Sexta-Feira, 13 de Janeiro de 2017 - 11:19 (Geral)

L
LIVRE

AROM INTERCEDE JUNTO AO GOVERNO, PARA EVITAR PREJUÍZOS COM FIM DA CEDÊNCIA DE SERVIDORES

Uma medida de adequação administrativa do Governo do Estado de Rondônia visa a retomada de 629 servidores da área de saúde, cedidos aos Municípios, para os setores de origem, as unidades estaduais.


Imprimir página

Uma medida de adequação administrativa do Governo do Estado de Rondônia visa a retomada de 629 servidores da área de saúde, cedidos aos Municípios, para os setores de origem, as unidades estaduais. Trata-se do Decreto nº 21.544, publicado em 09 de janeiro de 2017, estabelecendo prazo de cinco dias para início de cumprimento. A Lei também expressa que, caso os Municípios optem por manter os servidores, terão de arcar com o ônus salarial.

O Decreto surpreendeu os Prefeitos, que falam em inevitável paralisação do serviço de saúde. Diante da iminência de prejuízos às Prefeituras, a Associação Rondoniense de Municípios – AROM iniciou forte articulação junto ao Governo. Nesta quinta-feira (12), o Presidente da entidade, Jurandir de Oliveira, oficiou o Governador Confúcio Moura e o Chefe da Casa Civil, Émerson Castro, pedindo a imediata revogação do Decreto.

Para a AROM, a adequação traz prejuízos drásticos pois há Municípios como o de Alvorada D’Oeste que conta com 32 servidores na saúde, que não têm capacidade financeira de absorver os profissionais em folha e manter a oferta de saúde nesses setores. “A iniciativa do Governo é legal e necessária, mas de outro lado, temos a habitualidade dos servidores que constituíram família nos municípios e a extrema necessidade das Prefeituras em tê-los trabalhando”, explica Jurandir.

A saída apresentada pela AROM é que a quebra de cedência seja feita de forma paulatina. Pela proposta apresentada ao Governo, o Municipalismo pede que a retomada dos servidores seja iniciada a partir de julho deste ano, sendo 10% do total a cada ano, por dez anos sucessivos. Pelas alegações do Governo, o Estado tem déficit de R$ 2,5 milhões com esses servidores e que vem buscando regularizar a situação há mais de dez anos.

O pleito da AROM quanto à proposta de aplicabilidade do Decreto foi bem recebido pelo Secretário Chefe da Casa Civil, Émerson Castro, que assegurou à associação que a questão será revista o mais brevemente possível pelo Governador Confúcio Moura. Na reunião na Casa Civil, a entidade municipalista foi representada pelo Presidente e os colegas prefeitos Jesualdo Pires, de Ji-Paraná, José Walter, de Alvorada D’Oeste, e os diretores da instituição, Izael Dias, de Cabixi e a prefeita Gislaine Clemente, de São Francisco do Guaporé.

Fonte: 010 -

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias