Quinta-Feira, 15 de Março de 2018 - 11:46 (Colaboradores)

L
LIVRE

RECORDE DE CANDIDATOS - POR CARLOS SPERANÇA

Certamente nem todos os listados serão candidatos. No afunilamento das coisas, que acontecerá nas convenções de julho, teremos uma considerável redução.


Imprimir página

Nunca na história deste País contamos com tantos candidatos à Presidência da República, e pelo menos três mulheres nesta contenda. Lembrando que foram 22 cogitados na eleição que levou Collor de Melo ao Palácio do Planalto, ao final da década de 90.

Vejam uma lista de possíveis pretendentes já perto dos 20:

1-Álvaro Dias (Podemos)
2-Beto Albuquerque (PSB)
3-Celso Nonato (PV)
4-Ciro Gomes (PDT)
5-Cristovam Buarque (PPS)
6-Jair Bolsonaro (PSL)
7- Fernando Collor (PTC)
8-Geraldo Alckmin (PSDB)
9-Henrique Meirelles (PSD)
10-João Moledo (Novo)
11-Luciano Hulk (sem partido)
12-Lula da Silva (PT)
13- Marina Silva (Rede)
14-Michel Temer (MDB)
15-Paulo Rabelo de Castro (PSC)
16-Valéria Monteiro (PMN)
17-Bolos (Psol)
18-Manuela D’Avila (PC do B)
19-José Maria Eymael (PSDC),
20-Levy Fidelix (PRTB)
21-Joaquim Barbosa (PSB).
E vem aí mais gente…

Certamente nem todos os listados serão candidatos. No afunilamento das coisas, que acontecerá nas convenções de julho, teremos uma considerável redução. Ocorre que alguns nomes postos estão aí para negociar candidaturas de vices, ao Senado, controles partidários, etc.

Pesquisa reveladora

A pesquisa do Ibope mostrando os três partidos mais preferidos no País é reveladora: são justamente eles, o PT, o MDB e o PSDB as legendas com mais corruptos denunciados nos últimos anos.

Se todos que admitem sua preferência votarem nestas agremiações em outubro, o Brasil terá poucas chances de mudar. Pelo contrário, provará que a Nação gosta de corruptos, uma das heranças deixadas pelos portugueses e tão disseminada.

É estarrecedor

Como definiu o colega da redação, Zé Luís, a situação dos cargos eletivos no País é estarrecedora. Cerca de 82% são de vereadores chupins, ocupando 56.810 cadeiras em 5.568 câmaras municipais ao custo para o contribuinte que mantém esta estrutura no valor anual de R$ 20,1 bilhões. Tudo isto sem contar os deputados estaduais e os congressistas – são 11.136 deputados – em um País que 25% da sua população vive abaixo da linha da pobreza.

É coisa de louco!

Conforme números coletados no Google, Transparência Brasil e IBGE, ao todo temos no Brasil 64.024 políticos, e computando os vices também eleitos com salários e assessores atingimos a marca de quase 70 mil políticos eleitos. Em Porto Velho, só na Câmara Municipal, temos 21 vereadores encarapitados em seus gabinetes com 14 assessores cada, ao custo de quase R$ 50 mil por mês. E o que produzem a maioria destes chupins inúteis?

Prazo é curto

Os políticos com pendências na justiça correm contra o tempo para se habilitarem ao pleito de outubro. O prazo é curto, já que as convenções partidárias serão realizadas de 20 de julho a 5 de agosto. Em alguns casos, como do ex-governador Ivo Cassol, atual senador que começa a cumprir pena alternativa em Brasília, ficará difícil de conciliar as atividades penais por lá e a campanha por aqui.

Mais embrômaichan

Em toda campanha política ressurge a toada pela emancipação dos municípios rondonienses travada pelo Congresso Nacional. Há três décadas o assunto vem à baila, e mesmo com a realização dos plebiscitos que aprovaram a autonomia de Tarilândia (em Jaru) e Extrema (Porto Velho) nada prosperou. A nova promessa é que ainda em março haverá uma definição neste sentido. Será?

Via Direta

*** O inverno amazônico começa a se despedir, deixando um amargo legado para os porto-velhenses *** Nos bairros, uma herança de alagações; na zona rural, de estradas interrompidas *** *** A Caixa está sem recursos e retardando processos de novos financiamentos na capital rondoniense *** Temos casos de até oito meses para aprovação de projetos, quando há dois anos em menos de 60 dias se resolviam as pendências.

Fonte: Carlos Sperança - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias