Quarta-Feira, 08 de Julho de 2020 - 21:14 (Colaboradores)

L
LIVRE

Santo Antônio Energia ainda é obrigada a construir 8 km de ferrovia de Porto Velho à Vila Santo Antônio

O grupo recebeu do Governo Federal autorização para construir hidrelétrica no Rio Madeira.


Imprimir página

Porto Velho, RONDÔNIA – Foi de autoria da Procuradoria da República no Estado de Rondônia, a recomendação para que a Hidrelétrica Santo Antônio tivesse a licença ambiental suspensa por descumprimento de decisão judicial.

O grupo recebeu do Governo Federal autorização para construir hidrelétrica no Rio Madeira. A concessão obrigou a Santo Antônio Energia a compensar populações tradicionais, a Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM) e a recuperar áreas de supressão vegetal no entorno das comunidades afetadas pelo empreendimento.

Veja também:
Tombado, complexo ferroviário dará lugar a lojas, bares e restaurantes em meio a desmontes da EFMM

Por conta disso, em virtude do não cumprimento de decisão judicial nesse sentido, a Procuradora da República, Gisele Bleggi, em março de 2017, recomendou ao então Superintendente Estadual do IBAMA, Carlos Alberto Paraguassu Chaves, a suspensão do licenciamento.

O Grupo Santo Antônio Energia, segundo informações e documentos obtidos pela reportagem de o NEWSRONDÔNIA junto a fontes independentes, ‘à época, não apresentou três projetos de revitalização da centenária Estrada de Ferro Madeira Mamoré e por não iniciar, em tempo hábil, as obras de revitalização e não (DES) construir empreendimentos’.

A Procuradoria da República, no período do descumprimento por parte da Construtora Santo Antônio Energia (CSA-E), após protestos que chegaram à Justiça Estadual e Federal atribuídos a ferroviários e, especificamente à Associação de Preservação do Patrimônio e Amigos da Madeira Mamoré (AMMA), exigiu, pessoalmente, a Carlos Paraguassu, a suspensão do licenciamento ambiental do empreendimento.

A construtora, em Rondônia, segundo dados da Justiça Federal do Paraná, é o principal braço da Empreiteira Odebrecht no Estado de Rondônia investigada na Operação Lava Jato, ainda é obrigada a revitalizar dos bens que ainda restam do patrimônio da secular ‘Ferrovia do Diabo’.

De acordo ainda com relatos e apelações atribuídos à AMMA, inclusive, ao Presidente Jair Bolsonaro, que acionou a Polícia Federal para que o informasse sobre a situação, mesmos tendo  (de 60 dias + multas), passado o prazo dado pela Justiça, a totalidade das obras, como a construção de oito quilômetros de ferro (retomada de trilhos, pontos de sinalização, estações, cemitério às locomotivas, um Centro Temático em homenagem aos ferroviários e outros).

XICO NERY 

Fonte: Xico Nery - NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias