Quarta-Feira, 31 de Janeiro de 2018 - 12:39 (Geral)

L
LIVRE

'SINTO TERROR', DIZ MENINO FARDADO LEVADO POR POLICIAL MILITAR À DP - VÍDEO

Caso mostrado em primeira mão pelo Metrópoles causou constrangimento à família e à PM, que convidou garoto para visitar batalhão e Bope


Imprimir página

A família do menino vestido com a farda do Bope e levado à delegacia com o pai está traumatizada. “Foi uma humilhação muito grande”, disse, na manhã desta quarta-feira (31/1), a mãe do pequeno, a dona de casa Gláucia Tamares, 31 anos. O caso, mostrado em primeira mão pelo Metrópoles na noite desta terça-feira (30) e com repercussão nacional, constrangeu não só os pais do menino como a PM, que convidou o garoto a ir ao 10º BPM (Ceilândia) e ao Batalhão de Operações Especiais.

A visita está marcada para as 15h desta quarta. O convite partiu do 10º BPM.  Em entrevista ao Metrópoles, Thalyson Eduardo Pereira da Costa, 10, disse que não quer mais ser policial militar. E também demonstrou todo desapontamento com a corporação. “Sinto terror. É bicho papão”, definiu, ao ser perguntado sobre o que sente quando vê policiais militares (confira vídeo abaixo).

A confusão ocorreu na tarde desta terça-feira (30), na porta do Hospital Regional de Ceilândia (HRC). O desenhista Eduardo de Jesus Pereira, 38 anos, estava com o filho Thalyson, conhecido nas redes sociais por ostentar fotos com trajes das forças especiais da tropa. O homem esperava Gláucia ser chamada para uma consulta, quando um vigilante questionou as vestimentas da criança, que também portava uma arma de pressão (airsoft).

Eduardo tentou argumentar com o vigilante que o menino é conhecido por PMs da região e, inclusive, teria ganhado as insígnias de praças e oficiais, mas o segurança entendeu se tratar de algo ilegal e ligou para o 190. Uma guarnição do 8º Batalhão (Ceilândia) chegou ao local e deu razão ao segurança.

Eduardo alega ter explicado que militares do 10º Batalhão (também em Ceilândia) aprovavam a criança andar fardada, por “levar à sociedade uma imagem positiva da instituição”, mas o sargento Fábio Gutemberg da Silva não teria se convencido e deu voz de prisão a Eduardo. A família conta que, quando o policial chegou ao HRC, a criança estava sentada jogando no celular.

“Quando o meu marido me ligou, estava no consultório. Ele me disse que tinha um policial mexendo com o meu filho. Nem esperei a consulta. Saí correndo em disparada”, contou Gláucia, que tem pedra na vesícula.

A dona de casa teme as consequências que a situação pode trazer para sua família. “O meu marido pode responder por desacato e esse policial vai responder pelo quê? Até agora me sinto ofendida com essa atitude da PM”, disse a dona de casa, que mora com a família na Expansão do Setor O, em Ceilândia.

“Me senti um lixo”

Eduardo Pereira diz que foi algemado e levado de camburão para a DP. Ele diz não saber se a família vai perdoar a PM. “Isso vai depender do meu filho”, ponderou. “Eu me senti um lixo. Mas só conseguia pensar nele. Um dos seus heróis estava me humilhando. Me algemou”, afirmou o desenhista.

O homem contou que, quando chegaram à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA), o filho entrou em desespero ao vê-lo algemado e vários menores apreendidos. “Ele achou que seria preso porque estava usando aquela roupa”, disse.

Durante a confusão na delegacia, os pais contaram que um tenente ameaçou tirar as insígnias da farda da criança. “Eu disse que ele não podia fazer isso porque elas foram um presente dos próprios policiais militares que gostam dele”, contou o pai. A maior mágoa do garoto que fala baixinho e que ele é fã do Grupo Tático Operacional e foi abordado exatamente por um policial vestido com a roupa do GTOP.

A mãe explicou que Thalyson gosta de sair com a farda exatamente para encontrar policiais na rua. “Ele tem várias. Diz que prefere se vestir assim porque os tios (como o garoto chamava os PMs) poderiam tirar foto com ele”, pontuou Gláucia, que mora com a família em um casa humilde, de três cômodos, nos fundos de um comércio.

Em nota, a PMDF confirmou que receberá o menino Thalyson nesta quarta. “Na ocasião, vamos oferecer um dia de recreação com a família e a criança, com visita ao batalhão e contato com outras unidades da corporação”, destacou. Disse também que o pai foi levado à DP por desacato, mas vai apurar se houve abuso durante a ação.

Ainda no documento, a PMDF reafirmou “seu compromisso na aproximação com a comunidade e, especialmente, com as crianças, que representam não só o futuro da sociedade, como o da própria Polícia Militar”.

Fonte: 010 - metropoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias