Domingo, 21 de Junho de 2020 - 10:26 (Colaboradores)

L
LIVRE

Silvio Santos realiza live – Cem Anos de Boi Bumbá em Porto Velho

Silvio vai contar e cantar a história da brincadeira em terras rondonienses durante aproximadamente Uma Hora e Meia, na live que será apresentada diretamente de sua residência, no bairro Caladinho.


Imprimir página

Na próxima quarta-feira dia 24, dia de São João, o folclorista Amo do Boi Bumbá Corre Campo de Porto Velho Silvio M. Santos, vai promover uma live, em comemoração ao Centenário da Brincadeira de Boi Bumbá em Porto Velho.

Silvio vai contar e cantar a história da brincadeira em terras rondonienses durante aproximadamente Uma Hora e Meia, na live que será apresentada diretamente de sua residência, no bairro Caladinho.

A história da Brincadeira em Porto Velho

A brincadeira de Boi Bumbá em terras que hoje pertencem ao município de Porto Velho, de acordo com nossas pesquisas, chegou a Porto Velho no ano de 1920, quando jovens da Vila de Santo Antônio publicaram no jornal O Alto Madeira, nota convidando a população para assistir à apresentação do Boi Bumbá "Sete Estrelas" na noite de São João daquele ano. "Há exatamente cem anos", lembra Silvio.

Em 2000 quando a brincadeira completou 80 anos em Rondônia, o Corre Campo cantou no Flor do Maracujá a toada de Silvio Santos cuja letra diz o seguinte:

"A brincadeira de Boi Bumbá, está completando em Rondônia, seus 80 anos/E o Boi Corre Campo na arena veio festejar, há, há, há, há, há.1920, o Alto Madeira publicou; Hoje tem folguedo, é noite de São João; na Vila de Santo Antônio, Boi Sete Estrela, faz sua apresentação..."

A partir de 1921, a brincadeira tomou conta da cidade de Porto Velho durante as festas juninas então, surgiram vários grupos, como o Boi Prata Fina (1921) e muitos outros, no decorrer desses anos todos: Garantido, Caprichoso, Rei do Campo, Pai do Campo, Brilhamante, Malhadinho, Flor do Campo, Corre Campo, Tira Teima e mais recentemente o Az de Ouro, Diamante Negro, Manhoso, Marronzinho, Estrela de Fogo além dos chamados Bois Mirins.

Do Fundo do Baú

No tempo que televisão era só para rico, quando nem se sonhava com a Internet e principalmente com as chamadas redes sociais; nas festas juninas em Porto Velho, principalmente na véspera e dia de São João, as fogueiras e os rojões pipocavam pelos quatro cantos da cidade.

Até meados da década 1970, a brincadeira mais popular nas festas juninas era a dança do Boi Bumbá.

Os comerciantes e os empresários mais abastados contratavam grupos de bois bumbás, para dançar em frente suas residências.

Naquele tempo, praticamente todas as casas de Porto Velho tinha quintal e ali se acendia a fogueira e convidava o boi bumbá para se apresentar.

Já nos arraiais dos clubes sociais como Ypiranga, Bancrévea, Guaporé, Danúbio Azul e Imperial, quem se apresentava, eram os grupos de quadrilhas, formados em sua maioria, com os sócios presentes à festa.

Na década de 1960 o proprietário do Serviço de Alto Falante "A Voz da Cidade" senhor Fuad Nagib em parceria com o radialista e sócio Humberto Amorim realizava na Avenida Sete de Setembro, o "Festival Folclórico" com a participação apenas dos grupos de bois bumbas.

Os grandes rivais entre os bumbas, eram o Flor do Campo de Luiz Amaral e o Corre Campo do Galego.

Tinha uma tradição, todos os bois antes desse festival, se apresentavam em frente à casa do Governador (hoje Memorial Jorge Teixeira).

O amo do boi bumbá Flor do Campo Augusto Queixada certa vez, cantou em frente à residência do governador, os versos em ritmo de toada:

"Eu queria essa beleza, pra ser um homem educado! Eu queria dar um viva ao governador do estado".

Quando o Brasil foi Tri Campeão do Mundo em 1970 a toada foi:

"Brasil tri campeão do mundo, Brasil no futebol é o melhor, assim acontece em Rondônia, no festival boi Flor do Campo é o maior".

O grande festival de dança de quadrilha acontecia nas quadras dos colégios.

O mais famoso arraial entre os colégios, que naquele tempo eram chamados de "Grupo Escolar", era o do Grupo Escolar Barão do Solimões.

Em meados da década de 1970, a brincadeira de boi bumbá, em virtude de muitas brigas entres integrantes de grupos rivais, foi proibida, ficando apenas o bumbá "Malhadinho" que ensaiava na rua Princesa Isabel com a Joaquim Nabuco no bairro Tucumanzal.

Foi justamente com a intenção de se resgatar a brincadeira de boi bumbá em Porto Velho, que em 1982, a equipe de cultura da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo - SECET resolveu realizar na quadra do colégio Rio Branco a 1ª Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás do Estado de Rondônia que a partir de 1983 ficou conhecida como Arraial Flor do Maracujá.

Fonte: Zé Katraca - NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias