Quinta-Feira, 15 de Março de 2018 - 11:18 (Colaboradores)

L
LIVRE

A 'OUTRA' REVOLUÇÃO DOS BICHOS - POR PROFESSOR NAZARENO

Sem nenhum bicho local que tivesse competência suficiente para tocar os destinos da nova fazenda, o militar trouxe uma séquito de fora para ajudar na administração.


Imprimir página

Muito diferente da verdadeira crônica de George Orwell, havia uma pequena granja situada no interior de um grande país da América do Sul que no início dos anos oitenta do século passado queria também se separar para tocar seu destino como Estado autônomo, mas dependente. Seria “a nova estrela no azul da União”, como diziam pomposamente as propagandas oficiais da época. O engraçado é que as próprias autoridades federais não só queriam como também incentivavam aquela “secessão branca” com o sórdido objetivo de ganhar no tapetão e sem muito esforço mais três senadores da República e uma penca de deputados federais para dar mais folego ao decadente partido político dos generais.

Sem nenhum bicho local que tivesse competência suficiente para tocar os destinos da nova fazenda, o militar trouxe uma séquito de fora para ajudar na administração. Este ato criou uma espécie de ritual cultural que é seguido até hoje: não há um governador ou prefeito da capital da granja que não traga o seu staff. Talvez por serem muito incompetentes, os bichos locais são indicados apenas para cargos nos segundos e terceiros escalões ou então se contentam em ser funcionários comissionados. A nova granja não tinha muitos bichos e os nativos além de broncos não formavam uma grande população. Era preciso povoar o lugar e para isso abriram-se as fronteiras e para lá despacharam levas e mais levas de desempregados e excluídos das outras fazendas do país.

Aos trancos e barrancos a nova roça começou a funcionar. Mas ali tudo era precário e funcionava de forma improvisada. Para acomodar tantos bichos, a natureza foi devastada sem dó nem piedade provocando dessa maneira um dos maiores desastres ambientais de toda a região. Mesmo admitindo a dificuldade para administrar o lugar, o coronel-governador conclamava aos quatro cantos para todos os cidadãos do país ir morar na chácara. Progresso nunca teve, apenas um bicho, sua mulher, cinco ou seis filhos, um cachorro e um saco de panelas. Esse era o investimento inicial por ali. Nenhum dos governadores, no entanto, conseguiu governar bem. Os senadores nada fizeram também. Os deputados federais se envolveram em escândalos políticos e maracutaias e os estaduais se danaram a roubar e explorar sem tréguas os outros bichos.

Levaram-lhe a energia boa e barata e usam seu meio ambiente para produzir carne bovina e outros produtos agropecuários. Os voos para lá são os mais caros e escassos. Na fazendola não tem indústrias, não tem mão-de-obra de qualidade, não tem serviços nem medicina “razoável” e muito menos IDH. Os políticos locais fazem a festa em cima dos ignorantes bichos, pois desviam na maior cara de pau todo o dinheiro público, mentem, constroem ponte escura sem ter estrada, criam curso de Medicina sem hospital universitário, fazem intermináveis viadutos tortos e íngremes, deixam cidades escuras feito breu, enganam a todos nas campanhas políticas e sempre são reeleitos. A granja descrita por Orwell já teve o seu fim. A nossa insiste em continuar existindo. Para quê?

*É Professor em Porto Velho.

Fonte: NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias