A história dos 30 anos da SIC TV contada pelo seu proprietário Everton Leoni (2ª parte – final)

Lembrando que tudo começou quando o Everton ganhou sem querer o aval do Bispo Macedo para assumir em Porto Velho, a TV Record que o Bispo acabara de comprar.
Domingo, 01 de Agosto de 2021 - 11:21

Nesta edição, publicamos a 2ª Parte da Entrevista com o Everton Leoni sobre a história do Grupo SIC TV que completou no último dia 5 de julho, 30 anos. No tópico de hoje, a história se baseia mais na família do próprio Everton e sobre a Rádio Parecis FM.

Lembrando que tudo começou quando o Everton ganhou sem querer o aval do Bispo Macedo para assumir em Porto Velho, a TV Record que o Bispo acabara de comprar. "Um dia fui levar uma PI, na TV Allamanda e o seu Mota pai do Paulinho Mota que hoje trabalha conosco, me perguntou: 'Tu queres uma Televisão para ti'?  Nunca esqueço dessa pergunta que ele me fez! Respondi, quero sim! Ele disse, então liga para esse número, me entregou um cartão com o número do telefone que era justamente do representante da Record em Brasília". Foi assim que tudo começou".

Hoje a história é sobre os programas da Rádio Parecis FM em especial o Papo de Redação e o Quando Bate a Saudade.

Zk – E a Rádio Parecis está em quantas cidades do estado de Rondônia?

Everton – Ela está em Nova Brasilândia, Chega em São Miguel, Novo Horizonte e Rolim de Moura; ela está em Santa Luzia aí não sei te dizer onde ela chega, lembro de Castanheira, Cacoal enfim, vem novidades por aí também em relação às rádios. Uma nova Legislação votada ano passado, dar para as emissoras de rádio da capital, a condição de geradoras, a exemplo do que acontece com as televisões, quem tem a geradora em Porto Velho, pode instalar retransmissoras no interior. O Ministério já escolheu algumas cidades e nós já nos habilitamos a elas, penso que foi umas dez cidades, sei que em poucos anos, as emissoras da capital que quiserem poderão estar em todo o Estado.

Zk -  vamos continuar falando sobre a Rádio Parecis. Tem um programa que sou fã que é o "Quando Bate a Saudade". Fala sobre esse programa?

Everton – Eu tinha até pouco tempo atrás, todos os programas redigidos e produzidos, e tinha as datas, as músicas que tocavam e isso desapareceu com o tempo. Era o maior documento que eu podia ter para saber quando começou e essa papelada está perdida, tenho a esperança de um dia achar. Tenho a impressão que esse programa; o Elivaldo Viana que está comigo desde o começo praticamente.

O programa deve ter começado em 84 o que quer dizer, que há 37 anos todos os domingos estou aqui. Começou aos domingos das 9 ao meio-dia depois ele passou a ser apresentado também de segunda a sexta-feira, das 7 da noite às 9 da noite, depois por falta de tempo, pois entrei para a política e então resolvi parar com o programa noturno ficando só aos domingos.

Já passaram várias gerações, pego depoimento de pessoas que dizem: minha Avó ouvia, mais já morreu, meu pai ouvia, mais já morreu, agora está o filho ouvindo e eu graças a Deus continuo firme aqui, enfim, eu tinha ouvintes maravilhosos, isso me dar uma dor muito grande, que falavam comigo todo domingo durante anos, posso citar o DEDÉ, por exemplo, mas, a senhora me ligou dizendo que o marido dela havia falecido e que ele escutava o programa todos os domingos há mais de 20 anos e que ela não suportava ver esses discos na casa porque lembrava do marido, ela pediu pelo amor de Deus que eu recebesse discos que ela sabia que teria uma utilidade e que ele onde estivesse ficaria muito feliz.

Disse para ela que havia agradecido no programa e ela me disse que não ouvia mais o programa justamente porque o programa "Era a cara do meu marido".

Zk – Vamos explorar o lado pessoal. Como você se sente vendo seu filho Tales Roger se destacando como um grande apresentador de programa de rádio?

Everton – Olha, o Marlon começou antes ele tinha uma grande audiência, não tinha esse desprendimento que tem o Tales que é mais comunicativo. Marlon é um pouco mais tímido e o Marlon é formado em Administração de Empresas e é um grande administrador, para tu ter uma ideia, nesse ano da Pandemia nós não demitimos ninguém, mantivemos todos nossos quadros intocáveis, obviamente tivemos queda no faturamento, porque as lojas fecharam, pararam e foi o nosso melhor faturamento, isso é gestão, estou falando do meu filho mais velho, ele é um grande gestor.

Zk – E o Tales?

Everton – Esse já  é mais o Everton ele é um cara que tem ideias, além deu imaginar que ele será um grande gestor também, ele é um grande comunicador nato. Ele fazia "Estação Criança" e nós tínhamos que segura-lo para ele não sair do script. Ele tem tirocínio e o que é melhor, gosta do que faz e mais, é um operário, ele vem de manhã, vem de tarde para fazer flash e já aprender administração. Eu acho que é o cara que vai fazer o "Quando Bate a Saudade" no futuro. Tem um detalhe, ele canta muito bem!

Zk – O que?

Everton – É isso mesmo e toca violão de ouvido, mais toca. Se tu mandar ele cantar qualquer música do Bruno e Marrone; ele da um show.

Zk – E o sorveteiro

Everton – Pois é, surgiu! Tudo começou e continua com o Império Gelato acontece, que era umas multimarcas e vendia outras marcas também, quando eu comprei… Aliás, nunca foi um Projeto; fui ajudar uma pessoa e aí a coisa para não se perder, assumi para mim e aí a fábrica me pediu para assumir a Frutos de Goiás. A empresa é a Gelato e a Marca é a Frutos de Goiás.

Zk – A rádio Parecis é a mais ouvida?

Everton – Historicamente a rádio Parecis é a primeira FM de Rondônia. Nós acreditamos que sim, até pelo voluma de anúncios. Até bem pouco tempo atrás, nem vendedor nós tínhamos, a propaganda vinha espontaneamente dos nossos anunciantes. Vamos tirar essa dúvida brevemente, porque o IBOPE vai fazer uma pesquisa para saber a audiência das emissoras de rádio aqui na capital.

Por exemplo: O programa do Augusto José de manhã, não tem para ninguém; O Papo de Redação também não tem para ninguém; Eu nunca participei de um programa de rádio com a audiência do Papo de Redação. Estamos numa transição, o Domingues Júnior saiu, o Professor Peixoto adoeceu e eu entrei de férias o bom foi que conseguimos o Carlinhos Araújo que é ótimo, aliás ele é excelente. Orgulho-me porque foi ideia minha. O Joacir Loura Júnior participa também, ele é muito inteligente e é o cara que conhece a Legislação. Nós jornalistas às vezes briga por uma coisa que não faz sentido.

Aí vem o cara que fala, mas, a Lei diz isso e pronto acaba a discussão, esse é o caso do Loura Júnior. Tem o Quando Bate a Saudade; tem o programa do Tales; tem o Porquinho com o Denis.

Para você ver como mudaram as coisas, as pessoas deixam de ouvir música, para ouvir o Porquinho! Lembrar que o Denis é um cara diferenciado.

Zk – Para encerrar. A empresa de você preserva muito a permanência de seus empregados basta lembrar o Elivaldo Viana, Albertino Fortunato, Eva, Elisa, Bolota e tantos outros que estão aí faz muito tempo. O que você tem a dizer a respeito disso?

Everton – O ser humano não foi feito para ser descartado, foi feito para ser valorizado, aqui nós procuramos não descartar. Você ver a Bete quantos anos está conosco, a Elisa a Eva o Bolota o Beni Andrade. Aqui o cara sai por que quer.

Zk – Para encerrar! 30 anos de TV completados no dia 5 de julho passado, o que você tem a dizer?

Everton – Nós fazemos uma TV eminentemente comunitária, nós faz uma TV falando com as pessoas. De alguma forma ajudamos Rondônia a crescer e crescemos juntos. Agora, nós só crescemos porque temos gente que nos escuta. Quem tem audiência e público fiel, tem a maior riqueza que pode existir num veículo de comunicação.

Fonte - NewsRondonia

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.