Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020 - 17:23 (Polícia)

12
Não recomendado para menores de 12 anos

COVARDIA: Jovem é espancada pelo namorado após defender pitbull

Jovem de 16 anos é hospitalizada após ser espancada e mordida pelo namorado ao defender pitbull de agressões. Ela tentou impedir os maus tratos contra o animal de estimação e acabou atacada pelo homem


Imprimir página

Uma adolescente de 16 anos precisou ser hospitalizada após ser agredida pelo namorado, de 18, no último domingo, em Belo Horizonte. Ela tentou defender o cachorro de estimação do rapaz.


ILUSTRATIVA

De acordo com a Polícia Militar (PM), no Hospital João XXIII, onde era atendida, a vítima contou que mora com o jovem e que, naquela manhã, estavam se preparando para passear com o animal, da raça pitbull.

Em determinado momento, o cachorro se soltou e subiu no sofá da casa. Revoltado, o namorado dela começou a agredir o animal e ela tentou intervir para defendê-lo. Foi quando o rapaz passou a agredi-la também.

A adolescente chegou a desmaiar e o espancamento só parou quando uma vizinha chegou ao local e separou a briga. O agressor fugiu.

Conforme a PM, o rapaz chegou a morder os dois braços da adolescente, que também teve o nariz quebrado, um corte de faca no calcanhar direito e também apresentava inchaço em um dos olhos.

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) disse que abriu inquérito para investigar o caso e que a vítima foi ouvida e passará por exames. Até a publicação deste texto, o agressor ainda não foi localizado.

Violência só aumenta

A cada dois minutos, cinco mulheres são espancadas no Brasil. Em 80% dos casos, o responsável pela agressão é o próprio parceiro (marido, namorado ou ex) com quem convive diariamente, segundo a pesquisa Mulheres Brasileiras nos Espaços Público e Privado (FPA/Sesc).

Segundo a neuropsicóloga Roselene Espírito Santo Wagner, durante a quarentena houve um aumento de 40% dos casos de violência contra a mulher. “Se por um lado nos afastamos voluntariamente do convívio social, por outro nos expomos a um excesso de convívio familiar. Que em alguns, despertou o sentimento de confinamento, de exclusão, exacerbando ainda mais a agressividade”, explicou.

Fonte: pragmatismopolitico

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias