News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Terça-Feira, 20 de Abril de 2021

Livre

Itaú Cultural comemora o centenário de Cacilda Becker com lembranças de familiares e artistas como Zé Celso e Eva Wilma

Zé Celso destaca, ainda, pontos importantes da curta, porém intensa, trajetória de Cacilda.
Domingo, 04 de Abril de 2021 - 11:36

No dia 6 de abril (terça-feira), o Itaú Cultural festeja o centenário de nascimento da atriz Cacilda Becker (1921-1969) com um conteúdo especial de fotos, vídeos e depoimentos, em seu site www.itaucultural.org.br, sobre uma trajetória que ainda hoje reverbera na cultura do país. Considerada uma das maiores atrizes do teatro brasileiro, com atuações marcantes nos palcos e fora deles, ela é lembrada e celebrada por artistas, familiares e profissionais da arte e da cultura, que falam sobre o contato pessoal e profissional com a atriz, contam curiosidades e revelam o impacto deixado pelo seu legado, que marcou época.

Um vasto material sobre Cacilda Becker pode ser encontrado no verbete da atriz na Enciclopédia Itaú Cultural.

Sempre à frente do seu tempo Cacilda Becker Yáconis nasceu em Pirassununga, no interior de São Paulo, descendente de alemães e italianos. Com a separação dos pais, quando ainda era criança, ela cresceu ao lado da mãe e das irmãs mais novas em um ambiente conduzido pela força e resistência femininas, características que permearam a sua trajetória profissional no teatro, rádio e televisão. Não à toa ela encontrou na arte um espaço libertador.

No vídeo gravado com o diretor Zé Celso Martinez Corrêa especialmente para a comemoração do centenário da atriz no site do Itaú Cultural, ele lembra que o espírito aguerrido e de luta de Cacilda vem desde a primeira apresentação nos palcos, aos sete anos, enfrentando conservadorismo do avô. "Cacilda decidiu que queria se apresentar no teatro Politeama com uma coreografia que ela tinha inscrito. A estreia foi essa: ela saindo de um casulo e fazendo a dança da borboleta", conta o fundador do Teatro Oficina e amigo da atriz.

Zé Celso destaca, ainda, pontos importantes da curta, porém intensa, trajetória de Cacilda. Fala da força feminina vinda da relação entre a mãe, Alzira, e as filhas Cacilda, Dirce e a também atriz Cleyde Yáconis – "elas foram muito ligadas a vida toda e vibravam juntas, como se fossem um corpo só" –, das peculiaridades da atriz enquanto encenava – "Cacilda tinha uma espécie de musicalidade na fala; as palavras eram respiradas e a respiração traz a emoção do personagem" – e da morte, aos 48 anos, entre o primeiro e o segundo ato da peça Esperando Godot – "Não adianta imaginar o que seria a vida dela, porque o que ela foi já é muito rico, é um tesouro".

A atriz Eva Wilma, que também participa dessa homenagem, lembra o envolvimento fundamental de Cacilda com o que acontecia fora dos palcos, fosse referente à classe artística ou à política nacional. Recorda da participação das duas – ela, no Rio de Janeiro e Cacilda, em São Paulo –, em 1968, na passeata organizada pelos artistas contra a ditadura militar, e conta, ainda, da admiração pela força e determinação da atriz, que a inspiraram a encenar também, entre 1977 e 1979, Esperando Godot.

Fotografias e lembranças

Outros olhares acerca do ambiente pessoal, do teatro e da despedida de Cacilda Becker também compõem o material especial do site do Itaú Cultural sobre o centenário. Das visões de familiares e artistas ouvidos para a reportagem da jornalista Cristiane Batista, vêm bastidores e sua história de vida e do palco. Das lentes de uma máquina fotográfica, são revelados registros inéditos dos ensaios da última peça de Cacilda e as lembranças de Amancio Chiodi, um jovem fotógrafo da época, que hoje expõe pela primeira vez esse olhar.

Filho e neto de Cacilda, o ator e produtor Cuca Becker e o cineasta Guilherme Becker, cuidador do seu acervo, contam curiosidades da vida pessoal da atriz, como o característico batom vermelho e o salto alto sempre que usava, a vida em família e a importância do legado que ficou. Dos palcos, as referências e influências de Cacilda Becker para diferentes gerações de mulheres são relatadas pela fotógrafa Lenise Pinheiro, que dirige a recém-estreada Viva Cacilda! Felicidade Guerreira, escrita a partir do texto de 1998 de Zé Celso, assim como pelas atrizes Bete Coelho, Camila Mota, Isabella Lemos e Leona Cavalli, que viveram Cacilda em cena.

O público confere ainda, em primeira mão, uma visão única e até então inédita, que traz para este ano do centenário o registro de uma Cacilda Becker que se preparava para seu último espetáculo. Trata-se de fotos feitas em 1969 por Chiodi, que na época passou cerca de 15 dias registrando os ensaios de Esperando Godot, prestes a estrear. No palco, uma atriz vigorosa e vanguardista interpretava Estragon, um personagem masculino escrito por Samuel Beckett. Do outro lado da lente, o jovem fotógrafo de 22 anos, capturava momentos de um ato que ficaria para a história do teatro brasileiro.

Fonte - News Rondônia

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.