News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Quarta-Feira, 16 de Junho de 2021

Livre

Pazuello diz que faltou oxigênio em Manaus por 3 dias; senador rebate: 'Informação mentirosa'

'É só ver o número de mortos', disse Eduardo Braga (MDB-AM). À CPI, ex-ministro da Saúde disse que só ficou sabendo da falta do insumo no dia 10 de janeiro, mas documento da AGU mostra que ministério soube antes.
Quarta-Feira, 19 de Maio de 2021 - 14:53

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello afirmou à CPI da Covid nesta quarta-feira (19) que o estoque de oxigênio hospitalar em Manaus ficou negativo durante três dias em janeiro. A fala gerou revolta de senadores na comissão. Eduardo Braga (MDB-AM) disse que o ex-ministro estava mentindo e que a carência do insumo durou mais.

"Quando a gente observa os mapas, a gente vê que a White Martins [empresa fornecedora de oxigênio] começa a consumir seus estoques já no fim de dezembro. Então ela tem um consumo, uma demanda, e começa a entrar no negativo, e esse estoque vai se encerrar no dia 13 [de janeiro], quando acontece uma queda de 20% na demanda e no consumo do estado. No dia 15, já voltou a ser positivo o estoque de Manaus", afirmou Pazuello.

Compare o que disse Pazuello na CPI e o que ocorreu na gestão dele

O que é #FATO ou #FAKE nas declarações do ex-ministro

Neste momento, Braga interrompeu para dizer que a informação passada pelo ministro estava errada.

"Informação errada, mentirosa. Não faltou oxigênio no Amazonas apenas 3 dias. Faltou oxigênio na cidade de Manaus por mais de 20 dias. É só ver o número de mortos. É só ver o desespero", interveio o senador.

Pazuello respondeu: "Não são os dados que estão comigo".

Em seguida, Braga lembrou que as mortes por falta de oxigênio em Manaus ocorreram por vários dias no início do ano. A capital do Amazonas foi uma das cidades mais afetadas pela segunda onda da pandemia e as mortes de pacientes nas filas de UTI e por falta de oxigênio comoveram todo o país.

"Não, ministro, desculpe. Nós tivemos pico de mortes por oxigênio em Manaus no dia 30 de janeiro. Antes, ficamos dependendo da ajuda do [ator] Paulo Gustavo, do [cantor] Gustavo Lima. Vamos parar de ficar dizendo que foram 3 dias de falta de oxigênio", disse o senador.

Braga também criticou o fato de o governo não ter enviado, no auge da crise, um avião para buscar oxigênio doado pela Venezuela.

"Eu só quero complementar que do dia 10 ao 20 de janeiro, quando chegou o avião da Venezuela, passaram-se dez dias morrendo em média duzentas pessoas por dia no Amazonas. Foram 2.000 amazonenses que morreram. Nós poderíamos ter colocado aquele oxigênio. E quero dizer o seguinte: faltou dinheiro do governo do estado para fazer isso? Não. Faltou vontade política do governo federal em fazer isso? E por que não fez? Por que não deu as informações ao ministro Ernesto Araújo para que o avião dos Estados Unidos pudesse ter ido à Venezuela buscar o oxigênio e levar para o Amazonas para salvar vidas?", concluiu Braga.

 

Aviso sobre falta de oxigênio

Pazuello disse que foi informado pelas autoridades do Amazonas sobre a falta de oxigênio hospitalar no estado no dia 10 de janeiro.

"Não alertaram [antes], apenas no dia 10 à noite, pessoalmente. Eu acredito que as medidas possíveis a partir do dia 10 foram executadas, todas executadas", disse o ministro.

Antes do dia 10, o ministro liderou uma comitiva do Ministério da Saúde a Manaus para tratar do combate à Covid. Ele disse que, na ocasião, não foi avisado de falta de oxigênio.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI, disse que, em depoimento à Polícia Federal, o secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo, afirmou ter avisado Pazuello da falta de oxigênio no dia 7. Essa fala está registrada no depoimento de Campelo à PF.

"Não. Ele disse que dia 7 ele falou comigo, mas ele não disse no depoimento que me alertou sobre colapso de oxigênio", esquivou-se Pazuello.

Ofício da AGU

No entanto, ofício que a Advocacia-Geral da União enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) em janeiro afirma que o governo federal sabia do “iminente colapso do sistema de saúde” do Amazonas dez dias antes de a crise estourar e faltar oxigênio para pacientes no estado.

De acordo com a AGU, na última semana de dezembro de 2020, o acompanhamento da situação sanitária "relativa à cidade de Manaus revelou aumento significativo no número de hospitalizações".

A partir disso, ainda na primeira semana de janeiro, segundo a AGU, o ministério da saúde providenciou reuniões de seu secretariado realizadas entre 3 e 4 de janeiro de 2021

Entre as conclusões do ministério, estava a de que havia a "possibilidade iminente de colapso do sistema de saúde, em dez dias, o que pode provocar aumento da pressão sobre o sistema, entre o período de 11 a 15 de janeiro".

A AGU afirma que até então, "o Ministério da Saúde não havia sido informado da crítica situação do esvaziamento de estoque de oxigênio em Manaus, ciência que apenas se operou em 8 de janeiro, por meio de e-mail enviado pela empresa fabricante do produto".

Fonte - G1

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.