News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Domingo, 18 de Abril de 2021

Livre

ESTRUTURA FLUTUANTE PARA MANEJO DE JACARÉS CHEGA ATÉ COMUNIDADE RIBEIRINHA NA AMAZÔNIA

Tecnologia desenvolvida pelo Instituto Mamirauá foi levada para comunidade em reserva no Amazonas. Manejo e comercialização de jacarés na região está prevista para o ano que vem
Segunda-Feira, 17 de Setembro de 2018 - 14:41

Uma equipe do Instituto Mamirauá acompanhou, no início de setembro, a chegada da Planta de Abate Remoto (PLANTAR) à comunidade de São Raimundo do Jarauá, na Reserva Mamirauá, localizada no estado do Amazonas. A estrutura é um abatedouro flutuante projetado por uma equipe multidisciplinar do instituto para viabilizar o manejo de jacarés na região, conforme as disposições sanitárias brasileiras. A construção dessa estrutura só foi viável graças ao apoio da Fundação Gordon and Betty Moore.

Confira cenas da chegada do flutuante na comunidade ribeirinha:

O projeto surgiu em resposta ao interesse de populações tradicionais e do governo estadual e dos pesquisadores do IDSM, para a implementação de um sistema comunitário de aproveitamento de jacarés, como uma estratégia de manejo e conservação dos animais. Pensando nas particularidades dos rios da Amazônia, o Instituto Mamirauá projetou uma estrutura que atendesse, ao mesmo tempo, as condições logísticas e sanitárias para o abate. A estrutura se caracteriza pelo baixo impacto ambiental graças à implementação de tecnologias sustentáveis de baixo custo ambiental. 

O PLANTAR saiu na quarta-feira (5) da cidade de Tefé (AM) onde foi construído, e chegou à comunidade na manhã da sexta-feira (7). A estrutura pertence ao Instituto Mamirauá, e será utilizada pela Associação de Produtores do Setor Jarauá (APSJ), em acordo estabelecido por Termo de Cooperação Técnica entre ambas instituições.

Conheça o Plantar, tecnologia que vai tornar realidade o manejo sustentável

Com 112 m² de área, feita de metal, o PLANTAR é um abatedouro flutuante desenhado para realizar o abate de jacarés e pré-beneficiamento da sua carne. A estrutura conta com a utilização de energia solar e tecnologia para a captação da água da chuva. Se necessário, a base está aparelhada para recolher e tratar também a água do rio, garantindo os parâmetros sanitários. Os efluentes provenientes da atividade também serão devidamente tratados.

A estrutura irá auxiliar no processo de manejo e ajudar bastante as comunidades. É uma estrutura experimental e a ideia é conseguir replicar essa estrutura com tecnologias que sejam mais acessíveis", explica Barthira Rezende, pesquisadora do

Programa de Pesquisa em Conservação e Manejo de Jacarés. O Instituto Mamirauá é uma unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Também participaram da entrega do PLANTAR João Paulo Borges Pedro, Responsável Técnico pelo Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais, e Paula Araujo, médica veterinária Responsável Técnica pela PLANTAR.

O que é o manejo de jacarés?

Parece difícil de acreditar, mas a comercialização de forma sustentável da carne de jacarés pode ajudar a conservar as espécies na Amazônia. Além de gerar uma fonte de renda alternativa para as comunidades, a atividade tem o potencial de engajar as pessoas que vivem próximas aos jacarés amazônicos na causa da conservação das espécies.

O uso de jacarés é uma atividade tradicional na região amazônica. Com um histórico recente de exploração das espécies de jacarés amazônicos com início na década de 1950 até o final da década de 1970. Nos anos de 1980 o jacaré-açu chegou a ser considerado ameaçado de extinção, mas pesquisas mais recentes apresentaram um panorama diferente.

A viabilidade dessa atividade em áreas remotas só será possível com a utilização de um modelo de estrutura que supra as exigências legais e as necessidades locais para realização do manejo" relata Barthira

O abate será realizado no setor Jarauá, próximo à comunidade São Raimundo do Jarauá, pelos membros da Associação de Produtores do Setor Jarauá. O local foi escolhido por ter um histórico de abates experimentais, e o envolvimento da população ribeirinha nas atividades de monitoramento das áreas de reprodução, além de uma série de levantamentos populacionais de jacarés, incluindo o mais recente, realizado ano passado. Os dados recolhidos ao longo do tempo criam uma base sólida para que o manejo seja realizado.

A comunidade é empolgada. A gente sempre teve uma resposta muito boa da parte deles, então isso é uma coisa que nos motiva, porque os beneficiários são os comunitários, então é um trabalho de equipe: o instituto como assistência técnica e os comunitários como beneficiários. ", conta a pesquisadora.

O PLANTAR recebeu, em junho, a licença de operação ambiental pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) e agora aguarda o laudo sanitário da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Amazonas (ADAF). Os pedidos de autorização para o manejo ainda serão realizados junto à Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Amazonas, conforme a resolução nº 008 / 2011 do Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Amazonas (CEMAAM).

Fonte - 018 - ascom@mamiraua

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.