News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Domingo, 18 de Abril de 2021

Livre

Vacina de Oxford é 'segura e eficaz', diz agência europeia após análise de dados sobre coágulos

Agência reguladora analisou suspeitas de ligação entre o imunizante e casos de formação de coágulos. Órgão disse que vai continuar a acompanhar vacinação e que benefícios superam os riscos.
Quinta-Feira, 18 de Março de 2021 - 15:40

A agência de medicamentos da União Europeia afirmou, nesta quinta-feira (18), que a vacina de Oxford é "segura e eficaz" no combate ao coronavírus após analisar a suspeita de casos de formação de coágulos em pacientes imunizados.

A reguladora disse também que vai continuar a acompanhar e analisar os dados de vacinação no continente, mas que os benefícios da aplicação da vacina superam os riscos.

O órgão apresentou o resultado da análise de alguns casos de trombose em idosos, e reforçou que não há indícios de relação com a vacina desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

Alguns países europeus suspenderam temporariamente o uso das doses da vacina enquanto a agência investigava as suspeitas (relembre na reportagem abaixo).

A farmacêutica afirmou que já foram aplicadas mais de 17 milhões de doses na Europa – e que 37 casos de trombose foram registrados entre os vacinados.

O número é muito inferior ao registrado normalmente na população do país, em condições normais.

Nesta segunda (15), o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que a grande ameaça que a maior parte dos países enfrenta é a falta de vacina.

Vacinação no Brasil

A vacina de Oxford/AstraZeneca é uma das duas usadas no Brasil – a outra é a vacina CoronaVac feita em parceria pela chinesa Sinovac com o Instituto Butantan – que foram aprovadas para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A Anvisa disse em nota que não há evidências que apontem – até o momento – para uma relação entre o uso da vacina e a ocorrência de casos de trombose e embolia pulmonar.

Disse ainda que nenhum brasileiro vacinado apresentou casos de embolismo e trombose associados às vacinas para Covid-19.

A Fiocruz, que produz a vacina da Oxford-AstraZeneca no Brasil, divulgou uma nota em que afirma que, até o momento, a vacina tem se mostrado extremamente segura e eficaz.

Suspensão temporária

Ao menos 13 países da União Europeia suspenderam temporariamente o uso da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, depois de relatos de formação de coágulos em pessoas vacinadas (veja a lista completa abaixo).

Na semana passada, Dinamarca, Noruega e Itália foram os primeiros em anunciar uma pausa nas aplicações para analisar dados da vacinação após a Áustria suspender um lote da vacina por conta de uma morte por embolia pulmonar – que poderia ser consequência da formação e desprendimento de um coágulo.

Coágulo é uma espécie de bloco de sangue com consistência mais sólida.

As autoridades sanitárias destes países ponderam, no entanto, que não há a comprovação de que a vacinação tenha aumentado a incidência de coágulos em pacientes – mas reforçam que o evento adverso pede por precaução.

Países que suspenderam a vacina

Áustria

Dinamarca

Noruega

Itália

Holanda

Alemanha

França

Espanha

Portugal

Luxemburgo

Suécia

Lituânia

Eslovênia

Os governos da Bélgica, Polônia, Romênia e Grécia se posicionaram contrários a esta suspensão. Segundo eles, a falta de vacinação pode causar ainda mais problemas que os efeitos adversos discutidos.

A União Europeia tem quatro vacinas autorizadas para a aplicação nos 27 países membros do bloco:

Pfizer/BioNTech

Moderna

Oxford/AstraZeneca

Janssen (Johnson & Johnson)

Relação AstraZeneca/União Europeia

A União Europeia enfrentou, no início de 2021, problemas com atrasos na entrega de doses das vacinas produzidas pela AstraZeneca. A situação gerou desconforto entre os países do bloco e a farmacêutica britânica.

A comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, pediu por transparência nas exportações do imunizante e chegou a dizer que o cronograma de entregas – com atrasos – era inaceitável. A empresa alegou problemas de produção e restrições de exportação.

O laboratório disse que as entregas para países europeus da vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford seriam menores do que o esperado, devido a uma "queda de desempenho" em uma das fábricas.

O bloco europeu acusa o Reino Unido de dificultar as exportações de vacinas depois da instauração do Brexit e chegou a ameaçar o país com a proibição do envio de vacinas da Pfizer produzidas no continente.

No início de março, o governo italiano bloqueou a exportação para a Austrália de uma remessa de 250 mil doses da vacina da AstraZeneca produzidas localmente.

O país foi o primeiro a usar os novos regulamentos do bloco, permitindo que as exportações sejam interrompidas se a empresa fornecedora das vacinas não cumprir as obrigações assumidas localmente.

Fonte - 20 - Por G1

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.