Quinta-Feira, 20 de Agosto de 2020 - 08:29 (Polícia)

L
LIVRE

Militar do DF que beijou namorado em formatura diz: “Me olham diferente”

O policial militar chegou a temer retaliações internas após a repercussão do caso.


Imprimir página

Será ouvido, nesta quinta-feira (20/8), pela Corregedoria-Geral da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), o soldado Henrique Harrison, 28 anos. Ele foi alvo de ataques homofóbicos proferidos por colegas de farda e oficiais após publicar foto em que aparece beijando o namorado durante sua formatura.

Esta é a primeira vez que o militar será ouvido na condição de vítima. A Corregedoria havia colhido o depoimento do soldado, na qualidade de informante, após a Câmara Legislativa do DF (CLDF) cobrar explicações do Comando-Geral da PMDF.

Em entrevista, Harrison relembra as dificuldades que passou após sofrer preconceito dentro da instituição. O soldado narra que os dias que sucederam os ataques foram carregados de incertezas e medo.

“Fiquei com muito medo, até recebi ameaça de morte em um dos áudios. Sentimento na época foi de muita insegurança. Não sabia onde eu ia trabalhar, com quem eu ia trabalhar”, conta.

O policial militar chegou a temer retaliações internas após a repercussão do caso. “Fui vítima de piadas, fiquei com muito medo. Tive que sair de todos os grupos de WhatsApp que fazia parte”.

Com o avanço do caso, o medo de Harrison logo deu lugar à necessidade de combater um mal ainda comum entre as forças de segurança: o preconceito.

“Vi que era uma causa que tinha que abraçar. Todo e qualquer tipo de carinho e afeto é permitido em nossa formatura. Muitos gays me procuraram após o episódio. São policiais que não postam foto com marido, com esposa, que não levam ninguém nas reuniões. Justamente pelo medo do preconceito”, diz o soldado.

De acordo com o militar, a realidade da corporação ainda é opressora e homofóbica. “É algo que está mudando, a cultura está mudando. Claro que não dá para generalizar. Mas, para mim, não basta ser igual aos outros: preciso me preocupar muito mais com as coisas que faço ou deixo de fazer, tudo para evitar condutas discriminatórias dos outros”.

Diante do medo e das dúvidas, Henrique recebeu importante apoio do comando do 1º Batalhão de Polícia Militar do DF, no Sudoeste, onde está lotado. “Preciso ressaltar que o major Kotama [comandante da unidade] sempre foi muito correto comigo. Me chamou para conversar e disse que poderia contar com ele. Sou muito grato a ele por isso”.

O caso

O que era para ser um gesto de carinho entre casais, registrado em foto durante a formatura de praças, ganhou as redes sociais em janeiro deste ano e foi alvo de comentários maldosos e críticas por parte de outros policiais e do deputado distrital Hermeto (MDB).

Um áudio atribuído a um coronel da corporação escancara críticas aos policiais que beijaram os companheiros do mesmo sexo trajando as fardas da corporação. “A porção terminal do intestino é deles e eles fazem o que quiserem”, ofendeu o militar.

Em um grupo de WhatsApp, Hermeto enviou outras críticas: “Minha corporação está se acabando. Meu Deus!!! São formandos de hoje. Na minha época, era expulso por pederastia”.

O parlamentar também disse, em outro grupo, que respeita a “preferência” de cada um, mas não concorda que policial fardado tenha esse comportamento.

Investigação

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) abriu uma investigação para apurar as declarações, consideradas homofóbicas, por meio do Núcleo de Enfrentamento à Discriminação. Foi instaurado procedimento para apurar e adotar as medidas cabíveis.

O depoimento de Henrique Harrison é um dos desdobramentos das apurações conduzidas pelo MPDFT e pela Corregedoria-Geral da PMDF.

Fonte: metropoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias