Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020 - 14:09 (Agricultura)

L
LIVRE

Beneficiários do auxílio emergencial estão sendo vítimas de um golpe no aplicativo Caixa Tem.

Diversas vítimas só perceberam o ocorrido quando não havia quantia para sacar na agência da Caixa.


Imprimir página

Beneficiários do auxílio emergencial estão sendo vítimas de um golpe no aplicativo Caixa Tem. Fraudadores alteram dados pessoais no app e roubam o benefício, seja por mudança de conta ou por pagamento de um boleto.

Diversas vítimas só perceberam o ocorrido quando não havia quantia para sacar na agência da Caixa.

Veja, a seguir, como esse golpe acontece e o que você precisa fazer para evitá-lo.

Golpe do auxílio emergencial: como acontece?

Infelizmente, existem diferentes tipos de golpes focados na obtenção do auxílio emergencial.

Mas um deles está dando o que falar.

Acessando o aplicativo Caixa Tem dos beneficiários (onde é possível resgatar a quantia), criminosos conseguem roubar os valores do auxílio que estão parados nas contas virtuais.

Os golpistas acessam o aplicativo com o CPF e descobrem a senha do usuário – que muitas vezes é a própria data de aniversário.

Com o acesso liberado, eles trocam os dados cadastrais, como e-mail e número de telefone.

Em seguida, retiram a quantia pagando um boleto ou impossibilitam o usuário original a entrar no app.

O golpe acontece no intervalo de tempo entre o depósito do benefício no app e a data em que o saque é liberado.

Assim, pessoas que esperaram a data de saque tomaram um susto quando viram que não seria mais possível receber o benefício, já que ele havia sumido.

A Polícia Federal afirma que já está investigando as fraudes.

A Caixa envia todas as informações dos crimes para a PF assim que o usuário relata o problema.

Muitos usuários não sabem que caíram no golpe

O que facilita a existência de golpes como esse é a baixa segurança do aplicativo da Caixa Tem.

Trocar o e-mail ou o número de telefone é mais fácil do que deveria ser: o usuário somente deve informar o CPF a senha para editar o perfil.

Foi assim que os golpistas encontraram a brecha.

Golpe no Caixa Tem

Muitos beneficiários mal sabem que caíram no golpe, principalmente se estão esperando a data de saque da quantia.

Isso acontece porque a Caixa não envia um aviso ao usuário sobre a alteração no e-mail, número de celular ou senha.

Deste modo, pessoas só descobriram que haviam sido roubadas quando foram à agência da Caixa sacar o auxílio – já que não acessavam o app.

Como não cair no golpe do auxílio?

Cuidado nunca é demais – principalmente quando estamos falando do nosso dinheiro.

Para evitar que o golpe do auxílio aconteça com você, preste atenção nos seguintes passos:

Crie uma senha forte para o aplicativo do Caixa Tem. A senha deve ser composta de 6 números, então crie uma combinação criativa e evite a data do seu aniversário ou clichês como 123456 ou 000000.

Cuidado com os links que te enviam. A Caixa não envia links por mensagens de texto ou WhatsApp. Faça todas as alterações e movimentações que necessita diretamente no aplicativo ou site oficial do Auxílio.

Não forneça informações pessoais. Não forneça seus dados como senha ou CPF para ninguém – nem para contatos que “dizem” ser a Caixa. O banco não faz este tipo de solicitação.

Só use os canais oficiais da Caixa. Veja os links oficiais: site, aplicativo IOS, aplicativo Android.

Uma das únicas mensagens que o banco envia é o código de verificação (em número, não link) no começo do cadastro.

Caí no golpe do auxílio emergencial. E agora?

A Caixa afirma que quem caiu no golpe deve ir em uma agência física para formalizar a contestação do saque.

Se a fraude for comprovada, o beneficiário receberá o dinheiro de volta.

A Polícia Federal já está investigando os casos.

“Sempre que detectada suspeita de crime, a Polícia Federal é acionada e recebe todas as informações para as investigações e intervenções necessárias”, informa a Caixa em comunicado à imprensa.

Não é necessário ir até a polícia para fazer um boletim de ocorrência, já que a Caixa que faz a ponte entre o beneficiário e a investigação.

Fonte: Azulis

Fonte: Azulis

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias