Sexta-Feira, 24 de Julho de 2020 - 09:31 (Coronavírus)

L
LIVRE

De acordo com estudo brasileiro, Hidroxicloroquina é ineficaz contra covid-19

Uma pesquisa brasileira aponta que o uso da hidroxicloroquina, com ou sem a azitromicina, não apresentou “melhores resultados clínicos” dos pacientes diagnosticados com a covid-19.


Imprimir página

“Entre os pacientes hospitalizados com covid-19 leve a moderada, o uso de hidroxicloroquina, sozinha ou com azitromicina, não melhorou o estado clínico aos 15 dias, em comparação com os cuidados-padrão“, afirmam os autores.

O estudo desenvolvido pela coalizão formada pelos hospitais Albert Einstein, HCor e Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e Beneficência Portuguesa, pelo Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e pela Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

A pesquisa analisou 665 pacientes de 55 hospitais brasileiros. Tinham em torno dos 50 anos. Metade homens, metade mulheres. Dos avaliados, 40% eram hipertensos, 21% diabéticos e 17%, obesos.

Os pacientes foram divididos, por sorteio, em 3 grupos. O 1º grupo (217 pacientes) recebeu a hidroxicloroquina e azitromicina. Os pacientes do 2º grupo (221) foram medicados somente com a hidroxicloroquina. Os 227 pacientes do 3º grupo receberam o suporte clínico de costume, sem hidroxicloroquina nem azitromicina

Os 3 grupos apresentaram resultados semelhantes. Depois de 15 dias de tratamento, já estavam em casa sem limitações respiratórias 69% do 1º grupo; 64% do 2º grupo; e 68% do 3º grupo. A taxa de mortalidade também foi parecida, cerca de 3%.

Foram destacados 2 efeitos importantes. Os pacientes dos 2 grupos que receberam a hidroxicloroquina apresentaram alterações frequentes na análise dos exames de eletrocardiograma. Os pesquisadores relataram aumento do intervalo QT, condição associada ao risco de arritmias cardíacas.

Outra intercorrência foram alterações nos exames de sangue. Apresentaram aumento das enzimas TGO/TGP, o que pode evidenciar lesões hepáticas.

A etapa de acompanhamento foi realizada de 29 de março a 2 de junho. Os pacientes selecionados foram admitidos nos hospitais até 48 horas antes do início das pesquisas, com identificação dos primeiros sintomas até 1 semana antes.

Os medicamentos utilizados no estudo foram fornecidos pela farmacêutica EMS. A pesquisa foi aprovada pela Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa) e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“Nosso 1º estudo demonstrou que o uso de hidroxicloroquina sozinha ou associada com azitromicina não melhorou a evolução clínica de pacientes hospitalizados com quadros leves a moderados de covid-19“, destacou Otávio Berwanger, diretor da Academic Research Organization do Hospital Israelita Albert Einstein e integrante da coalizão Covid-19 Brasil.

“O trabalho em uníssono das instituições e dos pesquisadores foi fundamental para o sucesso da nossa iniciativa. Conseguimos mostrar ainda que é possível fazer pesquisa de qualidade no nosso país, mesmo no contexto de uma pandemia”, disse Luciano César Azevedo, pesquisador e superintendente do Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa.

Fonte: Sérgio Lima/Poder360

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias