Terça-Feira, 09 de Janeiro de 2018 - 17:55 (Polícia)

14
Não recomendado para menores de 14 anos

CÂMERA REGISTRA FUGA DE CRIMINOSO QUE ATIROU EM MULHER - VEJA O VÍDEO

Bem-vestido, alto, de cabeça raspada e usando barba, o criminoso ainda não foi identificado pelos investigadores da 1ª Delegacia de Polícia.


Imprimir página

Um novo vídeo obtido pela Polícia Civil mostra com detalhes a fuga do homem que deu um tiro no peito de Ieda Maria Neiva Rizzo, 54 anos, na noite de segunda-feira (9/11), entre os blocos A e B, na residencial da 408 Sul. As imagens registraram o momento em que autor do delito deixa o local correndo. Bem vestido, alto, de cabeça raspada e usando barba, o criminoso ainda não foi identificado pelos investigadores da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

O vídeo, obtido em primeira mão pelo pelo Metrópoles, é a principal prova usada pela investigação para colocar o suspeito na cadeia. As câmeras que captaram a fuga estão instaladas em um prédio vizinho. Durante toda o dia desta terça-feira (9), investigadores percorreram a região tentando levantar informações sobre o homem, que não aparenta ser morador de rua ou usuário drogas.

Inicialmente, de acordo com a Polícia Militar, a informação era de que dois homens se aproximaram após a mulher descer do carro, no estacionamento do prédio onde mora seu namorado. Eles tentaram estuprá-la, mas, como a vítima reagiu, um dos bandidos atirou. A linha de investigação da Polícia Civil, no entanto, é de tentativa de latrocínio — roubo seguido de morte.

Socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a mulher foi encaminhada para o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), onde passou por cirurgia e fez um procedimento de drenagem no pulmão. Ieda Rizzo segue internada na ala vermelha da unidade.

O porteiro do bloco A, Gimadalberico Antônio da Silva contou o que viu: “Quando cheguei, a vítima ainda estava no chão. O namorado dela pressionava o ferimento e dizia, de forma bem centrada, que tudo iria se resolver. A mulher estava lúcida. Repetia várias vezes: ‘amor, não me deixe morrer’”.

Gimadalberico mora no bloco há 27 anos e conta que a região é tranquila. “Claro que já tivemos muitos casos de furtos a veículos, mas até isso diminuiu bastante. O crime de ontem, porém, foi chocante. O último caso semelhante que vi por aqui foi há mais de 10 anos, na banca de revista da quadra”.

Fonte: 012 - metrópoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias