Lázaro Barbosa dormia há cinco dias em propriedade de fazendeiro preso, diz caseiro à polícia

Dono da propriedade e o funcionário estão presos. A defesa negou que eles tenham envolvimento com o caso. Boletim de ocorrência aponta que fazendeiro não quis deixar equipes entrarem no local.
Sexta-Feira, 25 de Junho de 2021 - 17:02

O caseiro preso suspeito de ajudar na fuga de Lázaro Barbosa disse em depoimento à polícia que o suspeito de matar uma família em Ceilândia dormia há cinco dias na fazenda onde ele trabalhava (veja os detalhes do depoimento abaixo). A força-tarefa que tenta prender o fugitivo foi proibida de entrar na fazenda pelo dono, segundo o boletim de ocorrência. Os dois suspeitos de ajudar na fuga de Lázaro seguiam presos até as 12h desta sexta-feira (25).

Os dois presos respondem por favorecimento pessoal e posse de arma de fogo. O caseiro já tem passagem pela polícia por roubo a ônibus. A polícia encontrou espingardas e munições na propriedade. A força-tarefa para tentar prender Lázaro Barbosa já dura 17 dias.

No início da manhã, o advogado Ilvan Silva Barbosa negou que os presos tenham qualquer ligação com Lázaro.

"O caseiro fala que, provavelmente, pode ter visto uma pessoa parecida com o Lázaro. Já o proprietário disse que nunca o viu e não tem contato nenhum com Lázaro", disse.

À tarde, no entanto, o advogado declarou que seguirá defendendo apenas o fazendeiro. O G1 não conseguiu identificar o advogado que assumirá a defesa do caseiro.

Denúncia de presença em fazenda

As equipes receberam uma denúncia de que Lázaro poderia estar em uma fazenda na região. Ao chegarem ao local na quarta-feira (23), o dono da propriedade disse que não queria que os agentes entrassem no local para fazer as buscas.

Na quinta-feira (24), os policiais voltaram à propriedade e conseguiram entrar. No depoimento, o caseiro disse que o fazendeiro ajudava Lázaro, dando alimentos e deixando que ele dormisse na casa. Já o dono do local não deu nenhuma declaração no depoimento.

"A partir de então, ouvia [nome do fazendeiro] chamando por Lázaro no horário do almoço, informando que a comida estava pronta, inclusive percebeu que [nome do fazendeiro] estava fazendo uma quantidade maior da refeição", consta no interrogatório sobre a fala do caseiro.

Durante o depoimento, o caseiro disse que trabalha no local há 21 dias e que na sexta-feira (18) recebeu ordens de não deixar policiais entrar na fazenda. Ele também relatou que foi orientado a não trancar a casa.

O funcionário disse ainda que na noite do mesmo dia, viu Lázaro na área da churrasqueira, mancando e, logo depois, foi para uma área de mata. Ao questionar o patrão, o homem disse que ele estava imaginando coisas.

O caseiro disse ainda que não trabalhou durante o fim de semana mas, na segunda-feira (21), percebeu que Lázaro teria voltado, pois estava faltando leite e pão.

Na quarta-feira (23), ele teria sido ameaçado pelo fugitivo.

"Na quarta-feira, dia 23/06/2021, por volta das 10h30, o foragido Lázaro se aproximou e ameaçou o interrogado dizendo: ‘Se você falar para alguém que estou aqui, eu vou pegar a sua família, eu sei onde a sua família mora’, consta no interrogatório.

Já na quinta, o caseiro teria visto Lázaro entrar correndo e se esconder em um cômodo da casa. O fugitivo, segundo ele, teria mandado que ele saísse.

"Lázaro então saiu do quarto e correu para o bambuzal e, em seguida, correu para o córrego onde tem o costume de ficar escondido", relatou o caseiro no depoimento.

O funcionário, então, viu equipes da polícia se aproximando e disse ter ordens para não os deixar entrar.

“O interrogado afirma que não avisou aos policiais que Lázaro estava escondido no quarto da sede da fazenda por ter sido ameaçado de morte”, diz o registro.

Em outro momento, novas equipes da força-tarefa foram à fazenda e perceberam um vulto entrando em uma mata, momento em que o funcionário disse se tratar de Lázaro.

Como foi a prisão

Em coletiva após a prisão dos suspeitos, o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, disse que os dois chegaram a confessar aos policiais a ajuda ao procurado.

“Prendemos duas pessoas que estavam auxiliando ele nas fugas, principalmente a se esconder da ação policial. Eles estão sendo autuados agora por porte ilegal de arma de fogo e por facilitação da fuga. [...] Uma pessoa, testemunha, o viu [Lázaro] e depois, na entrevista que nós fizemos com os dois que estão sendo autuados, os dois confirmaram que ele estava realmente lá e que ele passou as últimas noites lá”, disse.

A polícia apreendeu armas e munições. Uma delas pode ter sido usada por Lázaro.

"Uma das armas inclusive é a arma que foi vista, que ele furtou possivelmente em uma das residências, uma garrucha calibre 22, com 50 munições. Ele foi visto em algumas propriedades com essa garrucha na mão, com essa arma, uma espingardinha", disse o secretário.

Os dois suspeitos de ajudar Lázaro Barbosa foram encontrados durante um cerco da polícia, que já dura quase 18 horas.

Estradas foram bloqueadas por volta de 15h de quinta-feira. Uma fila de carros foi formada. Chacareiros contam que precisam passar para alimentar os animais e ter informações de parentes, mas alguns não conseguiram seguir o caminho.

Cronologia da fuga

9 de junho: Lázaro invadiu uma chácara no Incra 9, em Ceilândia (DF), onde matou a tiros e a facadas um casal e dois filhos. Roubou a chácara após o assassinato da família. Ele teria rendido o caseiro, o dono da propriedade e a filha dele;

11 de junho: Lázaro fugiu para Cocalzinho de Goiás logo em seguida.

12 de junho: Ele atirou em quatro pessoas, invadiu fazendas e colocou fogo em uma casa ao fugir da polícia. Os feridos foram levados a hospitais da região, sendo que dois estavam em estado grave até sábado (19).

13 de junho: Furtou um carro e o abandonou na BR-070 após avistar uma barreira policial, dando sequência à fuga para uma mata.

14 de junho: Caseiro de Cocalzinho de Goiás disse à polícia que atirou em Lázaro Barbosa após ele falar que ia entrar na casa, mas não sabe se ele foi atingido.

15 de junho: Dois policiais militares de Goiás foram baleados durante buscas do suspeito. Delegado diz que Lázaro fez casal e adolescente reféns em Edilândia.

17 de junho: Houve nova troca de tiros entre o suspeito e a polícia. Secretário de segurança pública acredita que ele esteja ferido;

24 de junho: Dois homens são presos suspeitos de ajudar Lázaro Barbosa na fuga.

Fonte - 20 - Por Vitor Santana, G1 GO

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.