Quinta-Feira, 27 de Agosto de 2020 - 16:33 (Geral)

L
LIVRE

Artigo: Aprendendo a aprender

É ruim? Cada um tem uma opinião diferente. O fato é que a tecnologia veio para ficar e precisamos nos adaptar a ela.


Imprimir página

De uns tempos para cá, um novo conceito, aliado à tecnologia, foi inserido na vida dos que desejavam cursar o ensino superior: o EAD, ou ensino a distância. A maioria das faculdades, hoje em dia, apresentam a opção de se estudar em casa, online, ou de ter aulas presenciais. No entanto, mesmo cursos presencias inserem um ou dois dias de EAD durante a semana. É bom? É ruim? Cada um tem uma opinião diferente. O fato é que a tecnologia veio para ficar e precisamos nos adaptar a ela.

Hoje, com a ameaça do Covid-19 e a quarentena, a tecnologia provou que o futuro talvez esteja mais próximo do que se imagina. Trabalhar em home office, estudar em casa, fazer compras pela internet, enfim, a tendência é que as pessoas se isolem cada vez mais no conforto e segurança do seu lar.

Mas e as crianças? Como está sendo para elas essa nova realidade? E para os pais que agora se veem cada vez mais inseridos nos estudos dos filhos? Simplesmente largar a criança ou adolescente em frente ao computador e esperar que eles aprendam é producente?

Desde março deste ano, as escolas fecharam e não há previsão para que abram. Essa nova rotina impõe dificuldades e desafios maiores do que o imaginado. O isolamento social criou um conceito de ensino como solução temporária para dar continuidade às atividades pedagógicas e minimizar os impactos da aprendizagem: o ensino remoto. A estrutura do ensino remoto não é a mesma do EAD como tecnologia, recursos utilizados, interação com o professor, videoconferência, material de ensino e outros, uma vez que seu objetivo é contingente. Será?  

Para os professores, essa nova experiência requer muita criatividade, muito mais empenho e maior dedicação. São verdadeiros heróis e, embora sempre tenham sido, agora, mais do que nunca, demonstram o seu talento e comprometimento.  Alguns precisam utilizar laboratórios virtuais, simulações, videoaulas. Precisam criar interesses e estratégias de forma que as aulas sejam mais eficientes e o aluno se sinta motivado a estudar e aprender, mesmo a distância. A carga horária desses profissionais aumentou muito e seus esforços dobraram. Alguns professores chegam a ficar tensos, sabendo que os pais estão acompanhando as aulas e se preocupam não só em ensinar os alunos como em satisfazer aos pais que poderão julgá-los.

Para os pais, a tarefa não é menos árdua. As mães que antes já tinham uma carga de trabalho triplo, revezando entre o cuidado com filhos, casas e emprego, agora ainda enfrentam uma nova missão: estudar com os filhos. As crianças, principalmente, precisam que os pais desempenhem diversas funções que eram exclusivas dos professores. Quanto mais nova a criança, maior a participação dos pais, que passam a ser os braços e pernas dos docentes.

E quanto aos jovens alunos?  Como está sendo esta experiência para eles? Certamente o aprendizado é muito diferente. As crianças e os adolescentes ficam mais livres, desligam a câmera, assistem às aulas, mas, ao mesmo tempo, conversam com os colegas, assistem ao Netflix, dispersam-se facilmente e precisam de mais disciplina para aprender.

As opiniões variam entre os pais. Alguns afirmam que o ensino piorou, que não há aulas suficientes e que o aprendizado está bem inferior. Outros dizem que as escolas estão passando mais atividades, estão sobrecarregando os alunos para compensar a possível deficiência de uma aula virtual. Existe, também, uma preocupação com o tempo excessivo que os filhos passam em frente ao computador.

Alguns alunos, segundo pais e professores, se deram muito bem com essa nova forma de estudar. Outros, no entanto, não conseguiram se adaptar. Não fazem o que é necessário, não conseguem se organizar, deixam as tarefas se acumularem e acabam ficando sobrecarregados e perdidos.    

E quanto às crianças e adolescentes com problemas de aprendizagem? Alunos com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) já apresentam dificuldades em se concentrar em uma aula presencial, o que dizer de uma aula virtual onde há muito mais distrações e formas de se perder o foco? Em um ambiente presencial o professor tem mais condições de acompanhar seus alunos, o que não ocorre no ensino remoto. Assim, cabe aos pais suprir a dificuldade que seu filho apresenta na hora de aprender.

Hoje diversos neurocientistas defendem mais aulas com menos duração e intervalos entre elas, para que o cérebro consiga aprender mais efetivamente. No caso de crianças e adolescentes com TDAH, principalmente, a curva de aprendizagem poderia melhorar. Como essa não é uma realidade em nossas escolas, uma vez que vários outros fatores precisam ser considerados, a solução temporária, especialmente no isolamento, seria incentivar o filho a focar sua atenção em pelo menos 15 minutos de uma vez e recompensá-lo pelo esforço nos intervalos, que podem ser de cinco minutos.

Enfim, estamos todos vivendo uma nova experiência e quanto antes nos adaptarmos a ela, melhores resultados teremos.

No entanto, nem tudo é negativo.

Os adolescentes aumentaram o grau de independência e aprendizado dentro de casa, inclusive nas tarefas domésticas. A autonomia aumentou. Precisaram ficar mais familiarizados com o mundo digital. Até mesmo com o contato digital entre os amigos. Aprenderam sobre flexibilidade e adaptação. Sobre disciplina e autonomia.

Pais que passavam muito pouco tempo com as crianças, agora precisam interagir mais com os pequenos, entrar em seu mundo infantil como era antigamente, participar mais das brincadeiras e auxiliar na criatividade e curiosidade da criança, não apenas nos fins de semana, mas todos os dias.

Bom ou ruim, melhor ou pior, o fato é que a realidade de hoje é essa. É preciso se adaptar e tirar o melhor da situação. É preciso reaprender a aprender. Afinal, quem garante que esse não será o nosso futuro? Só o tempo dirá.

Lucia Moyses é psicóloga, neuropsicóloga e escritora (www.luciamoyses.com.br

Natural de São Paulo, Lucia teve sua primeira formação em análise de sistemas pela FATEC (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo), complementando os seus estudos com curso de pós-graduação na UNICAMP (Universidade de Campinas). Atuou nessa área por mais de 20 anos e foi convidada para ser coautora em uma obra da IBM, em sua sede nos Estados Unidos. Administrou cursos e palestras, inclusive para pessoas com necessidades especiais.

A partir desta experiência, a escritora se interessou pela área de humanas. Foi então que decidiu seguir a carreira de Psicóloga, concluindo o bacharelado na FMU (Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas) e, logo depois, se especializando em Neuropsicologia e Reabilitação Cognitiva pelo (INESP) - Instituto Nacional de Ensino Superior e Pesquisa.

Em 2013, a autora lançou seu primeiro livro “Você Me Conhece?” e dois anos depois o livro “E Viveram Felizes Para Sempre”, ambos com um enfoque em relacionamentos humanos e psicologia.

Três anos após a especialização em Neuropsicologia, Lucia lançou os três primeiros livros: “Por Todo Infinito”, “Só por Cima do Meu Cadáver” e “Uma Dose Fatal”, da coleção DeZequilíbrios. Composta por dez livros independentes entre si, a coleção explora a mente humana e os relacionamentos pessoais. Cada volume conta um drama diferente, envolvendo um distúrbio psiquiátrico, tendo como elo o entrelaçamento da vida da personagem principal.

Em 2018, a psicóloga lançou mais três livros: “A Mulher do Vestido Azul”, “Não Me Toque” e “Um Copo de Veneno”, totalizando seis livros da coleção. Em 2020, Lucia, lança o livro "A Outra". 

Linkedin: linkedin.com/in/lucia-moyses-b8449849
Instagram: @Lucia.moyses 

 

Fonte: News Rondônia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias