Segunda-Feira, 19 de Março de 2018 - 09:06 (Artigos)

L
LIVRE

AGRICULTURA FAMILIAR: O CARRO-CHEFE DA ECONOMIA – POR LEONEL BERTOLIN

Em Porto Velho, a gestão atual, de forma assemelhada e para complicar ainda mais a situação do pequeno agricultor, resolveu fazer a fusão da Semagric com a Sema (Meio Ambiente).


Imprimir página

Atualmente com 28 ministérios e tendo o Governo Temer, há pouco mais de um ano, extinguido o Ministério do Desenvolvimento Agrário, pasta voltada para os direitos da agricultura familiar, substituindo-o pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), percebe-se nitidamente que o investimento em agricultura está diminuindo. Essa fusão não surtiu efeito. Não o esperado.

Em Porto Velho, a gestão atual, de forma assemelhada e para complicar ainda mais a situação do pequeno agricultor, resolveu fazer a fusão da Semagric com a Sema (Meio Ambiente), cujas competências são diferentes e o corpo técnico também. Operou-se uma deliberação típica de gabinete em detrimento da realidade do campo.

Sabe-se que a agricultura familiar, desenvolvida por pequenos e médios produtores, representa 86% da produção de alimentos no Estado de Rondônia e 70% dos alimentos consumidos no Brasil, sendo, portanto, a base da cadeia alimentar. E cabe ao governo reunir esforços para amparar esse setor, por meio de programas de mecanização agrícola (destoca e gradagem), construção de tanques para piscicultura, tanque de tratamento e resfriamento do leite, escoamento da produção, recuperação das estradas vicinais, enfim, são muitas ações.

A Rondônia Rural Show que é a nossa maior vitrine comercial agrícola, hoje com expansão internacional, tem ajudado muito o produtor no acesso à tecnologia. Aqui em Porto Velho, nós criamos a Portoagro, que foi um sucesso durante 02 anos, movimentando a economia local e ao mesmo tempo proporcionando lazer ao cidadão. É uma pena, que a gestão atual não deu continuidade.

O nosso Estado de Rondônia, é um dos mais prósperos e produtivos do país, por causa da agricultura, por causa da nossa produção agrícola, que é o carro-chefe. O café, por exemplo, é líder de produção na Região Norte, sendo o 5º maior do Brasil. Sem falar na qualidade da nossa carne bovina, suína e o frango, que são destaques no âmbito nacional.

Enfim, para se ter um amanhã melhor, temos que planejar, o hoje. E implementar, sem interrupções, o que está planejado. Fizemos um trabalho sério e dedicado em Porto Velho durante 04 anos, por meio de várias ações. O orçamento que era de 5 milhões, foi entregue com 24 milhões. Fizemos a recuperação das estradas vicinais, construção de pontes, abertura de frigoríficos, compra de 182 máquinas (tratores e caminhões), tudo isso, voltado para o agricultor. Esse investimento, portanto, foi feito para atender todas as demandas rurais que estava suprimidas e consequentemente o próprio cidadão, que precisa de alimentos saudáveis, devidamente inspecionados.

Planejamos e executamos. E podemos muito mais. Temos matéria-prima para isso.

Forte Abraço

 

Leonel Bertolin – É formado em Direito. Foi Diretor Operacional do Porto/SOPH (2010-2012) e Secretário Municipal de Agricultura de Porto Velho (2013-2017).

Fonte: 012 - Leonel Bertolin

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias