News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Quinta-Feira, 28 de Janeiro de 2021

Livre

Sem provas e testemunhas, MP manda prender Agentes da Força Nacional

Militares estão presos a mais de 23 meses por acusações infundadas. Consagrada pelo Poder do Ministério Público e ratificada pelo Poder Judiciário.
Terça-Feira, 08 de Dezembro de 2020 - 17:03

Já pensou ser preso por uma simples acusação? Sem provas e sem testemunhas. Consagrada pelo Poder do Ministério Público e ratificada pelo Poder Judiciário.

Se isso ocorrer na sua vida se cuide, pois você conhecerá os rigores do querer é poder, pois a vontade do Ministério Público se transforma em prisão, mesmo contrariando a constituição, as leis e as convencionalidades.

Demonstra-se tal fato a luz do caso dos agentes da Força Nacional Tenente Renato e do Cabo Bruno.

O caso iniciou no dia 23 de dezembro de 2018, no bairro Tancredo Neves, zona Oeste de Boa Vista-RR. Quando o mecânico Marcelo seguia na rua Leôncio Barbosa e foi perseguido e baleado pelos policiais LEANDRO  (o motorista) e WILLIAM  que estavam fora de serviço.

Marcelo Menezes pilotava uma moto na rua Leôncio Barbosa, no bairro Tancredo Neves, quando foi baleado pela dupla. Ele estava sozinho e carregava uma espingarda calibre 36, usada para caça esportiva. Ao ser alvejado, ele caiu da moto.

LEANDRO e WILLIAM ao verem que Marcelo estava ferido e provavelmente morto, chamaram, através do grupo de WhatsApp os agentes Renato e Bruno que estavam de serviço e deram socorro ao ocorrido.

Na delegacia, os agentes que estavam de folga disseram que foram surpreendidos por dois indivíduos em uma motocicleta que tentaram roubá-los, e por isso desferiram os tiros.

Ainda na versão de LEANDRO e WILLIAM, um dos homens foi alvejado e caiu no chão, enquanto o outro, que conduzia a motocicleta, teria fugido do local.

O MP constatou, por meio de imagens das câmeras de segurança da escola estadual Tancredo Neves, que a versão dos policiais não era verdadeira, pois ficou comprovado que houve perseguição à vítima e que não haviam duas pessoas na motocicleta.

Para escapar de sua culpa e responsabilidade LEANDRO e WILLIAM resolveram contar uma nova estória, na qual Renato e Bruno ao chegar no local encontraram Marcelo ainda com vida, o colocaram na viatura da Força Nacional e o levaram para um lugar ermo onde a sangue frio o executaram e colocaram novamente dentro da viatura e depois de toda essa barbárie o levaram para o hospital.

Que coisa, não?

Uma estória digna de filme e de capa de jornal o que realmente se transformou. LEANDRO e WILLIAM foram premiados por sua criatividade, pois o MP-RR lhe concedeu a liberdade, pois com essa capa de jornal o MP-RR tinha uma ótima história a contar para sociedade de Roraima, policiais assassinaram a sangue frio um trabalhador.

A partir desse único depoimento de LEANDRO e WILLIAM, o MP-RR pediu a prisão do Tenente Renato e do Cabo Bruno, acatada pelo TJ-RR.

Até aqui tranquilo, parecia que seria apenas uma situação protocolar, uma prisão que durasse enquanto se desenvolvia a apuração dos fatos. Porém não foi o que ocorreu.

23 meses se passaram, investigações concluídas, laudos e provas da inocência de Renato e Bruno anexadas ao processo, mas o querer do MP-RR ainda é o Poder, poder de manter estes dois inocentes presos. Um poder que é ratificado pelo TJRR ao negar todos os HABEAS CORPUS impetrados pela defesa.

As provas da inocência de Renato e Bruno são: Laudo Cadavérico

Os pontos de GPS que demonstram os deslocamentos de Renato e Bruno da ocorrência ao hospital, e do hospital para a base.

O que pode explicar o comportamento desviante do MP-RR em relação à constituição, às leis e das convencionalidades, é o que eu chamo de preconceito estrutural, pois a autoridade ministerial tem convicção que todos os policiais são criminosos. Assim, o MP-RR com o poder de punir, puniram, ou seja, a síndrome do querer é poder, muito bem ilustrada no caso Renato e Bruno.

E o Poder Judiciário com sua função de revisar, avaliar e decidir, o que fez? Concordou com o Querer é Poder do MP-RR, e negou tudo que a defesa apresenta em uma espécie de corporativismo inquisitorial e punitivista.

O que demonstra que a Polícia Militar no Brasil é duplamente vítima, primeira vítima da bandidagem a qual combate todos os dias nas ruas e vítima das instituições que tem sede de puni-los e apresentar para sociedade seu Poder, espalhando o império do medo e da insegurança.

Com isso tudo, só temos certeza de uma coisa: os bandidos estão soltos, e nós estamos com medo do Ministério Público e de seus companheiros. Como demonstrado no caso Renato e Bruno versos o Querer é Poder do MP-RR coroado pelo TJ-RR.

Prof. Sociólogo Ricardo Rodrigues 07/12/2020

Véspera do dia da Justiça, o que tenho a comemorar 23 meses de um irmão preso de modo ilegal e arbitrário!

Fonte - News Rondônia

Comentarios

News Destaques

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.