Quarta-Feira, 20 de Dezembro de 2017 - 10:36 (Colaboradores)

L
LIVRE

GRAVES CONSEQÜÊNCIAS - POR CARLOS SPERANÇA

Lá se formaram vários loteamentos clandestinos e invasões criando novas demandas para a população que a municipalidade não poderá atender por conta das proibições emanadas da Justiça.


Imprimir página

Se a prefeitura de Porto Velho não conter as invasões de terras que ocorrem em todos os quadrantes da capital, não haverá Plano Diretor que consiga projetar a cidade nos próximos anos. Atualmente são mais de 22 invasões e tantas outras chamadas de “ocupações” para serem regularizadas em comunidades carentes de água, esgoto e em muitos casos com a energia elétrica ligadas aos barracos através de perigosos rabichos, feitos até com arame farpado.

No momento em que a Secretaria de Planejamento, juntamente com outras pastas importantes, como a de Regularização Fundiária começa a discutir através de audiências públicas a revisão do Plano Diretor é preciso que as fiscalizações da municipalidade e do Ministério Público Ambiental atuem em conjunto e com mais vigor nas terras às margens da BR-319, depois da ponte. Lá se formaram vários loteamentos clandestinos e invasões criando novas demandas para a população que a municipalidade não poderá atender por conta das proibições emanadas da Justiça.

Nada decidido

O governador Confúcio Moura (PMDB) está dando um nó na cabeça dos articulistas políticos da terrinha. Se de um lado, sinaliza que pode ser candidato ao Senado, de outro proporciona todos os indicativos que permanecerá no cargo até o final do mandato e neste caso projetando a candidatura de sua irmã Claudia Moura à Câmara dos Deputados pela região do Vale do Jamari. Tem até março para se decidir e neste momento o que temos é uma incógnita.

Aliança forte

Uma coligação para a disputa à Câmara dos Deputados vem forte para a eleição do ano que vem e pode botar no mesmo palanque um chapão com candidatos do PDT, PSB, PSDB e DEM juntos. Nomes como os de Mariana Carvalho (PSDB), Mauro Nazif (PSB), Melki Donadon (que deve migrar para o PDT), Marcos Rogério (DEM) e Silvia Cristina (PDT) podem compor a aliança. Destes, pelo menos dois são campeões de votos, que são Mariana e Marcos Rogério.

As acomodações

As acomodações partidárias em andamento indicam uma reeleição tranquila para o deputado estadual Cleyton Roque (PSB-Pimenta Bueno). Além do bom trabalho da sua esposa, a pastora Juliana frente ao Paço Barão de Melgaço, Roque ampliou seus redutos para todo o Cone Sul e Zona da Mata. Não bastasse, também é bem votado na capital, como ocorreu no pleito passado.

Os grupos da morte

Nos bastidores se fala que existem dois grupos da morte (baitas frias nas pelejas) para a eleição do ano que vem para as cadeiras da Assembleia Legislativa. Um deles é formado no PMDB, o que reduziria em muito as chances de reeleição dos seis deputados do partido, e outra composição é formada pelos deputados estaduais de Porto Velho (num outro grupo da morte) que já estão com o coração na mão com tantos predadores no pedaço.

Basta de tragédias

O vice-governador Daniel Pereira (PSB) trabalha ativamente para resolver dois pontos de estrangulamento, que tem sido palcos de dezenas de acidentes na BR-364 para serem elucidados no próximo ano. O primeiro seria resolvido com a duplicação da BR-364 entre Porto Velho e Ji-Paraná. A outra intervenção seria através do governo Estadual desviando o tráfego pesado de carretas no trecho Pimenta Bueno e Vilhena, através de ligação de uma rodovia estadual que atinge Chupinguaia até Parecis.

Via Direta

*** O prefeito Hildon Chaves (PSDB) teve o seu ponto alto na entrega de casas populares durante 2017 *** Na esfera estadual, o governador Confúcio Moura (PMDB) caso deixe o governo Estadual, vai legar para seu sucessor as contas em ordem *** Uma carrada de secretários estaduais está desfazendo as gavetas para se desincompatibilizar dos cargos para disputar cargos eletivos no ano que vem.

Fonte: Carlos Sperança - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias