News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Sexta-Feira, 14 de Maio de 2021

Livre

O tabu sobre menstruação, e a pobreza menstrual - Por Rayane Trajano

Aquilo pode causar uma infecção e esse impacto pode não ser momentâneo, ele pode ser duradouro e pode afetar a fertilidade dessa pessoa.
Terça-Feira, 04 de Maio de 2021 - 12:33

Menstruação é um processo natural do corpo feminino, caracteriza-se por um sangramento uterino natural que constitui uma importante etapa do ciclo menstrual, em geral ele se inicia na adolescência, apesar de ser um processo natural para o corpo da mulher o tema foi e ainda é tratado como um tabu na sociedade.

Essa é uma das consequências da pobreza menstrual, uma condição que atinge pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e social que não têm acesso a saneamento básico e a protetores menstruais como os absorventes descartáveis. Em todo o mundo, há mulheres e meninas e homens transexuais que menstruam e não têm acesso garantido a meios seguros e eficazes de administrar sua higiene menstrual. Em função disso, precisam recorrer a métodos inseguros para conter o sangue como o uso de folhas de jornal, folhas de árvore, telhas ou mesmo miolo de pão.

Em entrevista ao Programa Fantástico da Rede Globo, a ginecologista Larissa Cassiano afirma que já recebeu mulheres que colocaram algodão, miolo de pão, coisas que acabam soltando fibras ou pedaços.

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que uma em cada quatro meninas perdem aula quando estão menstruadas e reconheceu, em 2014, que o direito das mulheres à higiene menstrual é uma questão de saúde pública e direitos humanos. A menstruação está relacionada à dignidade humana, quando uma pessoa sangra e não tem acesso à água, banheiros, itens de higiene ou vive situações de exclusão, vergonha e impotência, o princípio da dignidade está comprometido.

Em Porto Velho a Associação Filhas do Boto Nunca Mais tem feito uma campanha de arrecadação de produtos de higiene pessoal como desodorante, escova de dente e o absorvente. A presidente da Associação Cleyanne Alves afirmou que ao fazer doações para famílias em vulnerabilidade a ONG sempre se depara com mulheres que usam panos, papel higiênico e algodão durante seu período menstrual e que isso tem causado um grande número de infecções.

“Identificamos que absorvente e desodorante não entram com itens essenciais, mulheres em situação de vulnerabilidade preferem comprar comida do que seus produtos de higiene pessoal, entre a escolha de se alimentar ou escolher um absorvente essas mulheres sempre optam pela alimentação como se menstruar fosse um ato de egoísmo”, afirmou a Psicóloga e Presidente da Ong, Cleyanne Alves.

 

.

Fonte - News Rondônia

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.