Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2018 - 19:49 (Cidades)

L
LIVRE

SURTO DE CONJUNTIVITE PREOCUPA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE JI-PARANÁ

A preocupação é que as pessoas não utilizem colírios sem a prescrição médica


Imprimir página

O Hospital Municipal Claudionor Roriz registrou nas últimas três semanas 116 casos de conjuntivite viral em Ji-Paraná. O número preocupa o Departamento de Vigilância em Saúde da Prefeitura de Ji-Paraná, que notificou surto da doença oftalmológica junto ao SINAN, Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Governo Federal.

O número pode ser ainda maior do que o registrado pelo Hospital Municipal, pois muitas pessoas procuram clínicas particulares ou nem buscam ajuda médica. Os pacientes atendidos com conjuntivite moram em vários bairros de Ji-Paraná, não tendo concentração da doença.

A orientação do Departamento de Vigilância é que as pessoas que estão com conjuntivite fiquem em casa evitando ambientes coletivos como o local de trabalho. A transmissão é feita pelo contato direto e por objetos contaminados.

Segundo a diretora do departamento de Vigilância em Saúde, Emanoela Sousa, o município está investigando qual o vírus causador da doença e orientando a população a não fazer a automedicação. “Nossa preocupação é que as pessoas não utilizem colírios sem a prescrição médica. A maioria deles tem corticóides, o que aumenta a pressão no olho, podendo gerar problemas mais graves. Orientamos que o paciente lave os olhos com água limpa, fervida e fria, não use remédios caseiros e procure um médico”, disse a diretora.

Doença – A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, que é uma membrana fina e transparente que reveste o “branco dos olhos” e o lado de dentro das pálpebras. Entre as causas mais freqüentes estão a virais, bacterianas e alérgicas. As conjuntivites registradas em Ji-Paraná foram identificadas como causadas por vírus.

Sintomas – Os principais sintomas das conjuntivites são olhos avermelhados, lacrimejamento, pálpebras inchadas, intolerância a luz, sensação de areia nos olhos, pálpebras grudadas ao despertar e visão borrada. As virais geralmente se caracterizam por apresentar secreção esbranquiçada em pouca quantidade. Podem durar aproximadamente 15 dias até a evolução para a cura.

Fonte: 010 - assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias