News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Segunda-Feira, 08 de Março de 2021

Livre

OMS sugere oxímetro para pacientes com Covid que estejam em casa

Doentes precisam ter acompanhamento médico. Entidade atualizou as diretrizes de cuidado para pessoas com a doença; também há recomendação de usar anticoagulantes em pacientes internados, em baixa dose, como forma de evitar trombose. Organização irá nomear o quadro hoje conhecido por 'Covid longa'.
Quarta-Feira, 27 de Janeiro de 2021 - 11:41

A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugeriu, em atualização publicada nesta terça-feira (26), que pacientes com Covid-19 que estejam em casa monitorem seus níveis de oxigênio com um oxímetro. O objeto é semelhante a um pregador de roupas que é colocado em um dos dedos da mão (veja imagem acima). O uso deve ter acompanhamento médico.

O oxímetro tem a função de medir o nível de oxigênio no sangue — que costuma cair em pacientes que desenvolvem casos mais graves da Covid-19, doença causada pelo coronavírus. O resultado no visor do oxímetro vem com uma porcentagem que varia entre 0% e 100%.

O nível normal de saturação de oxigênio no sangue, de acordo com médicos, é entre 95% e 100%. Mudanças devem ser monitoradas e informadas conforme a indicação do médico que acompanha o paciente.

A entidade também sugeriu que pacientes que estejam internados recebam doses baixas de anticoagulantes de forma preventiva, para evitar trombose. O uso é indicado apenas para os que estejam hospitalizados.

Outra sugestão, também para pacientes hospitalizados, é mantê-los deitados de bruços (pronados), para melhorar o fluxo de oxigênio.

Entenda por que o oxigênio é tão importante para pacientes com Covid

As sugestões fazem parte das novas diretrizes de cuidado com pacientes com Covid-19 divulgadas pela organização. Elas já eram conhecidas por equipes de saúde que tratam pessoas atingidas pela doença.

'Covid longa' terá nome

A OMS também informou que vai se reunir, em fevereiro, e dar um nome ao conjunto de sintomas que caracterizam a chamada "Covid longa" – aqueles que persistem mesmo depois que a pessoa já se curou da doença ou não tem mais o vírus no corpo. Os sinais incluem cansaço extremo, tosse persistente e intolerância a exercícios físicos.

Médica cria grupo de apoio a pessoas com sequelas da Covid; 'sintomas que persistem não são caso de ansiedade'

Segundo a organização, serão feitas consultas para descrever a condição, seus subtipos e definições de casos. As consultas vão incluir grupos de pacientes com o problema.

Fonte - 20 - G1

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.