Sabado, 04 de Julho de 2020 - 10:23 (Política)

L
LIVRE

Senadores e deputados do Podemos criticam PL das Fake News

O líder na Câmara, deputado Léo Moraes, adverte que a tentativa de criar uma legislação para punir propagadores de notícias falsas pode criar restrições à liberdade de expressão e promover censura nas redes.


Imprimir página

Parlamentares do Podemos criticam o PL das Fake News aprovado no Senado Federa, nesta semana. Para deputados e senadores do partido, o tema deveria ter sido "amplamente" discutido com a sociedade brasileira e especialistas, e não votado de maneira "açodada" como aconteceu.

"Não tivemos a possibilidade de realizar audiências públicas, de aprimorar, na Comissão de Constituição e Justiça, a técnica legislativa e aspectos de juridicidade, para oferecermos à sociedade uma legislação sem riscos em relação à liberdade de expressão, evitando a exclusão digital, o avanço sobre a privacidade de milhões de brasileiros, ameaças ao desenvolvimento econômico e à inovação", alerta o líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias.

O líder na Câmara, deputado Léo Moraes, adverte que a tentativa de criar uma legislação para punir propagadores de notícias falsas pode criar restrições à liberdade de expressão e promover censura nas redes.

"Sou contrário a esse projeto. É uma linha muito tênue entre punir com rigor os propagadores de notícias falsas e censurar. Em defesa da democracia, temos que permitir a liberdade. É temeroso ter um debate açodado, que parece mais casuísmo, ou até mais que isso vingança", critica o deputado.

Pelo projeto, empresas poderão solicitar dados para identificação do usuários e terão que cancelar contas nas redes sociais quando a linha telefônica usada para registro for desabilitada. O texto obriga ainda que empresas armazenem por três meses os registros de mensagens encaminhadas em massa.

De acordo com o senador Lasier Martins (RS), o texto "interfere na rotina e nos direitos de mais de 170 milhões de cidadãos que utilizam a internet no país". Ele espera que o projeto seja barrado na Câmara dos Deputados.

"O texto aprovado traz riscos à liberdade de expressão e à privacidade dos usuários das redes sociais. Espero que a Câmara só o vote quando o Congresso estiver trabalhando presencialmente, após ouvir especialistas e promover amplo debate com a sociedade", argumenta Lasier Martins.

O senador Styvenson Valentim (RN) também critica a falta de debate sobre o projeto.

"Tenho a certeza de que esse assunto teria de ser discutido, não somente entre os senadores, mas também com a população e as outras partes envolvidas. Tinha de ser exaustivamente avaliado, para não se cometer nenhum erro ou nebulosidade em relação a uma legislação que pode colocar em risco uma das independências que a população brasileira e mundial tem".

Resistências na Câmara

Após ser aprovado pelos senadores por 44 votos favoráveis e 32 contrários, a matéria segue agora para a Câmara. Na avaliação dos deputados, o projeto terá mais resistências do que no Senado.

O deputado federal José Medeiros (MT) diz que a aprovação do PL das Fake News no Senado é "uma mancha na imagem do Brasil", e acredita que a proposta seja reprovada na Câmara.

"Vamos corrigir isso", garante Medeiros.

Para o deputado Diego Garcia (PR), o projeto aprovado deveria receber o nome de "PL da Censura". Ele também confia em um resultado diferente.

"Grandes empresas como Twitter, Facebook e WhatsApp se manifestaram contra a proposta e pediram atenção aos deputados. Acredito que conseguiremos inverter esse resultado aqui na Câmara dos Deputados. Seguimos na luta", reforça o parlamentar.

O senador Eduardo Girão (CE) acredita na pressão sobre os deputados para que o PL das Fake News seja derrotado.

"Perdemos uma partida, mas não o campeonato em favor da liberdade de expressão. A sociedade precisa sensibilizar os seus deputados federais. O interesse de alguns, que querem que não falem deles na eleição de 2020, não pode ser superior aos milhões de brasileiros que usam a internet e podem ter seus direitos limitados. Não podemos perder tempo. Contate o seu parlamentar na Câmara e cobre que ele vote não ao PL das notícias falsas", recomenda o senador.

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Fonte: podemos

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias