Sexta-Feira, 08 de Dezembro de 2017 - 17:39 (Política)

L
LIVRE

É VERDADE QUE TIRIRICA NUNCA FEZ UMA LEI? QUE FALTAVA MUITO?

Depois de fazer discurso de despedida na tribuna da Câmara, deputado federal foi alvo de diversas informações truncadas


Imprimir página

Nesta quarta-feira (6/12), o deputado Tiririca fez seu primeiro e último discurso como parlamentar na Câmara. Eleito duas vezes – 2011 e 2015 – deputado federal pelo Partido da República (PR-SP), Tiririca criticou seus pares e fez um apelo para a Câmara olhar mais para o povo brasileiro. Nas redes sociais, choveram comentários sobre o deputado e sobre suas ações durante a vida pública. A Lupa chegou algumas dessas frases. Veja o resultado:

“Tiririca nunca apresentou um projeto de lei

 

Uma busca no site da Câmara revela que o deputado é autor de 59 projetos de lei e outras proposições. Mas 17 deles foram arquivados e somente um foi efetivamente transformado em lei. Trata-se do projeto que instituiu o Programa de Cultura do Trabalhador e criou o vale-cultura. Ele é fruto de um PL assinado por Tiririca e diversos outros parlamentares.

O deputado federal pelo PR-SP ainda foi relator de 16 projetos de lei que passaram pela Comissão de Cultura, a única da qual Tiririca é membro titular. No entanto, apenas um deles foi aprovado e virou lei. Trata-se da concessão do título de “Capital Nacional do Antigomobilismo” (carros antigos) ao município de Caçapava (SP).

“Tiririca já conseguiu os oito anos necessários para se aposentar como parlamentar”

A Lei 7.087/82, que estabelecia que um parlamentar precisava ter apenas oito anos de mandato e 50 anos de vida para poder se aposentar, não é mais válida. Em 1997, as regras mudaram, com a aprovação da Lei 9.506/97. Atualmente, um parlamentar só pode se aposentar com salário integral depois de ter contribuído 35 anos para o Plano de Seguridade Social dos Congressistas e ainda ter 60 anos. Essa norma vale tanto para homens quanto para mulheres. Se o parlamentar se aposentar antes, terá um benefício proporcional ao tempo de contribuição.

“Tiririca votou para deter as denúncias contra Michel Temer”

Nas duas denúncias apresentadas contra o presidente Michel Temer, o deputado Tiririca votou “não”, ou seja, a favor da aceitação da denúncia e o avanço das investigações.

No dia 2 agosto deste ano, Tiririca se juntou a outros 226 deputados que queriam que a denúncia avançasse. Mas esse grupo foi derrotado. A maioria da Câmara – 263 deputados – votou para deter o caso. Naquela sessão, houve 19 deputados ausentes e dois que se abstiveram.

Na votação referente à segunda denúncia, Tiririca não mudou de posição e continuou votando a favor do avanço das investigações. Mas seu grupo novamente foi derrotado, com um placar de 251 contra 233. Ainda houve 25 ausências e duas abstenções.

“Tiririca votou a favor do impeachment de Dilma”

No dia 17 de abril de 2016, a Câmara decidiu dar prosseguimento ao processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff. Naquela ocasião, o deputado Tiririca votou a favor do impeachment da petista e não justificou seu posicionamento.

“Tiririca  votou  a favor de todos os projetos do governo Temer”

Apesar de ter votado de forma favorável à Proposta de Emenda Constitucional que impôs limites ao gasto público, a chamada PEC do Teto – uma das mais importantes do governo Michel Temer –, o deputado federal Tiririca foi contra o projeto de lei 4302/98, que permitiu que as empresas pudessem terceirizar todas suas atividades, e também foi contra a reforma trabalhista, aprovada neste ano.

“Tiririca faltava pouco”

Até a última quinta-feira (7), a atual legislatura da Câmara tinha tido 331 dias úteis, ou seja, com sessões deliberativas. O relatório de presença em plenário de Tiririca mostra que ele esteve presente em 100% dessas datas. Como algumas delas têm mais de uma sessão, o deputado consta como “ausente” em uma sessão preparatória e quatro extraordinárias.

Na legislatura anterior, foram 394 sessões deliberativas, e Tiririca também esteve presente em 100% delas, mas se ausentou em três sessões ordinárias e duas extraordinárias.

Quanto à frequência à Comissão de Cultura, vale ressaltar que o deputado faltou em 13 das 116 reuniões. Nove eram audiências públicas e quatro, reuniões deliberativas. Nenhuma das ausências consta no site da Câmara como tendo sido justificada.

Fonte: 010 - metropoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias