News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Domingo, 20 de Junho de 2021

Livre

TCU VAI FISCALIZAR AÇÕES DA AGÊNCIA NACIONAL DE MINERAÇÃO APÓS DESASTRE DE BRUMADINHO

Ministros do TCU aprovaram a abertura de processo para avaliar providências adotadas pela Agência Nacional de Mineração em relação ao desastre. Tribunal alerta para falta de recursos da autarquia.
Quarta-Feira, 30 de Janeiro de 2019 - 16:11

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta-feira (30) a abertura de um processo para investigar providências já adotadas e avaliar as que ainda serão tomadas pela Agência Nacional de Mineração (ANM) com o objetivo de apurar causas e responsabilidades pelo rompimento da barragem de rejeitos da Vale, em Brumadinho (MG).

Na semana passada, o rompimento da barragem da mineradora levou uma enxurrada de lama à região. Até a tarde desta quarta-feira, as autoridades locais já haviam confirmado a morte de 84 pessoas. Outras 276 estavam desaparecidas.

Segundo o ministro, o processo vai apurar ainda o que está sendo feito pela ANM para “mitigar os danos gerados e evitar a ocorrência de novos incidentes graves em barragens de rejeitos”.

Durante a sessão que aprovou a abertura do processo, Múcio afirmou que desde 2011 o tribunal tem verificado “limitações significativas na estrutura orçamentária, financeira e de recursos humanos da autarquia que podem impactar o desempenho do órgão fiscalizador minerário”.

A ANM sucedeu o antigo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) – a diretoria da agência foi empossada em dezembro.

Segundo ele, auditoria do TCU constatou, por exemplo, que as despesas discricionárias previstas para o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) sofreram declínio progressivo do total autorizado desde 2010.

“Além disso, o DNPM contava com quadro técnico insuficiente diante da demanda de trabalho e percentual elevado de servidores aptos a se aposentar. A Superintendência de Minas Gerais, conforme um estudo promovido, contava com 79 servidores, enquanto seriam necessários 384 para atender aquela unidade”, afirmou o ministro.

Em 2016, após o rompimento da barragem em Mariana (MG), uma auditoria do TCU apontou que a atuação do então Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), responsável pela fiscalização das barragens do país, foi "frágil e deficiente", não sendo suficiente, desse modo, para impedir a tragédia.

FGTS

Durante a sessão desta quarta-feira, o ministro Raimundo Carreiro chegou a propor que o tribunal pedisse explicações ao Ministério da Economia e à Casa Civil sobre a liberação pela Caixa Econômica Federal do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para as vítimas do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG). A proposta do ministro, no entanto, não foi aprovada pelo plenário.

Carreiro pedia aos ministérios, que apontassem os fundamentos usados para classificar o rompimento de barragens como desastre natural. Para o ministro, o saque não poderia ser feito já que o rompimento da barragem não é um desastre natural, mas um desastre provocado pela Vale.

“Eu indago se é justo uma empresa como a Vale provocar um desastre desse, destruindo vidas, patrimônios e o meio ambiente e o trabalhador, com a sua poupança, arcar com essa responsabilidade. Essa responsabilidade não é do trabalhador é da empresa que provocou”, afirmou.

Ao questionar a comunicação, o ministro Benjamin Zymler afirmou que a autorização para o saque é uma medida paliativa e que o saque não isenta a Vale de indenizar as vítimas, mas que o questionamento do TCU atrasaria a liberação.

“Algum gestor, em sã consciência, vai liberar o FGTS após um questionamento do TCU? Quanto tempo vamos demorar para tratar da legalidade? Enquanto isso as pessoas vão ficar sem o dinheiro”, questionou.

Na segunda-feira, a Caixa Econômica Federal informou que vai liberar o saque para os moradores de Brumadinho que tiverem saldo em conta do FGTS.

A liberação, contudo, ainda depende de as autoridades locais delimitarem a área atingida pela lama.

De acordo com a Caixa, serão liberados até R$ 6.220 a cada morador da área atingida que tenha saldo no FGTS.

Uma lei sancionada em 2004 permite o saque em casos de necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorra de desastre natural.

Fonte - 010 - msn

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.