Quinta-Feira, 15 de Março de 2018 - 14:44 (Política)

L
LIVRE

LÉO MORAES SE POSICIONA SOBRE REPORTAGEM EM REDE NACIONAL MOSTRANDO SITUAÇÃO PRECÁRIA DE PRESÍDIO FEMININO DA CAPITAL

O Deputado Estadual Léo Moraes, por várias vezes, já se manifestou em relação ao sistema prisional de Rondônia.


Imprimir página

O Presídio Feminino de Rondônia foi destaque ontem no Jornal Nacional, exibido pela Rede Globo de Televisão. A reportagem mostra um vídeo gravado por um agente penitenciário, onde centenas de ratazanas invadem o local, segundo as detentas, até mordidas dos roedores algumas mulheres já sofreram.

A situação da penitenciária é crítica. O Deputado Estadual Léo Moraes, por várias vezes, já se manifestou em relação ao sistema prisional de Rondônia. 

“Na qualidade de deputado estadual, é de minha responsabilidade fiscalizar e cobrar por melhorias em todos os setores do nosso estado e no sistema prisional não é diferente. Por isso, realizei diversas vistoriais pelos presídios da capital onde foi constatado o caos nas unidades prisionais. Apesar da Secretaria de Justiça falar que os projetos e as mudanças estão em andamento, nada está sendo feito há tempos.” Relatou o parlamentar

Léo conta que na vistoria foi impedido de fotografar no interior do presídio, mas o que viu foi devastador. De acordo com o deputado, diversas irregularidades como grades quebradas, falta de água, esgoto estourado, péssimas condições de trabalho e déficit de efetivo são algumas das falhas do sistema prisional do estado.

“Além da péssima estrutura dos prédios, os agentes penitenciários sofrem com a carga excessiva de trabalho e com a situação de insalubridade nas penitenciárias. Sou defensor dos concursados aprovados e não vejo sentido algum o executivo ainda estudar a possibilidade de contratação de servidores emergenciais, sendo que há centenas de concursados aprovados esperando o chamamento. Já está mais que explícito que o sistema prisional e a segurança pública precisam de mais profissionais.” Constatou deputado.

Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários e Socieducadores do Estado de Rondônia (Singeperon) o presídio feminino de Porto Velho comporta atualmente cerca de 130 presas, mas só tem capacidade para receber 79 mulheres. Após a repercussão em rede nacional das péssimas condições da unidade prisional, a Justiça de Rondônia pediu a interdição do local e que as detentas sejam transferidas em até 48 horas.

“É interessante ver a repercussão negativa do nosso estado, sendo que a Sejus passa a impressão de que está tudo bem. Quem conhece meu trabalho, sabe que nunca fui omisso e sempre lutei por esta causa e nas vezes que me posicionei e expus minhas ideias, fui criticado. Agora a realidade está vindo à tona. É preciso mostrar competência perante nossa população e valorizar os servidores.” Concluiu Léo.

Fonte: 015 - Assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias