Quarta-Feira, 29 de Julho de 2020 - 21:13 (Colaboradores)

L
LIVRE

O batelão nosso de cada dia - Por Marquelino Santana

Se olharmos com a alma para a sua história poderemos enxergar muito mais do que pedaços de madeira fincados como cruzes no chão ribeirinho.


Imprimir página

Um velho Batelão descansa às margens do rio Abunã. Se olharmos com a alma para a sua história poderemos enxergar muito mais do que pedaços de madeira fincados como cruzes no chão ribeirinho. Foi nele que a mulher ribeirinha deu à luz sob o olhar atento da parteira.

O grito do filho da floresta e das águas ecoa ao vento, levando a sua voz ao longe e anunciando a chegada daquele que mais tarde ficará conhecido como o libertador da exploração e da dominação que o barracão exercia sobre o valente tapiri, ou sobre a devastação dos seringais nativos amazônicos.

O Batelão resiste no espaço e tempo, lugar do aconchego e da segurança. Lugar da refeição sagrada, temperada com o amor da mulher seringueira. No seu navegar não há preconceitos ou estereótipos, e sempre cabe mais um.

Na casa Batelão as tarefas são compartilhadas. As relações de gênero grudadas ao seu envolto são legítimos sinais de respeito às diferentes diferenças. Rio e floresta constituem um só corpo, homogêneo e heterogêneo ao mesmo tempo. Um imaculado corpo que nunca negou o pão aos habitantes do Batelão. Talvez por isso, os filhos da floresta, saibam como ninguém, da necessidade urgente de impedirem que a mãe terra seja cotidianamente despida de suas originárias vestes verdes.

O Batelão oferece a liberdade e aceita seus tradicionais navegantes vestirem uma roupa bem “engomada” e viajarem até os pequenos núcleos urbanos para venderem seus produtos, e fazerem algumas compras para suprir as necessidades do lar. Ancorado, o Batelão aguarda pacientemente seus integrantes retornarem.

Durante a safra da castanha o Batelão não descansa e está sempre carregado. É um dinheiro extra do ribeirinho para ajudar no orçamento familiar. A alegria da família é visível, pois nesta viagem está garantido uma muda de roupa nova, um brinquedo e até um aperitivo para transparecer as ideias.

Se a viagem for longa e o cansaço bater, nada melhor do que uma rede macia armada para aliviar as dores, alimentar o sono e acordar ativo antes do sol raiar. Amanhã será outro dia, a liberdade estará renovada e o bem viver estará preparado para receber os poemas dos modos de vida dos seringais.

E assim, longe das estigmatizações do mundo globalizado e do regime tácito da sociedade envolvente, nós vamos remando a vida sem provocar nenhuma mutilação identitária, diferente do olhar desenvolvimentista estatal que prefere o mais brutal etnocídio dos povos originários e tradicionais da floresta amazônica. Um modelo de desenvolvimento violentador do homem, da alma e da cultura, que insiste em hostilizar o Batelão nosso de cada dia.

Marquelino Santana é doutor em geografia e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas, Modos de Vida e Culturas Amazônicas – Gepcultura/Unir.

Fonte: News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias