News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Domingo, 11 de Abril de 2021

Livre

Procuradoria arquiva inquérito que apurava suposto racismo de Weintraub contra chineses

Caso foi encerrado após Polícia Federal concluir pela falta de elementos para indiciar o ex-ministro. Weintraub insinuou que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise do coronavírus.
Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021 - 16:28

A Procuradoria da República no Distrito Federal arquivou o inquérito aberto contra o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub por suposto crime de racismo após a Polícia Federal concluir que não havia elementos para indiciar o ex-ministro.

O inquérito foi aberto em abril de 2020 após Weintraub insinuar em uma rede social que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pelo coronavírus.

O crime de racismo, previsto na Lei n. 7.716/1989, implica em conduta discriminatória dirigida a determinado grupo ou coletividade por raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. A pena é de reclusão de um a três anos e multa.

O inquérito para apurar o suposto crime de racismo foi aberto pelo STF à pedido da Procuradoria Geral da República (PGR).

Em junho de 2020, Weintraub deixou o Ministério da Educação e o caso foi enviado para a primeira instância da Justiça, pois ele perdeu o foro privilegiado. Atualmente, Weintraub é diretor-executivo do conselho do Banco Mundial.

Relembre o caso

Em abril de 2020, Weintraub fez uma postagem em uma rede social insinuando que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pela pandemia do coronavírus.

Na postagem, o ex-ministro disse que a China iria sair "relativamente fortalecida" da crise do coronavírus e que isso condiz com os planos do país de "dominar o mundo". Disse ainda que haveria, no Brasil, parceiros dos chineses nesse objetivo.

"Geopolíticamente [sic], quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu Weintraub.

Para ilustrar a postagem, ele publicou ainda uma foto de uma capa de um gibi da Turma da Mônica, que mostra os personagens na China. Usando o personagem Cebolinha, que troca o "R" pelo "L", Weintraub ridicularizou o fato de alguns chineses, quando falam português, efetuarem a mesma troca de letras.

Na época, a embaixada chinesa no Brasil, também na rede social, divulgou uma resposta repudiando a fala do ministro e o embaixador, Wanming Yang, cobrou uma declaração oficial do governo sobre a fala de Weintraub.

No dia 4 de junho de 2020, ainda como ministro da Educação, Weintraub compareceu à Polícia Federal para prestar depoimento, mas não quis responder a perguntas e entregou uma declaração por escrito.

"A participação do PCC [Partido Comunista da China] na pandemia não é mera ilação desse subscritor [Weintraub]. Trata-se de tema discutido abertamente por diversos líderes mundiais (vide comentário do presidente Donald Trump). Hoje há fortíssimas evidências que o vírus foi criado em laboratório, que o PCC escondeu o início da epidemia e informou a Organização Mundial de Saúde que não havia contágio entre humanos, e depois, de tudo, vendeu produtos necessários para o tratamento para todo o mundo. É razoável que o tema possa ser objeto de discussão livre", disse ele.

Fonte - 20 - Por Fernanda Vivas e Márcio Falcão, TV Globo

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.