News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Segunda-Feira, 21 de Junho de 2021

Livre

O desafio de ser mãe em plena pandemia; uma homenagem a quem aprendeu a lidar com a rotina sem esquecer de si mesma

Todos ajudam além do marido, as crianças também tem tarefas definidas.
Domingo, 09 de Maio de 2021 - 11:34

Por Andréia Fortini
Fotos: Claudia Batista

A palavra mãe, sempre foi sinônimo de cuidado, ternura, carinho. Durante o período de isolamento social causado pela pandemia, foi ainda mais difícil para a mulher que é mãe, se isolar. A mudança de comportamento triplicou o trabalho que já era árduo, que o digam as mães que além da rotina da casa se desdobram também trabalhando fora e acumulam funções dentro e fora e casa.

 

A servidora pública Cláudia Batista é um exemplo disso. Ela tem 42 anos, 16 dedicados a Polícia Civil do Estado de Rondônia. É mãe atípica, como se chamam as mães de crianças especiais. Cláudia tem dois filhos autistas: Victor de 19 anos e João de 8 anos. Seus “anjos azuis” (termo usado para crianças autistas) são para ela toda a razão de viver e cuidado. “Não tem sido nada fácil, pois temos sempre o receio de levar o vírus pra casa. Como meus dois filhos são autistas, neste caso a preocupação redobra. Mas tomamos todos os cuidados, ao chegar em casa não tendo contato com a família assim que chegamos. É uma rotina repetitiva e desgastante, mas que vale a pena para mante-los saudáveis”, salienta Cláudia.

A preocupação aumentou ainda mais quando recentemente Cláudia teve covid-19 e o primeiro pensamento quando recebeu o diagnóstico foi inevitável, principalmente para quem é mãe: “As primeiras 24 horas foram terríveis, tive muito medo de morrer. Eu pensava: Meu Deus, meus filhos precisam de mim, nada pode acontecer”, disse a servidora que teve que contar bastante com a ajuda do marido, Hugo Brito, que também é policial civil.

A rotina da servidora é bastante puxada. Cláudia também é empreendedora, cuida de casa, dos filhos, do pai que mora na área rural de Porto Velho, faz atividade física e muito mais. Ela diz que muitos lhe perguntam como dá conta de tanta coisa, mas ela explica que “na realidade todas nós mães conseguimos fazer muitas tarefas desde que saibamos organizar e gerenciar nosso tempo sem negligenciar a nós mesmas. Eu reservo um tempo pra mim. Faço Yoga uma vez por semana, academia três vezes por semana, e danço duas vezes por mês, além disso, separo uma hora por dia pra ler. Este é o meu momento, viajo”, salienta.

Mas muitos devem estar se perguntando, como isso é possível? Cláudia dá a dica: envolver a família nas atividades diárias. Todos ajudam além do marido, as crianças também tem tarefas definidas. O pequeno João guarda os brinquedos todos os dias antes de dormir. Já o maior Victor arruma a própria cama ao levantar, limpa a mesa depois do café da manhã e lava a louça nos finais de semana, além de ajudar com o menor. Mas para ter essa colaboração Cláudia conta que não negligencia o papel de mãe e dá dicas para quem está na mesma situação. “É de suma importância para o desenvolvimento dos nossos filhos, sejam eles normais ou atípicos, ter um tempo de qualidade com eles. Reservo pelo menos 30 minutos por dia com cada um. Outra atitude de extrema importância é fazer uma forte conexão com eles através do olho no olho. Quando qualquer um dos dois vem falar comigo, independente do que eu esteja fazendo, paro tudo, olho em seus olhos, me conecto e presto atenção no que estão falando”, ensina Cláudia.

A servidora conta que o aprendizado veio com o tempo, afinal na opinião dela quem cuida também precisa de cuidados. “Estou sempre em busca de conhecimento, cursos, terapias e isso ajuda muito. Me formei em Coaching Integral Sistêmico e apliquei muitas ferramentas que aprendi lá com meu pequeno João que era extremamente nervoso e tinha ecolalia grau 1000%. Hoje ele é mais feliz, tranquilo e brincalhão”, explica ela e complementar que com todo isso o isolamento social não foi um problema na família, isso porque as crianças até gostam de ficar em casa. Mas com mais tempo com eles, ela aprendeu a lidar de forma leve com tudo. “Sempre estive bem tranquila, pois sempre tomamos todos os cuidados. E como nossos filhos se isolaram dentro de casa (e eles gostam disso) tem sido mais fácil. Mas para conseguir tive que me organizar. Adotar uma planilha com os horários do que fazer no dia a dia é o primeiro passo. E para manter a autoestima é importante ter amizades saudáveis que te façam crescer e evoluir. Sempre será prioridade separar uma hora por dia pra você fazer o que você mais gosta: dançar, correr, andar de bike, ouvir uma música, ler, rir e rir alto e muito”, acrescenta.

Outra dica importante, e essa vai para quem atua em profissões mais desafiadoras como a de Cláudia é que “nós mães, principalmente, as mães policiais, devemos ter o cuidado de não levar pra casa as tensões do trabalho. O futuro dos nossos filhos depende de nós. O caráter deles é formado dos zero aos 12 anos. E precisamos ter muito cuidado com gritos, pois estas atitudes poderão destruir a vida dos nossos filhos. O amor cura. Temos que nos policiar, olhar mais nos olhos dos nossos filhos, abraçar mais, fazê-los sentirem-se amados e pertencentes, precisamos largar o celular e dedicarmos um tempo de qualidade com eles, essas atitudes simples os tornarão adultos seguros e felizes”, salienta Cláudia.

Seguir essas dicas, e criar sua própria rotina é importante. Através do exemplo de Cláudia, homenageamos todas as mães que, em tempos de pandemia e durante toda a vida, dedicam seu tempo e se desdobram em mil para educar, cuidar e zelar pelos seus filhos. Não só hoje, mas vocês merecem toda gratidão todos os dias. E nunca se esqueçam de investir um tempo para se cuidar é essencial, mesmo que sejam só alguns minutinhos, é comprovado que o autocuidado tem um poder enorme e pode transformar o dia de qualquer pessoa.

Fonte - News Rondônia

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.