Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017 - 10:32 (Geral)

L
LIVRE

PRESIDENTE DA FECOMÉRCIO-RO VAI TRAZER NOVIDADES DE PORTUGAL PARA O CONETUR

Raniery participou da segunda-feira (13/11) da II Conferência de Lisboa sobre o Acordo União Europeia – Mercosul, que tratou de acordo de livre-comércio, serviços e turismo e oportunidades de negócios para o Brasil na Europa


Imprimir página

Após fazer parte de uma comitiva da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em Lisboa, Portugal, esta semana, o presidente da Fecomércio-RO, Raniery Coelho, diz que pretende avaliar novas propostas a serem discutidas no Conselho Empresarial do Turismo (Conetur).

Raniery participou da segunda-feira (13/11) da II Conferência de Lisboa sobre o Acordo União Europeia – Mercosul, que tratou de acordo de livre-comércio, serviços e turismo e oportunidades de negócios para o Brasil na Europa e disse que Portugal é um potencial mercado turístico, sobretudo por causa do idioma.

“O Brasil visita muito mais Portugal do que recebe turistas portugueses. Esse foi um dos questionamentos feitos durante o seminário. Sabemos que o problema está na falta de estrutura e na prioridade orçamentária dada pelas autoridades ao setor. Temos muito a evoluir nesse quesito se quisermos entrar nesse mercado”, observou.

Na reunião de Oportunidade de Negócios para o Turismo, o presidente do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da CNC, Alexandre Sampaio, reconheceu a situação do Brasil no setor, mas observou que o País já trabalha em cima de uma política pública para modernizar o setor em todos os estados, citando o lançamento da Lei Geral do Turismo, em 2017.

“O Sistema Fecomércio-RO teve a oportunidade de receber o ministro do Turismo, Marx Beltrão, no lançamento dessa Lei, em maio desse ano, em Rondônia. Certamente, a abertura de 100% do capital estrangeiro para as empresas aéreas e a criação de zonas de exportação turística vem para dar condições para que possamos expandir o setor e a nossa economia, não somente a países europeus, mas, sobretudo, com os países andinos que estão na nossa fronteira”, finalizou.

Fonte: 010 - Luiz Carlos Ribeiro

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias