Artista de Guajará-mirim expõe críticas na Ivan Marrocos

A pandemia, a diabetes e a corrupção têm um destaque especial na visão de Nasartes.
Quinta-Feira, 29 de Julho de 2021 - 16:37

A artista que começou a produzir profissionalmente a partir de 2019 ocupa o saguão da Ivan Marrocos com 20 trabalhos preparados para a exposição até o dia 3 de agosto. A pandemia, a diabetes e a corrupção têm um destaque especial na visão de Nasartes.

Ela nasceu na Pérola do Mamoré como  Maria de Nazaré Alves de Carvalho, depois de adulta ganhou asas e decidiu partir para o velho  mundo. Foi parar em Portugal. Lá conheceu o homem com quem casou e adicionou ao seu nome, o sobrenome Laginha, mas na verdade quer que todos a conheçam como Nasartes. E como apareceu esta conjunção sugestiva e evidente? Ela explica que não tem mistério, “só juntei o Nasa de Nazaré à artes e deu nisso”.

Passando uma temporada em Guajará Mirim, que acabou mais longa do que o planejado, Nasartes está expondo 20 trabalhos recentes no saguão da Casa de Cultura Ivan Marrocos. A mostra que estreou no dia 20 de julho fica exposta ao público até  o dia 3 de agosto.

“Já deveria ter retornado à Portugal, mas a pandemia me impediu”, esclarece. Sorte dos admiradores das artes plásticas da nossa região, que têm a oportunidade de conhecer o trabalho desta artista com vivência fora do Brasil.

Pintar telas é uma nova descoberta, que começou a cerca de dois anos. Ela conta que antes fazia umas pinturas bem infantis, “não nasci com talento e nem com dom”, confessa e diz que se dedicava ao artesanato “fazia umas besteirinhas”. Mas a amiga Cristina faz uma intervenção e corrige, e diz que “artesanato também é arte e precisa ser valorizado como tal”.

Desde então começou a estudar e a se aprofundar no conhecimento das artes plásticas, a fim formar uma boa bagagem e partir para novos horizontes, inclusive  na província de Lagos, onde mora em Portugal. O trabalho de pintura também funciona como hobby e ajuda a acalmar a artista que diz que é muito agitada. O faturamento com as vendas entra como uma renda extra. “Mas não é muito fácil vender”, arremata.

A exposição tem um caráter  pessoal bem acentuado. Nasartes procura traduzir com o seu  trabalho um  retrato crítico da sociedade, a partir do momento ímpar  da pandemia, com a presença do corona vírus (covid-19), que ceifou milhares de vidas, a corrupção estabelecida no Brasil e as perdas de familiares e amigos.

Recentemente a artista perdeu o  irmão Eduardo, que aos 54 anos foi vitimado pelo agravamento da diabetes.  Para retratar a vida dele Nasartes criou a tela A Casinha na qual usou seringas,  lancetas e canetas , materiais utilizados no tratamento da doença. “Também apliquei vidro, para trazer a memória um acidente que sofri há uns dez anos”.

Para marcar o tempo de aprisionamento provocado pelo isolamento social Nasartes criou uma tela com grades e máscaras. E para marcar sua indignação quanto à corrupção criou a tela Ratos do Porão com o símbolo da justiça e Dinheiro na Cueca e Meias.

A exposição fica na Ivan Marrocos somente até o dia 3 de agosto. O horário de funcionamento é das 08h00 às 18h00, de segunda a sexta-feira. 

Fonte - Alice Thomaz - NewsRondônia

Comentários

News Destaques

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.