Terça-Feira, 06 de Março de 2018 - 10:13 (Colaboradores)

L
LIVRE

POLÍTICA & MURUPI: UMA IDEIA BRILHANTE

A intenção é boa. Com o IUF há uma redução individual na carga tributária – se todos pagam, todos pagam menos – e, como a alíquota é única, o imposto se espraia na base e reduz a sonegação. Mas e as cabeças duras pouco versadas? Aí é a treva...


Imprimir página

“As conquistas dos últimos anos são marcantes na PF e são indeléveis. Não haveria sentido adotar postura diversa. A Lava Jato continua forte” – Rogério Galloro novo diretor-geral da Polícia Federal.

1-Uma ideia brilhante I

Uma Frente Parlamentar da Câmara dos Deputados vai tratar da criação do Imposto Único Federal. 270 parlamentares irão se dedicarà criação do IVA - Imposto sobre o Valor agregado. A ideia do IUF não é nova.

Ele extinguiria tributos federais, contribuições previdenciárias patronais, IRPF, Cofins, IPI, etc. substituindo-os por uma só alíquota – 2,29% emtodas as transações bancárias como  OP, TED, DOC, cheques, etc. no débito ou crédito. Tradução: ao emitir um cheque de R$ 100,00 o valor debitado na conta do emitente será maior, R$ 102,29 e na conta de quem recebe o valor será menor, R$ 97,71. Nas duas operações, o governo arrecada R$ 4,58, sem o efeito cascata.

2-Uma ideia brilhante II

A propostada criação da Frente pró IUF é do deputado, Luciano Bivar. "Não se entenda como linha ideológica. É uma iniciativa administrativa para mudar o sistema tributário e que o país precisa. Luiz Carlos Hauly, relator da reforma tributária está estudando, mas é difícil agradar a todos. A reforma está patinando. O IUF é muito simples”.

A intenção é boa. Com o IUF há uma redução individual na carga tributária – se todos pagam, todos pagam menos – e, como a alíquota é única, o imposto se espraia na base e reduz a sonegação. Mas e as cabeças duras pouco versadas? Aí é a treva...

3-Vem fácil e vai fácil

Ruim do roubar é não ter como levar”, diz Zé de Nana. O ministro Fachin do STF garfou os João Santana e Mônica Moura marqueteiros do PT e ordenou a devolução à “viúva amada, idolatrada” de R$ 71 milhões confiscados dos malinos. Na decisão Fachin disse que as delações do casal  "revelam grandes tratativas financeiras ilícitas envolvendo manipulação de valores em caixa dois durante campanhas eleitorais em âmbito nacional e internacional". Se os dois marqueteiros tinham R$ 71 milhões na conta, quanto não terá a alma mais honesta do país e que pagou aos dois?

4-A Ficha Limpa pega condenados antes de 2010

O STF que em 2017 havia determinado a inelegibilidade por oito anos a políticos condenados por abuso de poder econômico ou político revisitou a decisão a pedido do ministro Lewandowsky que garantia que sem a modulação que ele pleiteava haveria uma desorganização sobre o mandato de 24 prefeitos, de 1,5 milhão de votos e de um sem número de vereadores e deputados.

“Teríamos, a prevalecer esse julgamento, que fazer eleições suplementares em momento de crise, em que o orçamento da Justiça Eleitoral como um todo está reduzida.” Não deu certo e no fim do julgamento ficou tudo como dantes no Quartel d’Abrantes. A Ficha Llimpa é para condenados antes de 2010.

5-Temer investigado pela Lava Jato

Que quadra a que atravessamos. Temer, o plenipotenciário da nossa embananada república chefia a PF bem como todo resto dos organismos pendurados no organograma do Executivo. Temer pode muito, mas não pode tudo. Contrariando o que pensavam Janot, Gilmar, AGU e mais uma pá de operadores do direito, Temer pode e será investigado por crimes que cometeu antes de assumir o cargo de presidente.

A ironia é que a ordem para a investigação nasceu do pedido da PGR Raquel Dodge ao ministro Fachin, relator da Lava Jato. Um baita nabo jurídico para o futuro do turquinho.

6-Uma ideia jerical

Que tal entregar a Alberto Fraga, líder da “bancada da bala”, a relatoria do SUSP-Sistema Único de Segurança Pública, criando metas e indicadores, para distribuir verbas para a União Estados e municípios? E que tal esse mesmo Fraga mexendo no Estatuto do Desarmamento e acabando a obrigação de comprovar a necessidade de uso da arma?.

"Se não tem antecedentes criminais, se tem o atestado psicotécnico e o curso de tiro, a pessoa é apta e sabe da sua carência. Talvez more na fazenda, mas aí o delegado nega. Vamos suprimir a discricionariedade.” Deixar que a “bancada da bala” altere o Estatuto do Desarmamento é como dar milho pra bode. Que tiro foi esse?

[email protected]
Facebook Leo LadeiaII

Fonte: Leo Ladeia/NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias