Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2017 - 08:45 (Colaboradores)

L
LIVRE

TEMER EM PORTO VELHO TERÁ QUE ENFRENTAR, DE NOVO, A FÚRIA DA MÍDIA NACIONAL

PERGUNTINHA: O novo sistema eleitoral que prevê eleição de parte dos mais votados e parte dos que conseguirem maior apoio em seus distritos (sistema distrital misto), aprovado no Senado, vai mesmo melhorar a qualidade das representações políticas no país?


Imprimir página

A manhã desta quinta marca a primeira visita de Michel Temer como Presidente da República a Rondônia. Ele esteve aqui em fevereiro de 2016, ainda na condição de vice presidente, inaugurando o laboratório de Patologia da Policlínica Osvaldo Cruz. O sistema de segurança foi enorme, até maior do que tiveram os ex presidentes Lula e Dilma Rousseff, quando vieram visitar as hidrelétricas do rio Madeira. Tudo porque, naquele momento, estava chegando ao auge a guerra Temer x Dilma, que culminaria com o impeachment da Presidente e com a posse dele como Chefe da Nação. Na visita que fará à Capital do Estado, nesta quinta, claro que o esquema será ainda mais complexo. O Presidente da República chegará de Brasília por volta das nove e meia da manhã e às 10 horas seguirá, de helicóptero, para o Hospital do Câncer de Barretos. Ali, ele fará a inauguração oficial de um dos maiores e mais importantes hospitais do país, construído com grande apoio da comunidade e mantido com apoio do Estado e através do credenciamento do SUS. Aliás, em relação a isso, Temer teve importante participação, porque foi uma ordem pessoal sua que fez andar, no emaranhado burocrático que assola o país, os trâmites para que o HC da Amazônia pudesse funcionar rapidamente. Não se esperam protestos durante a solenidade do HC, porque todo o trajeto do Presidente, ida e volta, será de helicóptero. Mas na segunda solenidade, Temer poderá sim ter que enfrentar manifestantes. Embora poucos, como sempre, sindicalistas, petistas e outros “istas” estariam preparando um protesto com faixas, cartazes do “Fora Temer” e outros mais.

O Presidente sairá da solenidade de inauguração e depois vai fazer um agrado a membros da bancada federal, especialmente ao deputado Lindomar Garçon, na entrega de equipamentos para o Hospital Infantil Cosme e Damião, ao lado do HB. Dali volta ao Jorege Teixeira,  que é bem próximo, assina liberação de recursos para melhorias no aeroporto e embarca novamente para Brasília. Não se sabe se os protestos serão mesmo realizados e se Temer sofrerá vaias e críticas durante sua estada aqui. Como terá muito pouco contato com o público, devido ao isolamento determinado pelos órgãos de segurança, talvez nem veja muito bem o que ocorrer nas proximidades. Mas se houver um só manifestante, certamente ele se tornará notícia nacional, pela forma parcial que a mídia (com apoio surpreendente da Rede Globo), tem dado ao governo de Temer. O Brasil está menos ruim do que era nos tempos de Lula e Dilma, a economia dá sinais de melhora e o desemprego caiu um pouquinho. Há esperança, enfim. Mas não para a grande mídia brasileira. Essa continua tratando o governo Temer como inimigo.

CINCO QUARENTONAS

Ji-Paraná, Ariquemes, Cacoal, Pimenta Bueno e Vilhena, cinco das principais cidades do Estado, comemoraram 40 anos de criação nesta semana, as cinco com momentos de desenvolvimento significativos e com desafios ainda maiores. Ji-Paraná está vivendo, hoje, provavelmente o melhor momento da sua História. Além de receber um pacote de obras, tem tido, no comando de Jesualdo Pires, uma administração respeitada e comprometida com a comunidade. Em Cacoal, a prefeita Glaucione Rodrigues está tentando recuperar a cidade, depois de dois mandatos do Padre Franco que, no final, tiveram resultados muito aquém dos esperados. Já Ariquemes vive também seus graves problemas, mas continua crescendo acima da média estadual. Por lá, o prefeito Thiago Flores assumiu com pesados desafios á frente. Tem conseguido avançar, mas com cintos apertados e enormes dificuldades. Além disso, a violência que domina a cidade e a região, também é fator de enorme preocupação, embora nesse quesito o município muito pouco possa fazer. Vilhena também cresce, mas tem um histórico de lideranças políticas envolvidas com escândalos. Está na hora de acabar com essa pecha. Pimenta Bueno anda melhjorando, sob o comando de Juliana Roque, cara nova na política, cheia de vontade de acertar. Cada um com suas características e problemas, mas as cinco cidade crescem e superam desafios, ao chegar às quatro décadas de vida...

PELO BEM OU PELO MAL...

Pode-se dizer de tudo e criticar o que quiser no mandato do néo vereador Marcelo Cruz, menos que ele não seja criativo e midiático. Desde que assumiu, Marcelo tem se envolvido em grandes polêmicas, mas permanece quase todos os dias na mídia, destacando-se dos seus pares e se tornando mais conhecido por isso. Midiático competente. Se isso vai colar ante o eleitorado e elegê-lo deputado estadual, como ele pretende, é outra história. De vez em quando ele dá uma bola totalmente fora, como quando tentou atrasar as obras do Hospital de Urgência e Emergência de Rondônia, o Heuro, por causa de uma burocrática e fajuta audiência pública. Mas se redimiu e correu para buscar um tema que agrada a maioria: as discussões sobre questões de gênero nas escolas. Primeiro, inventou um projeto sem pé nem cabeça, impondo censura à discussão do tema dentro das escolas. Não colou, é claro, por totalmente inconstitucional, mas o colocou muito bem perante a maioria da opinião pública. Depois, publicou nas redes sociais um manifesto se colocando totalmente contra a discussão sobre gênero nas escolas, traduzindo o sentimento evangélico, que ele pretende também representar. De cada dez comentários postos em suas declarações, nove foram de apoio. Esperto, Marcelo Cruz não vai passar em branco pela Câmara. Pelo bem ou pelo mal, ele está se destacando sim...

NOMES QUE VOLTAM...

Há nomes que estão voltando à política e que podem se dar bem em 2018. José Guedes, por exemplo, sonha em ser o candidato ao Governo pelo PSDB. É praticamente certo de que não o será, mas ao menos reaparece com destaque no cenário político e, com a mídia que tem recebido, poderá optar por outros desafios na eleição do ano que vem. Outro nome que tem aparecido com grande destaque é o do empresário e ex Constituinte Chagas Neto. Ele tem uma história pessoal que se confunde com a história de Rondônia, desde a transformação em Estado. Seu trabalho em benefício da população mais pobre, com a criação de dezenas de conjuntos habitacionais, por exemplo, até hoje é lembrado.  Liderança do setor da construção civil, presidente do Conselho de Administração da Federação das Indústrias de Rondônia, a poderosa Fiero, Chagas é daqueles personagens que Rondônia jamais esqueceu, por tudo o que realizou. Sem contar ainda de sua importante participação na Constituinte de 1988, quando teve atuação destacada. A decisão de Chagas de buscar uma cadeira na Assembleia Legislativa tem tido apoio de todos os lados. Merecidamente, aliás...

BRUTALIDADE CONTRA AS MULHERES

Na contra mão da batalha diária do procurador Héverton Aguiar e tantas outras autoridades, berrando em defesa das mulheres, há um número crescente de ocorrências de agressões e crimes contra elas, registrados em Rondônia e especialmente em Porto Velho. Quando mais o promotor dá duro para que haja mais proteção às mulheres e que os agressores sejam exemplarmente punidos, mais eles se tornam cruéis e covardes. Parece que o fazem não só por serem apenas covardes mesmo, mas também para mostrarem que não têm medo da pífia legislação, que apenas faz barulho, mas na verdade pune muito pouco. Mesmo presos em flagrante, a maioria desses criminosos acaba sendo beneficiada por um pacote de benesses legais e, muitas vezes, em pouco tempo estão soltos outra vez, para continuarem cometendo suas barbáries. Agridem, ferem e matam por qualquer motivo. O que se pode dizer de positivo é que, não fosse a luta do promotor Héverton e de tantos outros homens e mulheres que berram contra essa violência absurda, as coisas seriam ainda piores. Mas é bom que ninguém se engane. Com o atual pacote de leis de proteção a bandidos de todas as estirpes, os crimes contra as mulheres continuarão impunes.

REAÇÃO DA TURBA

De vez em quando há reação sim e os bandidos perdem. São raros os casos, mas eles ocorrem cada vez em maior número. Repetiu-se nesta semana, no centro de Porto Velho. Um bandido atacou uma mulher indefesa, derrubando-a e ferindo, para roubar o celular dela. A vítima gritou por socorro e em pouco tempo várias pessoas apareceram, atacando o canalha agressor, derrubando-o e enchendo de porrada. Não havia polícia por perto, enquanto a mulher era assaltada. Mas logo depois que o bandido começou a ser surrado, apareceu uma equipe da PM, para salvar a pele do agressor. Não fosse isso, ele certamente sofreria muitos ferimentos, porque as agressões foram violentas. Esse tipo de situação tem acontecido eventualmente em alguns pontos da cidade, como tem ocorrido, aliás, em outros estados. A população tem reagido e quando põe a mão nos criminosos, eles correm sérios riscos. Na grande maioria dos casos, quando não conseguem fugir da fúria da turba, são salvos pela Polícia Militar. Vitimas de todos os tipos de crimes, estão criando coragem para não aceitar mais serem violentadas nos seus direitos, embora os únicos que são defendidos, na maioria dos casos, são os direitos humanos dos criminosos. Parece que para nossas leis, os direitos das vítimas não existem.

NOVELA QUE VIROU PIADA

E a novela tragicômica continua! No hotel de alta rotatividade de Ariquemes, também apelidado de Centro de Ressocialização, um presídio apenas de passagem, porque o preso entra por uma porta e em pouco tempo sai pela outra, mais uma fuga foi registrada nesta semana. Parece piada, mais infelizmente não é. Na cadeia que os próprios presos construíram, a grande notícia não é a prisão de algum bandidão, mas outros capítulo da novela sem fim, com o subtítulo de “As Fugas da Semana”!. Na última vez foram sete. Ou seja, parece que não há controle, nem fiscalização, nem cuidados, nem autoridade dentro do presídio para impedir que os detentos façam uso desse verdadeiro rodízio de fugas. Uma vergonha para o Estado, que gastou 25 milhões para construir um presídio que se transformou numa espécie de motel de alta rotatividade, onde o preso só fica se quiser. Será possível que ninguém vai tomar nenhuma atitude? Não haverá investigação dos órgãos de segurança; do Ministério Público ou de quem quer que seja, para tentar conter essa piada em que se transformou o tal Centro de Ressocialização, que a única coisa que ressocializa é permitir que os condenados possam se integrar novamente à sociedade, via fugas? Lamentável!

PERGUNTINHA

O novo sistema eleitoral que prevê eleição de parte dos mais votados e parte dos que conseguirem maior apoio em seus distritos (sistema distrital misto), aprovado no Senado, vai mesmo melhorar a qualidade das representações políticas no país?

Fonte: 010 - Sergio Pires/NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias