Terça-Feira, 25 de Agosto de 2020 - 09:26 (Colaboradores)

L
LIVRE

A quem responsabilizar por tantas mortes que poderiam ter sido evitadas, na pandemia do coronavírus?

No futuro, quando forem analisados os erros e acertos no combate à essa terrível pandemia, depois de milhões de atingidos e, infelizmente, milhares e milhares de mortos (já são mais de 800 mil em todo o mundo) , será tarde demais para se descobrir que, sem esse debate ideológico, muitas vidas teriam sido salvas.


Imprimir página

Tudo começou, no mundo inteiro, bem no início desse ano. Explodiu no Brasil após o Carnaval, onde a irresponsabilidade de muitas autoridades e de boa parte da mídia, que fizeram de conta que nada estava acontecendo, liberou geral para que milhões de pessoas fossem às ruas, amontoadas, enquanto a doença se espalhava. A partir do final de abril e meados de maio, a situação piorou muito. Não só porque, na verdade, ninguém sabia exatamente o potencial da pandemia que estava começando a atacar o Planeta, mas também porque, ao menos no Brasil, o combate à doença foi politizada. Tudo o que o governo Bolsonaro dizia – e principalmente no que falava ele mesmo – era mote de contestação não só dos opositores, derrotados nas urnas, mas igualmente por boa parte da mídia, que colocou seus interesses e suas perdas, acima das perdas de milhares de vidas. Depois de quase 3 milhões e meio de brasileiros afetados; depois do início da pandemia e chegando nas 116 mil mortes, das quais perto de bater nos 1.100 óbitos em Rondônia, infelizmente o mote político-partidário continua, como se ele fosse o mais importante de todo o contexto e a prioridade absoluta  não fosse, sem qualquer senão, a defesa da vida humana. Enquanto governistas, oposicionistas, grupos de médicos e cientistas discutem o que deve ou não ser feito, muitas vezes apenas fazendo debates infindáveis, baseados em crenças pessoais e ideológicas, o brasileiro continua morrendo.

No futuro, quando forem analisados os erros e acertos no combate à essa terrível pandemia, depois de milhões de atingidos e, infelizmente, milhares e milhares de mortos (já são mais de 800 mil em todo o mundo) , será tarde demais para se descobrir que, sem esse debate ideológico, muitas vidas teriam sido salvas. Por exemplo: no mundo todo, mas muito pior no Brasil, é irritante a eterna discussão sobre o uso ou não da cloroquina que é, unicamente, político-partidária-ideológica. Não importam as provas de que centenas e centenas e centenas de pessoas foram curadas no começo da doença, com um coquetel que inclui esse medicamento: quem é a favor é bolsonarista; quem é contra é oposição. Enquanto essa discussão absurda, doentia, desumana se amplia cada vez mais, abrem-se, na mesma proporção, mais e mais sepulturas. Isso é apenas um exemplo. Há muita coisa pior, que, infelizmente, só saberemos no futuro. E o que mais vamos lamentar, além de tantos brasileiros que foram embora para sempre, é que não haverá a quem cobrar por tantas mortes que poderiam terem sido evitadas. Só restará mesmo a tristeza e o desespero de quem perdeu seus entes queridos, enquanto se discutia política!

A COVID NA SEGUNDA-FEIRA E A TORCIDA PELO SECRETÁRIO

O risco continua alto. Um dia, os números diminuem e são menos assustadores. No outro, medo de novo, por causa, principalmente, do aumento do casos de morte. No domingo, por exemplo, tivemos 426 novos registros de rondonienses afetados pelo coronavírus, atingindo 51.421 desde o início da pandemia, com 42.800 recuperados. Tivemos quatro mortes no boletim dominical, chegando, no total, a 1.065 óbitos registrados, dos quais 622, ou seja, 58,5 por cento, foram na Capital. Já no novo boletim da Sesau, o da segunda-feira, o de número 159, a baixa na estatística continuou, no total de novos casos (apenas 370) , embora tenha duplicado o número de mortos: oito (no domingo, nenhuma em Porto Velho; na segunda, apenas uma) e, no lado positivo, do total de 51.791 casos, 43.356  já estão recuperados. Temos hoje, no Estado, apenas 7.362 casos ativos. Enquanto isso, todos estamos na torcida pela recuperação dos familiares do secretário de saúde, Fernando Máximo. Seus pais e seu irmão, o cantor Cauã, estão internados. O pai e o irmão de Máximo estão na UTI e continuam correndo graves riscos. O próprio secretário da Sesau ainda está se recuperando da doença, depois de um longo período de internação.

PIMENTEL CONFIRMADO NO MDB

Dessa vez, paz, discursos de união, otimismo, quase uma confraternização. Foi esse o clima do encontro do diretório municipal do MDB, presidido pelo deputado estadual Jean Oliveira, que confirmou o nome de Willames Pimentel como o que o partido vai apresentar oficialmente em breve, em sua convenção, para disputar a Prefeitura de Porto Velho. Discursos de apoio foram proferidos por dois outros nomes que o partido tinha como possíveis candidatos, mas que abriram mão para que Pimentel fosse o escolhido. Tanto o ex desembargador e empresário Walter Waltenberg como o ex secretário de Planejamento do Estado, George Braga, deixaram claro que apoiarão integralmente o nome escolhido pelo partido. O presidente regional, Lúcio Mosquini, lembrou que encontros anteriores do partido traziam tristes recordações, mas que agora é um novo tempo de união. Destacou que a candidatura é um consenso dentro do partido. Pimentel falou sobre planos e em defesa da população da Capital. Será sua segunda tentativa de chegar à Prefeitura da sua cidade natal.

PRIMEIRA DAMA E LÍDER EMPRESARIAL NO PATRIOTAS

Uma união de grupos políticos, incluindo envolvendo nomes poderosos como os da primeira dama do Estado, Luana Rocha, está tornando mais forte a candidatura do jovem advogado Breno Mendes, já definido como o nome do Avante, partido presidido no Estado pelo deputado estadual Jair Montes, para concorrer à cadeira de Hildon Chaves. O Avante uniu-se ao Patriotas, cujo presidente regional é o também deputado Marcelo Cruz. Aparentemente, a aliança poderia não parecer ter tanta força, caso o cenário não envolvesse o Palácio Rio Madeira/CPA e um dos líderes do empresariado rondoniense. Tanto a primeira dama Luana Rocha, segundo fonte dos dois partidos aliados, quanto o empresário Chico Holanda, assinaram ficha com o Patriotas e  poderiam participar ativamente da campanha por Breno Mendes. Os dois aliados, até agora pouco mais do que partidos nanicos, querem agora um peixe maior: estão tentando cooptar o governador Marcos Rocha, que está sem partido. Além da presença da primeira dama, os aliados vão argumentar que o patriotas é um dos mais fortes aliados do presidente Bolsonaro. A costura já está sendo feita, inclusive com a participação de Jair Montes, que é o vice líder do governo na Assembleia.

CARAS NOVAS E AS CONHECIDAS: MAIS NOMES PARA A CÂMARA

Surgem cada vez mais nomes para disputar as 21 cadeiras da Câmara Municipal de Porto Velho. Alguns são novos na política, outros querem retornar a ela. É o caso, por exemplo, do ex vereador Sid Orleans, ex PT e hoje no Podemos, um dos campeões em apresentação de projetos quando foi vereador.  O advogado e criminalista Dr. Moisés Marinho, conhecido por sua participação como comentarista da Rádio Rondônia, é um dos caras novas que querem uma cadeira na Câmara. É o mesmo desejo do famoso apresentador da Rede TV!, Rosinaldo Guedes, que comanda um programa policial de grande audiência e começa a dar seus primeiros passos na política. Thiago de Moraes, o Thiagão, concorre pela terceira vez. Na última eleição municipal, superou os mil votos. Ele representa o bairro Floresta e, dessa vez, quer chegar lá! Outro pré candidato é Evaldo de Lima, o Evaldo da Agricultura, já foi secretário municipal e tem longa ficha de serviços prestados ao setor.  Em seu segundo mandato como conselheira tutelar, Patrícia Claros, outra com longo histórico de serviços prestados à coletividade, quer ser mais uma mulher na Câmara Municipal de Porto Velho. Além desses e dos que já foram divulgados, praticamente todos os atuais vereadores concorrerão à reeleição, assim como outros em torno de 400 candidatos. Se não forem bem mais...

NÃO É SÓ A PANDEMIA. O TRÂNSITO CONTINUA MATANDO

Enquanto a pandemia corre solta, há quem esqueça o que está acontecendo nas ruas, com as mortes – e muitas – por outras causas. O trânsito, por exemplo, continua matando. Tirando a vida de gente de todas as idades. Causando dramas e tragédias familiares. Como ocorreu neste final de semana, quando duas jovens de 23 anos, estudantes, morreram um acidente na BR 364, ao ultrapassarem um quebra-molas ( e eles existem nas nossas rodovias, por incrível que pareça!) e caíram, batendo violentamente com a cabeça. Os acidentes estúpidos, que tiram tantas vidas, continuam existindo em nossas vidas, embora só se fale no coronavírus. Outro caso triste envolveu a morte de mais um ciclista, atropelado e morto em Porto Velho. Dias atrás, no Espaço Alternativo, um ciclista foi morto durante um racha. Os envolvidos estão presos. Neste final de semana, foi na Jatuarana que um funcionário do Banco do Brasil, adepto do ciclismo, foi atropelado e morto. O trânsito continua desumano, desorganizado e todos devemos redobrar os cuidados. Não podemos permitir que, além da pandemia, tanta gente perca suas vidas nas ruas, avenidas e rodovias da nossa terra.

CHRISÓSTOMO DIZ QUE PRESIDENTE VIRÁ A PORTO VELHO

O deputado federal coronel Chrisóstomo, anda anunciando por onde anda que o presidente Jair Bolsonaro deve vir a Rondônia em breve, para uma rápida visita. O que se sabe é que o há uma vinda agendada do Chefe da Nação, mas apenas para o final do ano, quando ele estaria por aqui para entregar oficialmente a nova ponte sobre o rio Madeira, na Ponta do Abunã. As obras de acesso à ponte, do lado de cá do rio, que estão sendo feitas pela empresa rondoniense Madecon e devem ficar completamente concluídas até a primeira semana de dezembro. Ela, aliás, já deveria estar pronta há quase um ano, não fosse um defeito no projeto original, que ignorou os problemas no acesso, durante o período das cheias do rio Madeira. O deputado do PSL, contudo, tem dito que o Presidente virá antes disso. Por enquanto, o Palácio do Planalto nada confirma. A última vinda de Bolsonaro à Capital rondoniense foi na campanha eleitoral, quando uma grande multidão o recepcionou no aeroporto Jorge Teixeira.

BERTOLIN, O 18º NOME Á PREFEITURA DA CAPITAL

Já são, ao invés de 17, nada menos do que 18 pré candidatos à Prefeitura de Porto Velho. Faltou um nome na relação que foi divulgada nesse espaço, na edição do último domingo. Faltou citar o nome do ex secretário de Agricultura de Porto Velho, Leonel Bertolin. Ele já foi confirmado como pré candidato do PTB à Prefeitura da Capital, partido que tem, aliás, o vereador mais votado na Capital, há quatro anos atrás, Aleks Palitot. Além dele, os demais 17 pré candidatos são: Anderson Pereira, Pimenta de Rondônia, Edgar do Boi,  Mauro Nazif, Samuel Costa, Thiago Tezzari, Williames Pimentel, Lindomar Garçon, Cristiane Lopes, Vinicius Miguel, Ramon Cajuí, Fabrício Jurado, Breno Mendes, Coronel Ronaldo,  Eyder Brasil, Coronel Chrisóstomo e Rui Motta. As convenções partidárias começam a serem realizadas a partir do inicio de setembro. A campanha, na segunda quinzena do mês que vem. Até lá, ainda podem surgir outros candidatos.

PERGUNTINHA

Você acha correto o presidente da República ameaçar socar um jornalista que lhe questionou sobre ato suspeito em seu governo ou acha que ele deveria se controlar e responder o que lhe foi perguntado?

Fonte: 010 - sergio pires

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias