News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Terça-Feira, 15 de Junho de 2021

Livre

Semana da Adoção: TJRO compartilha histórias emocionantes

A campanha também conta com o engajamento nas redes sociais. Seguidores dos canais do TJRO participaram enviando perguntas sobre o tema.
Terça-Feira, 25 de Maio de 2021 - 09:38

Para mobilizar a sociedade sobre o tema da adoção, neste ano, o Poder Judiciário de Rondônia traz à tona quatro histórias de mães e pais que adotaram e compartilharam suas vivências durante o processo de adoção.

A campanha também conta com o engajamento nas redes sociais. Seguidores dos canais do TJRO participaram enviando perguntas sobre o tema. Magistrados, magistradas, assistentes sociais e psicólogas do Juizado da Infância e da Juventude responderão todas as perguntas durante a semana da adoção que ocorrerá entre os dias 25 e 28 de maio.

Em Porto Velho há 6 unidades acolhedoras, sempre com rotatividade imensa: Lar do Bebê (0-6 anos), Cosme e Damião (7-11 anos), Casa Moradia (12-17 anos, meninas), Casa Juventude (12-17 anos, meninos); Casa Lar Suelen, de Candeias (0-17 anos); e Casa Ana Teresa Capelo, para pessoas com paralisia cerebral (ONG vinculada à Casa Família Rosetta). 

O Brasil possui, atualmente, 4.962 crianças para adoção, e 32.968 pretendentes na fila de espera.  Em Rondônia, o número de crianças e adolescentes disponíveis para a adoção são 23, e 239 pretendentes à adoção. Mas por que ainda há crianças que não foram adotadas? A magistrada que responde pelo Juizado da Infância e da Juventude, Kerley Regina Alcantara, explica que grande parte dos pretendentes à adoção quando buscam o Juizado estão à procura de crianças que se enquadrem em seus desejos e expectativas, o "filho ideal", e - na maioria das vezes -  procuram a faixa etária no máximo de 2 anos. Mas a realidade das crianças que estão nos abrigos são de crianças com idade superior a 3 anos.

"O abrigamento de crianças em unidades acolhedoras ocorre pelos mais diversos motivos, tais como abandono, negligência, maus tratos, abusos, violências dentre outros. É uma medida de proteção da criança, mas a permanência por longo período não deve ser uma prática e pode ferir um direito básico: o direito da criança e do adolescente ao convívio familiar. Por isso, cerca de 10% são disponibilizados por decisão judicial, para a adoção, sempre depois de todas as tentativas de restabelecimento dos laços familiares. Deve ser, portanto, a última alternativa", ressaltou a magistrada.

Histórias

Todas as histórias serão divulgadas no instagram @Tjrondonia e no canal do Youtube TJ Rondônia.

Andreia Nogueira tem 46 anos, é advogada, mãe da Gabriela e da Maria Eloah. A espera da chegada da primeira filha demorou 4 anos. A segunda chegou recentemente, no início da Pandemia. Uma de suas filhas tinha problemas de saúde e passou por cirurgias.

Carla sempre escolheu adotar, mas não imaginava que seria tão rápido. Seus filhos chegaram durante a pandemia. Ela e o marido adotaram dois irmãos, uma menina com 4 anos e um menino recém-nascido.

Luiz e João moram no Rio de Janeiro, e o processo de adoção aconteceu em Rondônia. Adotaram logo gêmeos.  É a primeira família na escola de seus filhos formada por dois pais, com filhos adotados. O casal conta que nunca passou por preconceitos por serem uma família homoafetiva.

Alysson se emociona muito quando fala sobre a sua filha. Sempre quis ser pai e adotou uma menina de 8 anos de idade. Para ele, a adoção significa construir o amor juntos.

Para conhecer um pouco mais sobre essas histórias é só ficar atento às nossas publicações nas redes sociais.

Fonte - Seu trabalho faz Justiça TJRO

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.