Segunda-Feira, 07 de Setembro de 2020 - 09:35 (Colaboradores)

L
LIVRE

Ônibus apreendidos do Consórcio Sim foram depenados dentro da garagem na véspera da operação

Embora um gerente da empresa tendo afirmado que o empresário não estava na cidade, MARCELO ALVES CAVALCANTE que comprou e não pagou, acompanhou bem de perto toda a operação.


Imprimir página

PORTO VELHO - Eram 04h30 da manhã quando os oficiais de justiça chegaram na garagem do Consórcio SIM para cumprir o mandado de busca e apreensão de 30 veículos que foram comprados e não pagos pelos empresários e sócios MARCELO ALVES CAVALCANTE e JOÃO RENE TEIXEIRA, vulgo RENINHO, e ao adentarem no imóvel, a decepção tomou conta de todos ao se depararem com uma frota completamente depenada, embora na véspera, vídeos e fotos comprovarem que alguns dos veículos objeto da ação, estivessem rodando na cidade fazendo a rota normalmente.

Dos 14 veículos encontrados no local, absolutamente todos estavam sem bateria, metade deles estavam completamente depenados e em alguns casos, até o motor foi retirado. As baterias foram encontradas na garagem e recolocadas nos veículos por uma equipe de eletricistas e mecânicos contratados pelo empresário que veio de Belo Horizonte juntamente com seu advogado para acompanhar a operação.

Nove veículos ainda saíram rodando, cinco foram removidos por dois guinchos que foram contratados para a operação. Foram contratados também um “borracheiro móvel” e nove motoristas que ajudaram na logística de retiradas desses veículos da garagem do SIM.

Dois veículos foram encontrados na garagem da antiga empresa Três Marias e que também tiveram que ser retirados de guincho. Outros dois foram encontrados dentro do pátio da PRF na Av. Mamoré, e um outro encontra-se no Posto da PRF próximo ao Candeias do Jamari. Esses três veículos foram apreendidos a mais de um ano.

Esses veículos que estão aprendido na PRF foram certificados a fé pública pelo oficial de justiça e o procedimento administrativo foi encaminhado. A busca e a apreensão será realizada nas próximas 24 horas.

Informações dão conta que 01 veículo está em poder de um ex-funcionário da empresa Freitas que operava o transporte escolar, e que foi retido por ele em garantia de recebimento de dividas que nunca foram honradas pela empresa, e 10 outros veículos estão em lugar incerto e não sabido.

O empresário autor da ação, falou com exclusividade com este jornalista, e nos contou que ele já dava essa conta como praticamente perdida até ele tomar conhecimento das nossas matérias jornalísticas a respeito dos “rolos dessas empresas operadas por Marcelo”, matérias essas sempre acompanhadas de documentos comprobatórios das referidas irregularidades.

Em nenhum momento os empresários MARCELO e RENINHO mostraram interesse em pagar a dívida e isso motivou a ação que terminou com a busca e apreensão do último sábado 05/09.

MENTIRAS foram passadas a imprensa por funcionários da empresa a respeito da busca e apreensão e da paralisação do serviço no dia da operação: Um funcionário declarou “que os veículos apreendidos não fazem parte da frota que presta o serviço na cidade atualmente, mas sim de um dos sócios da empresa e estavam estacionados na garagem.”

ÔNIBUS OPERANDO NORMALMENTE

Em nota, a empresa também declarou que a cidade ficou sem ônibus porque os oficiais de Justiça impediram que os ônibus (brancos) saíssem da garagem. Tudo mentira, até porque todos sabem que os ônibus estavam operando normalmente na cidade e que também o objetivo da operação de busca e apreensão era apenas dos “veículos coloridos”

Fonte: Carlos Caldeira - NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias