Quinta-Feira, 04 de Junho de 2020 - 12:20 (Coronavírus)

L
LIVRE

COLAPSO NO RN: 'ELA VAI ENTRAR AQUI PARA MORRER', DIZ MÉDICA

A ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para os casos grave da infecção está em 95% na Região Metropolitana de Natal, composta por 15 municípios e quase 1,7 milhão de habitantes


Imprimir página

"Não tenho o que fazer. Ela vai entrar aqui para morrer". As frases ditas por uma médica na porta de entrada da Urgência e Emergência do Hospital Municipal Belarmina Monte, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal, comprovam a situação dramática dos pacientes graves com suspeita ou confirmação de coronavírus no Rio Grande do Norte. A ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para os casos grave da infecção está em 95% na Região Metropolitana de Natal, composta por 15 municípios e quase 1,7 milhão de habitantes.

Febre alta, dificuldade para respirar e a agudização do diabetes fizeram a família da aposentada Iraci Fonseca Salviano, de 84 anos, acionarem o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) no início da manhã de quarta-feira, 3, em São Gonçalo do Amarante, cidade vizinha a capital. Com todos os sintomas de covid-19, a idosa foi socorrida pelo Samu e levada a uma outra cidade, Macaíba, onde fica a Base de Apoio do Samu Metropolitano, para que ela fosse colocada numa Unidade de Suporte Avançado (USA), que é uma ambulância com os equipamentos para pacientes em estado grave, incluindo respirador mecânico.

Após a troca de ambulância, a idosa precisou ser entubada, ainda na Base de Apoio do Samu, em decorrência do agravamento do quadro clínico. Estabilizada, a equipe de socorristas iniciou a viagem de volta ao município de São Gonçalo do Amarante, com destino ao Hospital Municipal Belarmina Monte. Foi lá que o drama da família Fonseca Salviano se tornou uma via crucis. Ao chegarem ao local, os familiares se depararam com uma unidade hospitalar lotada. O acesso da idosa foi negado por uma médica plantonista.

"Não tenho onde colocar. Leve para o Giselda (Hospital Giselda Trigueiro), leve para uma UPA. O que eu vou fazer, pelo amor de Deus? A senhora quer subir para ver? Ela vai entrar aqui para morrer. Não tenho o que fazer. Eu não posso receber", repetia a médica plantonista aos socorristas do Samu e aos filhos da idosa entubada e que esperava há quase cinco horas por internação.

Em um vídeo gravado por Luciana Fonseca, filha de Iraci Fonseca Salviano, é possível ver a médica no estacionamento do hospital, com a porta da ambulância aberta, enfermeiros e médicos paramentados e tentando convencê-la de que a internação era necessária e urgente. A médica dizia, porém, que não havia espaço e chamou Luciana Fonseca para entrar no hospital e visualizar a situação dos leitos de enfermaria e UTIs, lotados. A médica que fez as declarações não foi localizada para comentar o caso.

"Onde eu vou colocar sua mãe? É um desespero para nós. Não é má vontade. A gente não tem onde botar", disse a médica após mostrar os ambientes lotados à filha da idosa. Desesperada, Luciana Fonseca ameaçou chamar a Polícia, o Conselho Regional de Medicina e o Ministério Público para intermediar a situação. "Foi somente depois de afirmar que chamaria esses órgãos, que a assistente social do hospital disse que conseguiria um leito, mas que não seria de UTI", afirma Luciana Fonseca.

Após quase seis horas de espera, a paciente deu entrada no hospital e foi colocada numa ala destinada aos pacientes suspeitos e confirmados para a covid-19. Aliviada por ter conseguido internar a mãe, Luciana disse que voltou para casa com um misto de sentimentos. "Alívio pela internação, mas uma angústia por não ter mais notícias. A gente se sente impotente", relata.

Luciana suspeita que a mãe tenha sido infectada pelo novo coronavírus dentro da própria casa. "Eu testei positivo para a doença. Recebi meu resultado ontem e deu positivo. Eu cuido dela todos os dias. Ela pode ter pego de mim", lamenta.

O município de São Gonçalo do Amarante, um dos maiores da Grande Natal e onde está localizado o Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, não dispõe de uma Unidade de Pronto Atendimento. O Hospital Municipal Belarmina Monte é administrado uma instituição filantrópica e, nos últimos dias, recebeu reforço de nove leitos.

Em nota, a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante informou que o hospital está com 12 pacientes internados na ala destinada aos casos de covid-19. A unidade conta com quatro respiradores mecânicos. Sobre a paciente que teve o atendimento inicialmente negado, a assessoria detalhou que ela está "estável, entubada, com ventilador mecânico" e que fará o teste para a covid-19 nas próximas horas.

POR ESTADAO CONTEUDO

Fonte: noticias ao minuto

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias