Ministro Barroso diz ‘que jovens vivem falsa ilusão de que ‘ditadura’ é melhor que democracia’

A resposta vem justamente no momento em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) questiona a lisura do voto eletrônico.
Sexta-Feira, 30 de Julho de 2021 - 10:12

No Acre, onde participou da inauguração da nova sede do Tribunal Regional Eleitora do estado (TRE/AC), o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, demonstrou inquietude e rasgou o verbo ao demonstrar o atual cenário brasileiro. Falando para membros do judiciário, servidores, representantes do Executivo estadual e Legislativo, Barroso explanou aos convidados a respeito dos pedidos feitos por grupos políticos no Brasil que manifestam o retorno do voto impresso.

“Desde 1996, jamais se documentou na vida brasileira um episódio de fraude nas eleições, com as urnas, mas quando tínhamos voto impresso, os absurdos eram inúmeros, incluindo o sumiço de cédulas, etc. Em um país que ainda tem muitos casos de compra e venda votos, ter voto impresso não é mais seguro que usar urna eletrônica. O discurso de que “se eu perder, houve fraude” é de quem não aceita a democracia. As urnas são auditadas antes, durante e depois das eleições. A ideia de que voto impresso é voto auditado é uma mentira. As urnas já são auditadas”, finalizou.

A resposta vem justamente no momento em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) questiona a lisura do voto eletrônico. Bolsonaro chegou a declarar que pretende apresentar provas que mostram fraude nas urnas, mas o próprio presidente foi desmentido por candidatos que concorreram as eleições no ano em que o presidente promete trazer a discussão. Barroso voltou a dizer que a medida não é mais segura que as urnas eletrônicas. O ministro também se mostrou inquieto com as declarações feitas por jovens que acreditam que defender a “ditadura” no Brasil trará benefícios ao país e a eles mesmos.

“Aos jovens de hoje, peço que não vivam a ilusão de achar que ter uma ditadura é melhor do que ter uma democracia, com todas as suas problemáticas envolvidas. Eu vivi, talvez os mais antigos aqui também. Não é uma fase boa. As ditaduras veem loucuras, censuras, violências contra os adversários, com uma incapacidade de se promover alternâncias. Só pode defender a ditadura quem perdeu a esperança no futuro e sente saudades do que não vem. Ditaduras não boas, não importa no nome de que elas se instalem”, disse. O presidente do TSE desmentiu informações que apontam ele como um possível substituto de Bolsonaro. “Aviso que não sou candidato a nada e estou muito satisfeito com tudo o que a vida me deu e conquistei até aqui”, declara.

Fonte - NewsRondonia

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.