Quinta-Feira, 04 de Junho de 2015 - 17:24 (Artigos)

UM DITADOR CAMUFLADO - por Humberto Pinho da Silva

Certa ocasião, o sindicato decretou greve. O nosso sindicalista, agora na função de representante da empresa, furou-a, esclarecendo que estava com os trabalhadores…mas como chefe não convinha faltar…


Imprimir página

Por Humberto Pinho da Silva

Havia nos anos setenta sindicalista que se tornou gerente da área comercial de importante empresa.

Era jovem e ambicioso. Sempre que participava em reuniões ou cursos de reciclagem, punha-se em bicos de pés e botava faladura.

Como tinha sempre argumentos para rebater as ideias dos colegas, ninguém o contrariava. Uns, porque temiam a voz de bordão; outros, porque sabiam que, como esquerdista, em época revolucionária, era melhor tê-lo como camarada amigo.

Certa ocasião, o sindicato decretou greve. O nosso sindicalista, agora na função de representante da empresa, furou-a, esclarecendo que estava com os trabalhadores…mas como chefe não convinha faltar…

Levantaram-se vozes de censura, algumas de militantes de seu partido, mas a maioria eram de direitistas, que resmungavam em surdina, porque temiam represálias.

No dia da greve, alegando que era “política” e pretendia apenas derrubar ou dificultar o governo, alguns empregados apresentaram-se ao serviço.

Eram poucos. Como sempre, a maioria prefere aderir, mormente quando percebe que os dirigentes são favoráveis à greve.

Trabalhador honesto, apolítico, pai de família, entrou na empresa e apressou-se a marcar o ponto.

Mal começara a ler os documentos pendentes, sentiu que o observavam por cima dos ombros

Voltou-se e encarou o chefe, que sorrindo, disse-lhe num cicio irónico:

- “ Depois queres receber prémios! …”

Engoliu em seco e desculpou-se – que o dinheiro fazia-lhe falta e não podia dispensar a quantia …

Escusado é dizer que o infeliz, apesar da dedicação e lealdade, não recebeu qualquer prémio, e o castigo durou anos…

Este episódio, bem demonstrativo da pouca democracia que se vivia na época, foi-me contado por amigo, para confirmar o que eu já sabia: muitos que pedem justiça e liberdade, não passam de ditadores dissimulados.

Diz bem o povo “ Quem quer conhecer o vilão, meta-lhe a vara na mão”. E pode-se dizer também – Se quer conhecer o ditador meta-lhe o poder na mão.

Há sindicalistas e políticos honestos, mas, em regra, o povo não os elege, porque honradez e falar verdade, raras vezes atrai a simpatia dos eleitores.

Este antifascista, segundo me contaram, certo dia, após comezaina com camaradas, declarou: - “ Eu levo qualquer um…A malta não passa de carneirada! …Com inflamados discursos e mentiras, ficam todos na palma da minha mão! …”

Não disse mentiras…

Fonte: Humberto Pinho da Silva

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias