile

Confira algumas sugestões de lugares incríveis para conhecer e que ainda não são tão explorados pelo turismo nacional.
Segunda-Feira, 30 de Agosto de 2021 - 16:32

Existem muitas maneiras de viajar. Algumas pessoas adoram passear de modo bem programado, organizando bem as atividades de cada dia e visitando os lugares considerados imperdíveis. Já outras gostam de viajar de um jeito mais relaxado, aberto para improvisos e querendo conhecer lugares não tão famosos.

É difícil encontrar quem não goste de viajar, mas muita gente acaba desistindo de ir por falta de dinheiro. Contudo, é possível realizar viagens mais baratas. Alguns fatores para garantir isso são: pesquisar com bastante antecedência passagens e locais de hospedagem, viajar em baixa temporada, utilizar transporte público no local e cozinhar em alguns momentos da viagem.

Por isso, se você gosta de explorar destinos alternativos e ama conhecer novos pontos do Brasil, confira algumas sugestões de lugares para visitar e escolha uma ótima pousada para ficar.

Arquipélago de Anavilhanas

A região Norte ainda é pouco conhecida por turistas brasileiros, o que é uma pena, pois essa área reúne lugares muito bonitos e únicos. Um desses lugares é o Arquipélago de Anavilhanas, que pode ser visitado em qualquer época do ano.

Contudo, turismos em meio à floresta amazônica exigem verificar como está a cheia dos rios. No caso desse arquipélago, a cheia do Rio Negro ocorre entre outubro e março, o que faz os passeios de barco serem realizados pelos igapós (áreas de floresta inundada). No período de seca, entre abril e setembro, as praias de areia branca convidam os visitantes para um delicioso banho de rio.

O Arquipélago de Anavilhanas reúne mais de 400 ilhas no coração da Amazônia pelo lado do Rio Negro, sendo um dos maiores arquipélagos fluviais do planeta. Ao total, são 350 mil hectares que abrigam uma fauna e flora riquíssimas, com florestas, botos-cor-de-rosa, onças-pintadas, jacarés, macacos e tantos outros animais. Além de se deslumbrar com as belezas naturais, é possível conhecer comunidades tradicionais ribeirinhas do local e o belo artesanato de Novo Airão.

Ilha do Bailique

Localizado em uma área mais isolada do Amapá, esse local é super conhecido pelos surfistas que gostam de pegar uma boa onda na pororoca (a onda que apresenta a maior duração no mundo). Esse fenômeno ocorre a partir da subida das águas vindas do Oceano Atlântico, que invadem o rio Amazonas, provocando ondas de até 4 metros de altura e que podem durar 1 hora e 30 minutos.

A época mais recomendada para ir é entre janeiro e maio, especialmente em dias de lua nova ou lua cheia. Por se tratar de uma área mais reservada, só é possível chegar até ela com barco ou avião teco-teco. Com certeza uma aventura inesquecível!

Delta do Parnaíba

Localizado na fronteira entre o Maranhão e o Piauí, o delta do Rio Parnaíba pode ser visitado em qualquer época do ano. A área reúne 70 ilhas fluviais com dunas, mangues e espelhos d’água, ou seja, é ilha que não acaba mais para conhecer. Vale dizer que, no continente americano, o Delta do Parnaíba é o único que deságua em mar aberto, sendo o 3º maior do mundo, ficando atrás apenas dos rios Nilo (Egito) e MeKong (Vietnã).

Vale fazer um passeio de lancha para visitar os vilarejos locais, ter uma vista privilegiada sobre o rio e a oportunidade de cruzar com animais silvestres (como macacos, jacarés e tartarugas). O Delta do Parnaíba é um dos lugares da chamada “Rota das Emoções”, roteiro turístico que envolve Jericoacoara (vila de pescadores no Ceará) e os Lençóis Maranhenses.

Parque Nacional de Terra Ronca

Localizado em Goiás, esse parque também é chamado de “Rota das Cavernas”, um dos maiores complexos espeleológicos do planeta. O parque reúne mais de 260 cavernas (secas e molhadas, pois estas são atravessadas por rios). Além de fazer trilhas dentro das cavernas, é possível praticar rapel no interior de algumas grutas (mediante a contratação de um guia turístico) e visitar as cachoeiras que despencam dentro de algumas delas.

É importante fazer alguns passeios acompanhados por guias, já que algumas cavernas possuem quilômetros de extensão e, por se tratar de um local com iluminação reduzida, muitas vezes é mais fácil se perder dentro delas. A região também possui diferentes rios a céu aberto, onde vale a pena tomar um bom banho e curtir a natureza.

Fonte - Assessoria

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.