Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017 - 10:50 (Colaboradores)

L
LIVRE

A DECISÃO, QUANDO O ÓDIO NOS FAZ MAL (PARTE I)

Esta é uma nova versão de A DECISÃO (2017). Uma nova versão melhorada, revisada. Uma nova versão bastante literária. Do Autor.


Imprimir página

Por Alberto Ayala

Capítulo 1

Ela trancou a porta do escritório. Respirou fundo. A janela encontrava-se aberta. Letícia estava abatida, sem paz. Sentou na poltrona. Fitou o quadro pendurado na parede.

Na tela, duas meninas negras brincavam num belo jardim. O marido saiu cedo da mansão. E ela sabia que ele tinha uma amante. Sabia. Augusto já não era o mesmo. Augusto mudara.

- Querido, você ainda me ama? - perguntava a esposa inúmeras vezes querendo ouvir a mentira.

Augusto sorria de um jeito cínico.

- Sim - respondia o mentiroso. - Nunca amei ninguém como eu te amo!

E tratava de beijar a mulher traída. Beijos falsos. E Letícia fazia do companheiro o seu deus. Fizera de um miserável mortal um ídolo.

Letícia ficou muitas noites na solidão. O advogado inventava dezena de viagens de negócios. Fazia isso para ter mais tempo com Valéria (a sua prostituta de luxo preferida). A outra o tragou absolutamente. Fez ele ficar louco de paixão.

A artista plástica gemia na alma. O olhar transmitia uma amargura intensa. A cabeça baixa denotava o seu sentimento de fracasso. Dedicava-se à literatura (com a finalidade de esquecer tantas desilusões). Lia bastante os sonetos de Florbela Espanca. Lia sentada no sofá, comovida, perdida. Ouvia músicas melancólicas no rádio. Tão bonitas! Sentava-se à mesa, tomava chá e comia biscoitos franceses. As lágrimas rolavam (inevitável contê-las).

CONTINUA...

Fonte: Alberto Ayala /NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias