Quarta-Feira, 31 de Janeiro de 2018 - 11:57 (Geral)

L
LIVRE

MENINO VESTIDO COM FARDA DO BOPE É LEVADO PARA DELEGACIA PELA PMDF

Equipe do 10º BPM entendeu que garoto não poderia estar trajado daquela forma nem portar pistola de brinquedo parecida com arma de verdade


Imprimir página

Imagine chegar a um hospital público e dar de cara com uma criança fardada de preto, com uniforme completo do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Distrito Federal. Para alguns, a cena pode parecer fofa, mas uma equipe de patrulhamento da própria corporação não achou nada engraçado e levou o garoto e o pai para a delegacia.

A confusão ocorreu na tarde desta terça-feira (30/1), na porta do Hospital Regional de Ceilândia (HRC). O desenhista Eduardo de Jesus Pereira, 38 anos, é pai de um menino de 10 anos (foto em destaque) conhecido nas redes sociais por ostentar fotos com trajes das forças especiais da tropa. O homem conta que esperava a esposa ser chamada para uma consulta, quando um vigilante questionou as vestimentas da criança.

Eduardo tentou explicar que o menino é conhecido por PMs da região e, inclusive, teria ganhado as insígnias de praças e oficiais, mas o segurança entendeu se tratar de algo ilegal e ligou para o 190. Uma guarnição do 8º Batalhão (Ceilândia) deslocou-se ao local e deu razão ao vigilante.

Eduardo alega ter tentado explicar que militares do 10º Batalhão (também em Ceilândia) aprovavam a criança andar fardada, por “levar à sociedade uma imagem positiva da instituição”, mas o sargento Fábio Gutemberg da Silva não teria se convencido e deu voz de prisão a Eduardo, quem chegou a ser algemado em uma pilastra do hospital.

O garoto, ao tentar defender o pai, partiu para cima do sargento, mas foi contido. O menino e Eduardo foram levados para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), mas os agentes entenderam não haver motivos para registrar ocorrência naquela unidade.

Os dois, então, acabaram conduzidos para a 23ª DP (Setor P Sul), mas o chefe da unidade, delegado Vítor Dan, mandou o caso para a 15ª DP (Ceilândia Centro). O titular desta última delegacia, André Leite, disse, por sua vez, tratar-se de um caso atípico, e que avaliará com calma se cabe tipificar a conduta dos pais em algum delito.

Admiração pela PMDF

Eduardo conta que, desde os 6 anos, o filho se veste de PM e sempre teve admiração pela tropa, mas, após o episódio, quer desistir da ideia de seguir a carreira militar quando chegar à idade adulta. “Ele sempre enxergou o policial militar como herói, mas, hoje, disse não querer mais saber de ser policial. Para ele foi um trauma muito grande”, desabafou Eduardo. “Lamentável uma pessoa manchar uma instituição toda e estragar o sonho de uma criança.”

Segundo o coordenador-geral de Policiamento do Departamento Operacional da PMDF (Dope), major Cláudio Santos, tudo não passou de um grande mal-entendido, resolvido logo após o ocorrido. “O pai do garoto e o policial pediram desculpas um para o outro, e os ânimos acalmaram. A confusão ocorreu porque o menino estava com uma arma de brinquedo que aparentava ser verdadeira”, disse.

Apesar de aparadas as arestas, o oficial esclareceu que o garoto não pode trajar fardamento da Polícia Militar do Distrito Federal fora de ambientes monitorados por militares. O artigo nº 172 do Código Penal Militar proíbe civis adultos de vestir farda em qualquer ocasião.

Para crianças, abre-se uma exceção. “Pela legislação, menores podem andar fardados e usar insígnias policiais em eventos cívicos ou dentro de unidades da corporação. Imagina se um marginal que não gosta da PM vê uma criança fardada na rua e decide fazer uma retaliação? É para a própria segurança delas”, explicou o major.

Fonte: 010 - metropoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias